General ameaça Polónia e Rússia planeia retaliação contra escudo antimíssil

O general Anatoly Nogovitsyn disse à imprensa russa que a decisão da Polónia de aceitar a instalação no seu território de bases antimísseis americanas a expõe a ataques com armas nucleares. A declaração foi interpretada por analistas ocidentais como a mais forte ameaça dirigida por um alto quadro militar russo contra a iniciativa dos EUA em ex-países do Pacto de Varsóvia. Firmeza idêntica foi usada pelo presidente russo, Dmitry Medvedev, durante uma conferência de imprensa no final da reunião com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em Sochi, no mar Negro. “A instalação de forças antimíssil tem como alvo a Federação Russa”, disse o presidente. “O momento foi escolhido a dedo e, portanto, os contos de fadas para justificar a acção de Estados adversários não funcionam mais”, enfatizou Medvedev. “Vamos continuar a trabalhar sobre essa questão e estamos prontos para dar seguimento a negociações com todos os envolvidos. Claramente, porém, esta decisão não acalma as coisas”, sublinhou o chefe de Estado russo. A secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, em Tbilisi, na Geórgia, reafirmou que as armas nucleares não têm por alvo a Rússia. Recorde-se que, no princípio do mês, o embaixador russo em Minsk, Alexander Sulikov, informou que, em retaliação, Moscovo deverá instalar sistemas antimísseis Iskander na Bielorrússia, ou enviar aviões para as fronteiras com a Polónia, no Báltico. Washington insiste que o sistema antimíssil é defensivo e visa proteger os EUA e os aliados europeus de eventuais ataques com mísseis de longo alcance por parte do Irão ou de grupos extremistas islâmicos, como a al-Qaeda. O Kremlin considera o escudo uma ameaça à sua segurança o que levou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, a cancelar ontem a viagem marcada para Varsóvia, em Setembro. MRA/Agências

Leave a Reply