S&P baixa ratings de empresas públicas e põe cinco bancos sob vigilância

A agência de notação financeira Standard & Poor’s (S&P) cortou hoje os ratings da Parpública, da CP, da Refer e do Metropolitano de Lisboa, colocando ainda sob vigilância cinco bancos portugueses, a EDP e a REN.

A decisão da S&P decorre do facto de a agência ter colocado sob vigilância, na terça-feira, o rating da República portuguesa, dizendo, nomeadamente, que se Portugal recorresse ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira, a sua notação financeira teria de descer do actual “A-“.

As empresas atingidas pelo corte são a Parpública, a Comboios de Portugal (CP), a Refer e a Metropolitano de Lisboa, que viram o seu rating baixar de “BBB+” (que é já o grupo de classificação mais baixo) para “BBB”. A Refer fez já uma comunicação à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informando sobre a redução do rating. A S&P mantém um outlook negativo sobre estas quatro empresas, o que significa que pode vir a cortar ainda mais o rating no curto prazo.

Paralelamente, a Standard & Poor’s colocou também sob vigilância os ratings de cinco bancos portugueses – BES, BPI, BCP, Santander Totta e Caixa Geral de Depósitos – e duas empresas ligadas ao Estado – a REN e a EDP – tal como já tinha feito com o rating da República. Em todos estes casos, a S&P diz que deverá tomar uma decisão sobre a descida da notação financeira no prazo de três meses.

Num relatório, a S&P explica a sua decisão de colocar sob vigilância os ratings dos bancos se deve ao facto de a agência “raramente atribuir uma notação financeira da dívida de instituições superior à do país, sobretudo por considerar improvável que estas instituições não sejam afectadas pelos desenvolvimentos da economia”.

MRA Alliance/Público

Leave a Reply