Coreias: EUA, Japão e Coreia do Sul revelam incompetência geopolítica

Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão vão reunir-se segunda-feira em Washington para concertarem uma resposta ao alegado bombardeamento da ilha de Yeonpyeong a 23 de Novembro pela artilharia norte-coreana, no primeiro ataque a alvos civis desde 1987.

A reunião em Washington evidencia “a coordenação estreita” entre as três capitais, lê-se num comunicado do Departamento de Estado que marca a data do encontro. A notícia coincide com o fim das importantes manobras conjuntas de forças aeronavais americanas e sul-coreanas que decorreram desde domingo até ontem no mar Amarelo.

O encontro tripartido na capital americana deverá estabelecer os contornos de uma resposta às escaramuças de 23 de Novembro, quando a República Popular da China está a bloquear, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, a aprovação de uma resolução de condenação da Coreia do Norte.

Diversas agências referiam ontem, citando fontes diplomáticas, que Pequim considera inaceitável o uso de vocábulos como “condenar” ou “Conselho expressa preocupação”. Pequim, por outro lado, tem insistido no reatamento do mecanismo conhecido como as negociações a seis, que envolve as duas Coreias, EUA, Japão, Rússia e China.

O regresso a este formato diplomático na actual conjuntura é considerado desajustado por Washington, Seul e Tóquio. As três partes acham que sentarem-se à mesma mesa com representantes de Pyongyang equivaleria a reconhecerem uma vitória do regime de Kim Jong-il, que acusam de ter abandonado as negociações em Abril de 2009.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, insistia ontem ser “dever e obrigação” de Pequim “pressionar a Coreia do Norte a desistir da atitude beligerante”.

Gibbs omitiu um dos principais factos da escalada do conflito na ilha de Yeonpyeong, em  23 de Novembro. O primeiro tiro foi disparado pela Coreia do Sul.

De acordo com a tradição oriental, será impossível que a China, a potência regional que detém a chave da solução do problema coreano, aceite o veredicto dos norte-americanos e respectivos aliados no Extremo Oriente.

Se o fizesse Pequim perderia a face e, desta forma, alienaria a sua legitimidade moral e política na gestão do conflito.

MRA Alliance/Agências/pvc

Leave a Reply