Rússia regastou cargueiro “Arctic Sea” e prendeu sequestradores

Cargueiro O cargueiro “Artic Sea” foi sequestrado no dia 24 de Julho por piratas russos, letões e estonianos, e oito suspeitos foram detidos, anunciou hoje, em Moscovo, o ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Serdyukov.

O ministro acrescentou que os tripulantes foram resgatados sem um disparo e que oito sequestradores foram presos pelas autoridades maritimas e militares russas, mas não esclareceu as misteriosas circunstâncias do desaparecimento, nem o móbil do inusitado crime de pirataria em águas da União Europeia.

“Em 24 de julho, em águas territoriais suecas, aproximou-se do ‘Artic Sea’ um barco fora de rota no qual estavam quatro cidadãos estonianos, dois letões e dois russos”, declarou Serdyukov ao presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, de acordo com as agências noticiosas russas. “Estas pessoas abordaram o ‘Artic Sea’ e, sob a ameaça de armas, exigiram à tripulação que lhes obedecesse incondicionalmente”, precisou o ministro.

Os piratas desligaram os equipamentos de navegação e ordenaram que o cargueiro seguisse para África. Os suspeitos estão a ser interrogados pelas autoridades russas, a bordo do navio russo “Ladny”. Os tripulantes do “Artic Sea” já regressaram para Moscovo.

Ontem, as autoridades russas informaram que o navio fora localizado no Oceano Atlântico, perto da costa de Cabo Verde, sem revelar outros detalhes sobre o obscuro desaparecimento que provocou uma vasta mobilização internacional durante várias semanas.

Um porta-voz da Comissão Europeia, Martin Selmayr, disse hoje, em Bruxelas, que organismos e agências policiais de 20 países, incluindo meios da NATO, participaram nas buscas e reafirmou que “ainda não há detalhes sobre o caso”.

Outras fontes da União Europeia estranham que a empresa finlandesa proprietária do navio tenha demorado quatro dias para comunicar o ataque à tripulação, ocorrido em águas suecas.

As mesmas fontes, segundo a agência France Press, apesar dos poucos detalhes conhecidos, sugeriram que a ocupação da embarcação não parece ser uma acção de piratas comuns, já que os invasores não tinham um porto seguro do qual poderiam pedir resgate, nem operavam em águas onde a pirataria é comum. Recorde-se que, as águas do Mar Báltico, onde aconteceu a abordagem, estão livres de piratas desde o século XVII.

O “Artic Sea”, com pavilhão de Malta, zarpara da Finlândia em 23 de Julho com destino à Argélia. Não havia notícias do cargueiro desde 31 de Julho. O navio  transportava uma carga de madeira avaliada em 1,16 milhões de euros.

MRA Alliance/Agências

Leave a Reply