Portugal entre a reestruturação da dívida e a dependência prolongada da ajuda externa

A unidade de estudos económicos da “The Economist” acredita que Portugal terá de reestruturar a sua dívida pública. E se não o fizer, o País vai ficar permanente da ajuda externa por “muitos anos e muito além do período actualmente previsto pelas autoridades europeias.”

“A decisão de pedir ajuda marca apenas o início de um processo de ajustamento extremamente doloroso e demorado”, alertam os economistas da Economist Intellegence Unit – secção de estudos económicos da “The Economist”.

“O endividamento de Portugal pode aumentar rapidamente para níveis insustentáveis, aumentando a perspectiva de uma reestruturação de dívida pública no futuro.”

Contudo, a questão agora centra-se na capacidade dos “contribuintes portugueses pagarem totalmente o crescente endividamento do Estado no longo prazo”. E é por isso que a unidade de estudos económicos considera que “o incumprimento e a reestruturação [de dívida] permanece como um risco elevado”.

“Na ausência de qualquer reestruturação de dívida, a probabilidade de Portugal ficar dependente do financiamento da UE/FMI por muitos anos e muito além do período actualmente previsto pelas autoridades europeias”, adianta a mesma fonte.

MRA Alliance/JdN

Leave a Reply