Portugal prestes a ter juros de todas as maturidades acima dos 8%

Os juros que os investidores exigem para comprar dívida portuguesa estão a renovar máximos consecutivos e também no prazo a dois anos estão prestes a superar os 8%. No prazo a cinco anos persistem acima dos 9%. Portugal está cada vez sob maior pressão dos mercados, com os juros da dívida pública a renovarem máximos consecutivos.

Na curva de rendimentos da dívida portuguesa, apenas no prazo de dois anos os juros das Obrigações do Tesouro estão abaixo dos 8%. Mas a manter-se a tendência das últimas sessões, deverá ser por pouco tempo. A “yield” da dívida a dois anos sobe 20 pontos base para 7,93%, sendo que nas restantes maturidades até dez anos situa-se sempre acima dos 8%.

A sessão de hoje fica marcada pelo facto de os juros da dívida a cinco anos terem já superado os 9%. De acordo com os preços genéricos da Bloomberg, as taxas de juro associadas aos títulos da dívida pública portuguesa a cinco anos atingiram hoje um máximo de 9,078%. A dez anos, as taxas persistem acima de 8% (em 8,05%), depois de ontem terem pela primeira vez rompido a mesma barreira que, em Novembro último, acabou por forçar o Governo irlandês a pedir ajuda externa.

Por detrás desta escalada dos juros, que têm renovado sucessivos máximos, estão as também sucessivas revisões em baixa do “rating” da República, decididas no rescaldo da crise política. A agravar a pressão sobre Portugal está também o facto de a Dow Jones ter ontem noticiado que o INE confirma que o défice de 2010, a enviar a Bruxelas até quinta-feira, será alvo de uma “série de alterações contabilísticas”. “Há muita especulação de que Portugal precise de um resgate”, afirmou à Bloomberg Michael Leister, analista da WestLB, acrescentando que os cortes nos “ratings” de ontem “representam mais uma pressão nesse sentido”.

MRA Alliance/JdN 

Leave a Reply