Cavaco, PSD e CDS estudam pedido de empréstimo urgente ao FMI

Reunião do Conselho de EstadoO Presidente da República está a estudar a hipótese de uma ajuda de curto prazo do Fundo Monetário Internacional sem intervenção da União Europeia, noticiou este sábado o semanário “Expresso”. O assunto terá dominado o Conselho de Estado em que ficaram marcadas eleições antecipadas para 5 de Junho.

A solução para os problemas imediatos de financiamento de Portugal poderá passar por um empréstimo intercalar de urgência do Fundo Monetário Internacional sem a intervenção da União Europeia, isto caso se verifique uma situação em que já não seja possível pagar a dívida, adiantou o “Expresso”. A hipótese está a ser analisada por Belém, mas também pelo PSD e CDS.

O semanário garante que esta possibilidade foi debatida na reunião do Conselho de Estado da passada quinta-feira, e que representaria uma forma mais barata e imediata de o país ter acesso a financiamento imediato. Bruxelas opõe-se por defender solução conjunta com a União Europeia.

Portugal enfrenta dois períodos críticos para o pagamento da dívida, primeiro já em Abril e depois em Junho, quando o novo Governo não nem deverá estar formado. Dado o calendário apertado, dois conselheiros de Estado, Vítor Bento e Bagão Félix, propuseram esta hipótese, adiantou o “Expresso”, segundo o qual um conselheiro de Estado adiantou que “tal solução é possível, desde que haja consenso e a ideia seja aceite e desejada pelos portugueses”. E adiantou: “Faz sentido, do ponto de vista técnico e financeiro”.

Depois desta ajuda de emergência, o novo Governo poderia então pedir apoio ao Fundo de Estabilização Financeira da União Europeia. O PSD mostrou-se disponível para adoptar esta solução, e no CDS um grupo de três deputados estará também a avaliar a questão, adiantou o “Expresso”. Uma fonte da União Europeia adiantou ao semanário que considera a hipótese “incongruente” dado existirem mecanismos de apoio na UE.

MRA Alliance/Público

Leave a Reply