Governo Sócrates autorizou Tesouro a “engolir” activos tóxicos do BPN

O Ministério das Finanças autorizou ontem a passagem das três sociedades veículo do BPN, que aglutinam os activos com imparidades, para a Direcção Geral do Tesouro. Esse era um dos passos essenciais para a recapitalização do banco. A decisão foi tomada 24 horas antes de o governo minoritário socialista chefiado por José Sócrates cessar funções.

A Parups; a Parvalorem e Parparticipações SGPS, vão assim ser “vendidas” pelo valor dos seus capitais sociais (50 mil euros cada uma) ao Tesouro. Desta forma os capitais próprios negativos do BPN serão substancialmente reduzidos, por via da libertação de provisões que foram constituídas para fazer face a imparidades calculadas em 1,8 mil milhões de euros. O passo seguinte é o aumento de capital de 500 milhões.

A Parups detém as unidade de participação em Fundos de Invstimento Imobiliário; bens imóveis; e outras participações em diversas sociedades. Os activos totais que foram transferidos para este veículo somam 1,250 mil milhões de euros. Já a Parvalorem detém uma carteira de créditos com imparidades, no valor de 2,5 mil milhões. E finalmente a Parparticipações, uma SGPS; que detém o BPN Crédito IFIC; BPN Brasil; BPN IFI (Cabo Verde); o Banco Efisa e a Real Vida. Estes activos têm o valor de 150 milhões de euros. Ao todo vão ser retirados do BPN 3,9 mil milhões de euros em activos.

 

Leave a Reply