Bolívia: Evo Morales reeleito por maioria arrasadora

Evo MoralesO presidente da Bolívia, Evo Morales, foi reeleito este domingo com 60 por cento do votos, de acordo com as sondagens à boca de três estações televisivas, refere a «EFE». O principal candidato da oposição, Manfred Reyes Villa, do Plano Progresso para a Bolívia-Convergência Nacional (PPB-CN) obteve, segundo as mesmas sondagens, um resultado entre 23 e 24 por cento.

Morales deverá conseguir votos suficientes da maioria dos cinco milhões de eleitores para controlar o Congresso sem precisar negociar com a oposição para governar. Ao votar na região cocaleira do Chapare, no centro da Bolívia, Morales admitiu a possibilidade de se candidatar a um terceiro mandato e considerou que estas eleições – nas quais apareceu como destacado favorito – podem ser interpretadas como o seu primeiro mandato sob a nova Constituição, aprovada em Janeiro deste ano.

Os bolivianos escolheram também os 36 senadores e 130 deputados que farão parte da futura Assembleia Legislativa Plurinacional, que subtituirá o actual Congresso.

Neste momento, a expectativa ainda radica na dúvida se o presidente conseguirá os 2/3 de parlamentares no Senado, que lhe daria o controle político absoluto do país.

Morales, que iniciou sua presidência em 2006, conviveu com um Senado controlado pela oposição, o que gerou problemas de governabilidade. Daí o seu empenhamento em controlar o poder legislativo para operar novas mudanças na Constituição e, eventualmente, recandidatar-se a um terceiro mandato.

Depois de quase três anos de convulsão – de Janeiro de 2006 até final de 2008 – a Bolívia viveu em 2009 um ano de calma política marcada pela hegemonia de Morales e do seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS).

Com um discurso nacionalista, o presidente dotou o país de uma Constituição favorável às comunidades índias, nacionalizou o petróleo e o gás, concedeu subsídios aos velhos, grávidas e crianças, e conseguiu dar estabilidade económica ao país.

Todavia, os problemas persistem: 11% de desemprego, queda abrupta dos investimentos estrangeiros, em especial no sector dos hidrocarbonetos, e a produção de coca e o narcotráfico não param de aumentar.

MRA Alliance/Agências

Leave a Reply