EUA montam e apertam cerco ao fundador do Wikileaks

O australiano Julian Assange, 39 anos, não apareceu em público depois de uma conferência de imprensa que deu a 5 de Novembro, em Genebra, e concedeu apenas entrevistas on-line desde que foi divulgado um comunicado do seu advogado, referindo que o ‘hacker’ estaria a ser acusado na Suécia por crimes sexuais.

A responsável do Ministério Público da Suécia, Marianne Ny, afirmou que foi emitido um mandado de detenção europeu devido a estas suspeitas. Mark Stephens, o advogado de Assange, informou ainda não ter sido notificado formalmente das acusações feitas ao seu cliente, o que considerou ser uma exigência legal no âmbito da legislação europeia.

O advogado, com escritório em Londres, não poupou Mariane Ny, num e-mail dirigido à agência noticiosa AP, referindo “negligência ocasional” das suas obrigações e considerou que o caso é uma “perseguição e não uma acusação”. Sobre Assange pendem acusações de violação, assédio sexual e coerção ilegal.

Entretanto na guerra assimétrica EUA-Wikileaks surgem novos actores. Um grupo de ex-colaboradores de Julian Assange, fundador do Wikileaks, vai criar um novo portal sobre informação secreta, na sequência de alegados desentendimentos com o fundador do site, noticiou ontem a agência EFE. Um antigo porta-voz da plataforma afirmou que o novo site se propõe fazer com que «o maior número possível de pessoas tenha acesso ao maior número possível de documentos».

Desta forma, está em marcha um novo episódio na guerra entre informação e desinformação da opinião pública global. O prato da balança, a prazo, poderá brevemente virar-se contra Assange.

MRA Alliance/Agências/pvc

Leave a Reply