Incumprimento das famílias no valor mais alto desde 1998

O crédito malparado entre os particulares está ao nível mais alto desde 1998, nos 3,1%. Seja por questões de desemprego, cortes salariais ou aumento de impostos, trata-se de um claro sinal de que, de mês para mês, são cada vez mais as famílias que não conseguem fazer face às suas responsabilidades.

O crédito à habitação é um bom barómetro da situação financeira dos portugueses já que, por norma, é o último crédito que as famílias deixam de pagar. O malparado nos empréstimos para a casa atingiu em Julho o segundo valor mais alto de sempre, nos 1,77%, apenas uma centésima acima do máximo histórico alcançado em Novembro de 2009, nos 1,78%. Ou seja, as famílias portuguesas estão a chegar ao limite do esforço financeiro comportável.

No total, entre particulares e empresas os bancos têm 10,4 mil milhões de euros em incumprimento, dos quais cerca de 60% pertence às empresas. O malparado no sector empresarial atingiu em Julho os 5,16%, acima dos 4,94% registados no mês anterior e bastante perto dos valores mais altos registados na última década. Só entre as empresas existiam, no final de Junho, cerca de 54 mil entidades em incumprimento, mais 4.656 do que no final de 2010. Cerca de metade das empresas em incumprimento, mais de 25 mil, não conseguem pagar créditos inferiores a 5.000 euros.

MRA Alliance/DE

Leave a Reply