Corrupção: Justiça adensa suspeitas sobre “polvo” socialista

O mandado judicial da operação Face Oculta refere a criação de uma “rede tentacular integrada” que incluía 11 indivíduos, entre os quais se encontram os altos dirigentes do Partido Socialista, Armando Vara e José Penedos, noticia hoje a edição electrónica do jornal Público.

A “rede” garantia a realização de negócios com quatro grandes empresas da órbita do Estado – REN, Refer, Galp e EDP – tendo como contrapartida o pagamento de luvas e a oferta de bens valiosos, nomeadamente algumas viaturas de topo de gama.

 Segundo o despacho, a que o PÚBLICO teve acesso, no vértice deste triângulo de interesses estaria o empresário Manuel José Godinho, que hoje será interrogado pelo juiz de instrução de Aveiro. O documento judicial reflecte uma intensa vigilância da Polícia Judiciária de Aveiro em relação àquele núcleo de suspeitos.

Nos últimos meses, estiveram sob escuta os telefones móveis de Armando Vara, José Penedos, do seu filho Paulo Penedos, Fernando Barreira e José Domingos Valentim. As intercepções e vigilâncias, além dos dados das contas bancárias de alguns arguidos, levam os investigadores a estimarem em cerca de 400 mil euros o montante das “luvas” pagas por Manuel José Godinho.

A “fatia de leão”, 270 mil euros, terá sido recebida por Paulo Penedos, presumivelmente entregues para este influenciar decisões de seu pai, o presidente da Rede Eléctrica Nacional, SA.

No caso de Armando Vara, o documento judicial diz que o banqueiro terá recebido dez mil euros das mãos de Godinho, no gabinete daquele, no dia 25 de Maio de 2009.

A entrega terá sido consumada quando o empresário das sucatas desejava ter um contacto com Paiva Nunes, vogal do conselho de administração da EDP Imobiliária, que se concretizaria. Este administrador da empresa detida a cem por cento pela EDP terá apresentado a Godinho, em finais de Maio passado, um quadro superior da Petrogal, António Paulo Costa. Ambos, segundo o documento judicial, aceitaram assegurar vantagens ao grupo empresarial de Aveiro em concursos e contratos públicos de empresas do sector público.

E em troca receberiam duas viaturas Mercedes, de alta cilindrada, de valor não inferior a 50 mil euros cada uma. As vigilâncias e intercepções telefónicas da PJ de Aveiro incidiram sobre inúmeros contactos entre Vara e Manuel Godinho nos últimos meses.

Este procurou também usar a influência do banqueiro para superar um diferendo que opunha o seu grupo empresarial à Refer.

Godinho terá admitido que a superação do conflito poderia levá-lo a entregar um donativo para uma campanha partidária. A mediação para o termo do conflito judicial e extra-judicial entre as empresas de Godinho e a Refer terá sido feita por Paulo Penedos e também Armando Vara, sendo ainda citada a intervenção do ex-ministro Mário Lino.

Manuel Godinho desejaria o afastamento de Ana Paula Vitorino, ex-secretária de Estado dos Transportes, e de Luís Pardal, presidente da Refer, dos respectivos cargos.

José Penedos, presidente da Rede Eléctrica Nacional, será formalmente arguido do processo Face Oculta nos próximos dias, por ter estado ausente em Madrid, quando a Polícia Judiciária se deslocou à sua residência e local de trabalho, ao princípio da manhã de anteontem.

Penedos ainda não está refeito da sua condição de suspeito neste caso de corrupção, participação económica em negócio, tráfico de influência e associação criminosa.

Paulo Penedos foi escutado em várias ocasiões pelos investigadores com Manuel José Godinho. Este lamentava “falta de serviço” e o jovem advogado dizia-lhe que tinha falado com seu pai, que lhe terá referido estar para breve a renovação de um concurso de longa duração de gestão de resíduos.

O filho de José Penedos é ainda suspeito de ter fornecido a Manuel José Godinho informação privilegiada da REN sobre uma consulta pública para a limpeza e demolição em instalações da Central de Crestuma. Os investigadores recolheram ainda indícios que os levaram a admitir que Godinho terá procurado aumentar a empreitada, a pretexto de uma suposta contaminação das cinzas a remover daquela central térmica da REN.

MRA Alliance/Público

Leave a Reply