Divergências Sarkozy-Obama sobre Turquia têm a ver com armas e geopolítica

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, reafirmou hoje a oposição à entrada da Turquia na União Europeia, após Barack Obama ter apelado à integração, durante uma  entrevista ao canal de televisão TF1, em Praga, onde ambos participam na primeira cimeira bilateral depois da tomada de posse da nova administração americana.

Em declarações aos jornalistas, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, deu cobertura aos desejos americanos favoráveis à adesão turca que são tudo menos inocentes.

“Eu trabalho em cooperação com o presidente Obama – disse Sarkozy – mas quando se trata da União Europeia, são os países membros da União que devem decidir” (…) “Eu sempre me opus a esta entrada e continuo com a mesma opinião. Penso poder afirmar que a imensa maioria dos países membros [da UE] estão de acordo com a posição da França”, frisou.

Antes, o presidente norte-americano afirmara que a entrada da Turquia na União Europeia seria “um sinal importante” enviado aos países muçulmanos e um meio para atrair aqueles países para esfera de influência europeia.

As palavras de Obama, porém, visam um intuito não declarado. A Turquia é um dos mais vorazes e fiéis compradores armamento americano através de contratos regulares no valor de milhares de milhões de dólares e acolhe bases militares dos EUA no seu território.

O importante lóbi turco nos Estados Unidos mantém fortes ligações ao Pentágono, CIA e a alguns congressistas e senadores com posições chave nas comissões que fiscalizam a política do executivo em matéria de venda de armas e estratégias de defesa e de segurança. Desde 2007, os turcos têm pressionado Washington para levar a UE a aprovar a sua entrada como Estado-membro do clube dos “27”.

Face ao reduzido sucesso do lóbi turco, o governo de Ancara liderado pelo sunita e anti-fundamentalista islâmico Recep Erdogan iniciou manobras de aproximação à Rússia. 

Os líderes russos Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, entre 12 e 15 de Fevereiro, receberam com pompa e circunstância o presidente da Turquia, Abdullah Gul, durante uma visita oficial que enervou o complexo industrial-militar americano pela qualidade política e empresarial da comitiva e pela agenda dos encontros bilaterais – Energia e Segurança – que pode ameaçar a estratégia de longo prazo dos EUA no Médio Oriente e na Eurásia, por nós abordada em Setembro passado.

MRA Alliance

Pedro Varanda de Castro, Consultor

Leave a Reply