Archive for the ‘Irão’ Category

BCP quis espiar operações financeiras do Irão a favor dos EUA, revela o El País

segunda-feira, dezembro 13th, 2010

Carlos Santos Ferreira — Presidente do Millennium BCPO presidente do Millennium BCP propôs aos Estados Unidos fornecer informações sobre restreamento de contas e de activos iranianos como contrapartida para manter boas relações com Washington e realizar negócios com Teerão. A informação foi avançada pelo El Pais, citando telegramas divulgados pela Wikileaks.

De acordo com o diário espanhol, o processo iniciou-se em Abril de 2009, mês em que uma delegação do BCP visitou Teerão a convite da embaixada do Irão em Portugal, para estreitamento das relações financeiras com o BCP  e potenciar negócios entre os dois países.

Em Fevereiro de 2010,  segundo os telegramas cedidos pelo Wikileaks ao El País, o presidente do Millennium reúniu-se em Lisboa com a conselheira política e económica da embaixada dos EUA e propôs-se passar a informação às autoridades norte-americanas sobre as actividades financeiras do Irão.

“Embora considere  que os custos podem ser superiores aos benefícios para o Millennium, Ferreira está disponível para estabelecer uma relação com o Irão para ajudar os Estados Unidos a ter informações sobre os activos e as actividades financeiras do Irão”, pode ler-se no despacho da embaixada dos EUA enviado de Lisboa para Washington, pedindo orientações políticas.

“O Millennium consultou o Banco de Portugal e o governo português e gostaria de conhecer a nossa opinião sobre a sua proposta de relacionamento com o Irão e o interesse de Washington em controlar as contas do Irão em Portugal”, pode ainda ler-se no telegrama da embaixada.

“A nossa recomendação é que o Millennium não prossiga” com o projecto de relacionamento com o Irão. No entanto, porque provavelmente “Ferreira o fará apesar da nossa recomendação” o telegrama sugere que “poderá ser prudente manter abertos os canais de relacionamento com Ferreira”.

O despacho acrescenta igualmente que o primeiro-ministro José Sócrates como o governador do Banco de Portugal (na altura Vitor Constâncio) estavam a par das intenções e moventações do Millennium.

O telegrama faz uma prolongada descrição do currículum vitae de Santos Ferreira e informa que o contacto dos iranianos se ficou a dever ao facto de o banqueiro ter feito negócios de armas com o Irão, quando presidiu à Fundição de Oeiras.

“Ele [Ferreira] tem contactos estreitos com a embaizada e é um membro influente do sector bancário português. O seu filho partirá em breve para Nova Iorque onde vai trabalhar na consultora Deloitte Touche,” refere o documento divulgado pelo El País, com data de 12-02-2010.

MRA Alliance/pvc

Irão diz-se nuclearmente auto-suficiente antes das negociações com “grupo dos seis”

domingo, dezembro 5th, 2010

Ali Akbar Salehi - Chefe do programa atómico iranianoO Irão anunciou que é auto-suficiente no processo de fabrico nuclear, um dia antes das conversações com as potências mundiais que temem mais uma República Islâmica com armas atómicas.

Num anúncio público, na televisão, o responsável pelo programa de energia atómica, Ali Akbar Salehi, disse que o Irão é agora capaz de produzir “yellow cake”, um dos componentes-chave para a produção de urânio enriquecido, o que é um “grande passo em frente” para o país, que estava dependente da importação deste concentrado. “Isto quer dizer que o Irão se tornou auto-suficiente no processo de produção nuclear”, anunciou Salehi.

Analistas ocidentais vêem em geral estas declarações iranianas com reservas, notando que por vezes a República Islâmica exagera nas suas capacidades nucleares para ganhar vantagem nas negociações com o Ocidente.

O anúncio de hoje ocorre antes do encontro de amanhã, em Genebra, com os seis países encarregados de negociar o dossier iraniano (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – EUA, França, Reino Unido, Rússia, China – e a Alemanha, conhecido como o “grupo dos seis”).

Irão dá “sacos de dinheiro” ao Afeganistão

segunda-feira, outubro 25th, 2010

O Presidente afegão, Hamid Karzai, confirma que o seu gabinete recebe “sacos de dinheiro” do Irão, mas  garante que o processo é completamente transparente.

O jornal “The New York Times”, citando uma fonte oficial afegã, noticiou ontem que o Irão entregou milhões de dólares, dinheiro que foi usado para pagar a deputados, líderes tribais e comandantes talibã.

Hamid Karzai confirmou hoje, em conferência de imprensa, que recebe dinheiro de vários “países amigos” e que o Irão contribui com cerca de 700 mil euros, duas vezes por ano.

“Isto é transparente, é algo que discuti com o (antigo) Presidente George W. Bush, nada foi escondido, e os Estados Unidos fazem a mesma coisa, dão-nos sacos com dinheiro”, salientou o Presidente do Afeganistão.

Sobre o destino destas verbas, Karzai disse serem para despesas da presidência, pagamento de salários e de despesas, mas não deu mais pormenores.

MRA Alliance/RR

Irão ameaça UE após novas sanções politicas e económicas

terça-feira, julho 27th, 2010

O Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano condenou, esta terça-feira, as novas sanções impostas pela União Europeia. As medidas foram aprovadas ontem, com o objectivo de fazer regressar aquele país às negociações sobre o seu programa nuclear.

O porta-voz da diplomacia do Irão disse que o Governo «lamenta profundamente e condena» as novas sanções. «Estas sanções não contribuem para o avanço das discussões e não afectam a determinação do Irão em defender o seu direito legítimo de desenvolver o seu programa nuclear pacífico», sublinhou.

Ramin Mehmanparast acrescentou, segundo a agência de notícias oficial Irna, que o Irão «sempre insistiu na cooperação e entendimento (com as grandes potências sobre o seu programa nuclear), mas a decisão da União Europeia vai complicar as coisas».

«A República islâmica do Irão interpreta as novas sanções como mais um passo na política de hostilidade da União Europeia em relação à nação iraniana», afirmou. Mehmanparast alertou ainda para as «consequências negativas» para os europeus.

MRA Alliance/Agências

Irão: Novas sanções incluem bancos, empresas e compra de armas

quarta-feira, junho 9th, 2010

O Conselho de Segurança da ONU impôs hoje novas sanções ao programa nuclear do Irão, que parte do Ocidente suspeita estar focado no desenvolvimento de armas atómicas. Foram 12 votos a favor das sanções e dois contra (do Brasil e da Turquia).

Os 15 países do Conselho reuniram-se para votar a proposta de resolução, resultado de cinco meses de negociações entre Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha.

As potências ocidentais queriam medidas mais duras, inclusivamente contra o sector energético iraniano, mas Pequim e Moscovo conseguiram diluir as punições previstas no documento de 10 páginas.

A resolução prevê restrições a mais bancos iranianos no exterior, caso haja suspeita de ligação destes com programas nucleares ou de mísseis. Estabelece também uma vigilância nas transações com qualquer banco iraniano, inclusivamente o Banco Central.

Além disso, amplia o embargo de armas contra o Irão e cria entraves à actuação de 18 empresas e entidades, sendo três destas ligadas às Linhas de Navegação da República Islâmica do Irão, e as restantes vinculadas à Guarda Revolucionária.

A resolução estabelece também um regime de inspecção de cargas, semelhante ao que já existe em relação à Coreia do Norte.

Paralelamente à resolução, 40 empresas serão acrescentadas a uma lista pré- existente de empresas com bens congelados no mundo inteiro, por suspeita de colaboração com programas nuclear e de mísseis do Irão.

A nova lista negra inclui um indivíduo chamado Javad Rahiqi, director de um centro de processamento de urânio, o qual terá os bens congelados e será proibido de viajar ao exterior.

A nova lista que surgiu na manhã de terça-feira continha 41 empresas, inclusivamente dois bancos. No final do dia, a China exigia a exclusão de um deles, o Banco de Desenvolvimento das Exportações do Irão.

No mês passado, a Turquia e o Brasil mediaram um acordo de intercâmbio de material nuclear do Irão, na esperança de que tal desse espaço a mais negociações e evitasse as novas sanções.

EUA e os seus aliados, no entanto, disseram que o acordo não altera a recusa do Irão em abandonar o enriquecimento de urânio, conforme exigiam cinco resoluções anteriores do Conselho de Segurança.

MRA Alliance/DD

China declara apoio ao acordo nuclear com o Irão

terça-feira, maio 18th, 2010

A China anunciou hoje o seu apoio ao acordo nuclear anunciado na véspera entre o Irão, o Brasil e a Turquia, em contraste com o cepticismo manifestado pelas principais potências ocidentais. A China, um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, ao lado dos Estados Unidos, da França, da Rússia e da Grã-Bretanha, é vista como uma das peças-chave para uma eventual aprovação de novas sanções internacionais contra o Irão, como defende o governo americano. O Brasil desempenhou o papel de mediador.

Pelo acordo de segunda-feira, anunciado durante visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Teerão,  está prevista a troca na Turquia de 1.200 quilos de urânio levemente enriquecido (3,5%) iraniano por 120 quilos de combustível enriquecido a 20%, fornecido pelas grandes potências e destinado ao reactor de pesquisa nuclear de Teerão. Eventualmente, o acordo poderá evitar que o Irão desenvolva a tecnologia de enriquecimento de urânio susceptível de permitir ao país fabricar futuramente armas nucleares.

Porém, o entendimento tripartido foi visto com cepticismo por alguns países ocidentais, que acusam Teerão de apenas tentar ganhar tempo e evitar a adopção de novas sanções da comunidade internacional.

MRA Alliance/Agências

Irão: Mais sanções reforçarão independência, diz Ahmadinejad

sábado, abril 3rd, 2010

Mahmoud AhmadinejadO Presidente iraniano diz que novas sanções contra o país apenas reforçarão o progresso tecnológico, encorajando-o a tornar-se mais auto-suficiente.

Mahmoud Ahmadinejad também rejeitou as propostas de compromisso do Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmando que “três ou quatro palavras bonitas” não significam que as políticas tenham mudado sob a sua Administração.

“Dizem que estenderam a mão ao Irão, mas o Governo e a nação iranianos se recusaram a aceitá-la. Que tipo de mão é que estenderam à nação iraniana? O que é que mudou? Levantaram as sanções? Puseram fim à propaganda? Reduziram a pressão”, interrogou-se.

Ahmadinejad fez estas declarações num discurso proferido na inauguração de um projecto industrial no sul do Irão.

A comunidade internacional admite novas sanções contra o Irão já nas próximas semanas. Em causa o programa nuclear de Teerão que foge ao autorizado internacionalmente.

MRA Alliance/Agências

Hillary Clinton diz que Irão evolui para ditadura militar

segunda-feira, fevereiro 15th, 2010

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou hoje que o Irão caminha para uma “ditadura militar”. As empresas iranianas são controladas pelos Guardas da Revolução que já são mais poderosos do que o Governo, disse Clinton.

Em declarações proferidas na Universidade de Carnegie Mellon, em Doha, capital do Qatar, Clinton afirmou que os Guardas da Revolução no Irão aparentam ter conquistado tanto poder que, de facto, se sobrepõem ao Governo.

“Vemos que o Governo do Irão (…) foi eliminado e que o país se dirige para uma ditadura militar”, afirmou Clinton, num encontro com estudantes.

MRA Alliance/Agências

Questão nuclear iraniana exacerbada após atentado a cientista em Teerão

quarta-feira, janeiro 13th, 2010

As tensões sobre o programa nuclear iraniano estão ao rubro na sequência do atentado terrorista que ontem liquidou Massoud Ali-Mohammadi, físico nuclear e professor  universitário, em Teerão. O perito morreu  quando um engenho explosivo foi detonado na altura em que saía de casa.

“Sinais do Mal representado pelo triângulo composto pelo regime Sionista [de Israel], os EUA e os seus mercenários no Irão podem ser vistos neste incidente terrorista”, afirmou Ramin Mehmanparast, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiro iraniano. O mesmo responsável precisou que “estes actos terroristas e a eliminação dos cientistas nucleares do país certamente não irão parar o processo científico e tecnológico” do país.

MRA Alliance/Agências

Ahmadinejad prestou juramento como Presidente do Irão

quarta-feira, agosto 5th, 2009

Mahmoud AhmadinejadMahmoud Ahmadinejad prestou hoje juramento para o segundo mandato como Presidente do Irão, após as contestadas eleições de 12 de Junho. No Parlamento muitos dos lugares dos líderes da oposição ficaram vazios. Houve confrontos entre manifestantes e a polícia. Vários líderes mundiais de países como os Estados Unidos, Alemanha, Reino Unidos e França anunciaram que não iriam enviar a Ahmadinejad qualquer mensagem de felicitações.

O mandato de Ahmadinejad começa perante a pior crise que o país vive nos últimos 30 anos. A oposição próxima de Mir-Hossein Mousavi, o ex-primeiro-ministro que reclama vitória nas eleições, está a planear novos protestos. Uma testemunha contou à Reuters que pelo menos dez pessoas foram detidas esta manhã e estiveram também cortadas as comunicações por telemóvel.

Ahmadinejad referiu-se aos países que criticaram o processo eleitoral no Irão e disse que “alguns governos só querem democracia ao serviço dos seus próprios interesses, não respeitam os direitos das outras nações”. Reagiu também ao facto de vários países terem decidido não enviar mensagens de felicitações: “Ouvimos que alguns líderes ocidentais decidiram reconhecer mas não felicitar o novo Governo. Bem, aqui no Irão ninguém está à espera das vossas mensagens.”

O Presidente iraniano tem agora duas semanas para apresentar um novo Governo que terá de ser aprovado pelo Parlamento. Mousavi e o mullah Mehdi Karroubi já defenderam que o novo Governo será ilegítimo.

MRA Alliance/Público

Irão: Presidente Ahmadinejad reeleito com 63,3% dos votos nas eleições presidenciais

sábado, junho 13th, 2009

Mahmoud Ahmadinejad O Presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad garantiu um segundo mandato com 63,3 por cento dos votos nas eleições presidenciais no Irão, após a contagem final em 346 dos 366 distritos eleitorais, anunciou hoje o presidente da Comissão Eleitoral do Ministério do Interior, Kamran Daneshjoo, em Teerão. 

Reagindo aos resultados, o principal adversário de Ahmadinejad, Mir Hossein Moussavi, contestou o escrutínio, que classificou como “uma charada”, em declarações citadas pela Reuters. Os apoiantes de Moussavi exigem a repetição das eleições por alegadas fraudes. Várias manifestações de protesto estão em curso no país.

Segundo a BBC, a polícia iraniana fechou a sede de campanha do conservador moderado, chefe do governo iraniano entre 1981-89, para  impedir a realização de uma conferência de imprensa onde pretendia contestar os resultados que lhe foram oficialmente atribuídos (32%), considerando-os “uma fraude”. 

Num primeiro comentário, o ministro das Relações Exteriores, Danny Ayalon, e o vice-primeiro-ministro, Silvan Shalom, voltaram a alertar para a alegada “ameaça nuclear” iraniana e pediiram aos EUA que reavaliem as suas actuais políticas face a Teerão. 

“O resultado da eleição iraniana é uma bofetada em quem acreditou que o Irão estava pronto para um diálogo real com o mundo livre e intorromperia seu programa nuclear”, disse Shalom ao diário Jerusalém Post. “Os Estados Unidos e o mundo livre devem reavaliar as suas políticas relativamente às ambições nucleares do Irão”, precisou.

O diário norte-americano Wall Street Journal considerou que a reeleição do actual presidente iraniano é “um golpe para os aliados árabes de Washington que estavam alarmados com as ambições regionais do Irão e esperavam que a derrota [de  Ahmadinejad] as pudesse moderar.”

Sobre o adversário de Ahmadinejad, o jornal dos meios de negócios norte-americanos, refere que “os políticos dos Estados Unidos e através do mundo árabe viam em Moussavi um estadista experiente e moderado que se apresentava como uma alternativa atraente ao errático e incendiário presidente anti-americano.”

MRA Alliance/Agências/WSJ

Lançamento de satélite de fabrico iraniano assusta Ocidente

terça-feira, fevereiro 3rd, 2009

O Irão colocou em órbita o seu primeiro satélite Ormid, por intermédio do foguetão Safir-2, anunciou hoje a agência noticiosa iraniana Fars. «É o primeiro satélite na história da nossa nação a ser lançado”, referiu a Fars.  

Segundo a agência oficial Irna o lançamento ocorreu durante a noite de segunda-feira. Recorde-se que, no final de Novembro, o Irão anunciou ter lançado com êxito o foguetão espacial Kavoshgar-2 e recuperado a sonda que transportava.

O satélite destina-se a investigação e comunicações, segundo as agências, mas a tecnologia que tornou possível colocá-lo em órbita através de um míssil de longo alcance, poderá também ser usada para arsenal militar.

A Irna anunciou que a primeira operação do satélite serviu para difundir uma mensagem do presidente Mahmoud Ahmadinejad: “Querido povo iraniano, os vossos filhos enviaram o seu primeiro satélite indígena que foi colocado na órbita da terra, em nome de Deus e do 12º imã” do xiismo. (…) A presença oficial da República Islâmica no espaço foi gravada na história para reforçar a fé em Deus, a Justiça e a Paz”.

O correspondente da BBC em Teerão comentou que, no Ocidente, o lançamento será interpretado como uma ameaça de que o Irão é capaz de lançar um míssil de longo alcance, possivelmente com uma ogiva nuclear.

MRA Alliance/Agências

Serviços secretos holandeses receiam ataque americano contra Irão

segunda-feira, setembro 8th, 2008

Central Nuclear - Isfahan - IrãoO jornal De Telegraaf noticiou em 29-08-2008 a suspensão pelos serviços secretos holandeses – AIVD/Algemene Inlichtingen en Veiligheidsdienst – de todas as suas operações de infiltração e sabotagem da indústria de armamentos do Irão, devido aos receios de um ataque da Força Aérea dos EUA para destruir centrais nucleares iranianas. Segundo as informações de “fontes bem colocadas” usadas pelo jornal, o ataque seria executado através de meios aéreos comandados à distância. A data de execução estaria programada para “as próximas semanas”. A decisão dos holandeses visou impedir que agentes e meios operacionais “ultra-secretos” dos Países Baixos fossem atingidos, acrescentou o periódico de grande circulação. A televisão iraniana deu ampla cobertura à notícia ,em 30-08-2008. O jornal hebreu Jerusalem Post, na edição de 01-09-2008, deu igualmente destaque ao assunto. Enquanto durou, a operação secreta holandesa foi ‘extremamente bem sucedida’, informou o “De Telegraaf”. MRA Dep. Data Mining

Irão lançou foguetão, Casa Branca reagiu com preocupação

segunda-feira, agosto 18th, 2008

Shahab 3O Irão anunciou o lançamento de um foguetão capaz de transportar satélites, suscitando uma imediata reacção norte-americana, que considerou o facto “inquietante”. “O desenvolvimento e teste de foguetões pelo Irão é uma fonte de inquietação e levanta novas questões quanto às suas intenções”, afirmou Gordon Johndroe, porta-voz da Casa Branca. O mesmo responsável adiantou que a iniciativa iraniana desrespeita as determinações do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Citando um “alto responsável” iraniano , a agência AFP deu a notícia do lançamento do engenho iraniano. A fonte anónima referiu que o foguetão não incluiu o satélite Omid, desmentindo informações da imprensa local. O chefe de Estado Maior da Força Aérea iraniana acrescentou que o Irão tem aviões de combate com capacidade para cobrir uma distância de 3.000 quilómetros, atingir Israel e regressar sem reabastecimento. “Nós não queremos atacar outro país (…) mas queremos defender-nos de uma agressão”, afirmou o o brigadeiro-general Ahmad Mighani, citado pela agência oficial Isna. Os mísseis Shahab 3 iranianos também têm capacidade para atingir Israel. MRA Dep. Data Mining

União Europeia endurece sanções contra o Irão

sábado, agosto 9th, 2008

A União Europeia (UE) endureceu ontem a sua política contra o Irão, através de um novo conjunto de sanções, principalmente de carácter económico, como retaliação pela recusa de Teerão em suspender o seu programa nuclear. As novas sanções, que ultrapassam o quadro até agora aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU, penalizam as empresas europeias que tenham relações comerciais com o regime dos aiatolás, privando-as de financiamentos comunitários e da emissão de cartas de crédito. Bruxelas impôs aos Estados-membros que intensifiquem a fiscalização sobre grupos financeiros que tenham acordos com instituições bancárias iranianas. O reforço das inspecções às aeronaves e navios com destino ou provenientes do Irão foi igualmente contemplado. As medidas incluem a proibição de entrada nos 27 estados membros de qualquer cidadão ligado ao programa nuclear iraniano e ao desenvolvimento de mísseis balísticos. Na passada terça-feira o Irão informou que só tomará uma decisão clara sobre a suspensão do programa nuclear após a resposta das potências ocidentais às questões colocadas por Teerão sobre o regime de incentivos proposto. A república islâmica insiste que é subscritora do tratado de não-proliferação o que lhe dá direito a desenvolver tecnologia nuclear para a produção de electricidade. MRA/Agências

Irão: Estudo americano desaconselha ataque contra centrais nucleares

sexta-feira, agosto 8th, 2008

Um ataque militar contra instalações nucleares no Irão poderia ser contraproducente e acelerar a vontade e a determinação de Teerão para construir o mais rapidamente possível uma bomba atómica, segundo um estudo do Insituto para a Ciência e Segurança Internacional (ISIS, em inglês), citado hoje pelo Washinton Post. O instituto considera que as unidades de enriquecimento de urânio iranianas estão demasiado dispersas e bem protegidas para serem destruídas através de bombardeamentos áereos. O ISIS sublinha que quaisquer danos poderiam ser rapidamente reparados. David Albright, presidente do instituto, antigo inspector da ONU de arsenais de armamento da ONU e co-autor do estudo, publicado hoje em Washington, pensa que um ataque israelita ou americano aumentaria o apoio popular ao regime dos aiatolás e levar o Irão a adoptar medidas mais duras e limitativas da acção dos organismos de fiscalização da ONU. “O Irão poderia lançar um programa nuclear de emergência para fabricar a bomba mais rapidamente”, disse Albright numa entrevista. “Um ataque irritaria os iranianos, tornando-os mais nacionalistas, fartos de inspecções internacionais, cansados dos tratados de não proliferação e mais determinados do que nunca a produzir armas nucleares.” MRA Dep. Data Mining

Irão já tem milhares de centrífugas para enriquecer urânio, diz Ahmadinejad

sábado, julho 26th, 2008

Central de Natanz - Imagem de satéliteO presidente Mahmoud Ahmadinejad, disse hoje que o Irão tem entre 5 000-6 000 centrífugas para enriquecimento de urânio, quase o dobro das que possuía em Abril, noticiou a TV iraniana “Alalam”. Ahmadinejad fez estas revelações numa conferência realizada na cidade iraniana de Mashhad, onde recebeu o título de “herói nacional da conquista nuclear”, concedido por organizações académicas e paramilitares fiéis a Teerão. “Eles (os países ocidentais) aceitaram que não sejam produzidas mais do que as 5 mil a 6 mil centrífugas existentes e que essas sejam activadas sem nenhum problema”, afirmou, sugerindo que o Ocidente está de acordo com a existência daqueles equipamentos nucleares no Irão. Em Abril, Ahmadinejad anunciou o início da instalação de seis mil novas centrífugas para o enriquecimento de urânio, duplicando a capacidade então existente na central de Natanz, no centro do país. MRA/Agências

Crise nuclear: Irão não cederá nenhum centímetro, diz Ahmadinejad

quarta-feira, julho 23rd, 2008

O presidente do Irão, Mahmoud Ahmadinejad, prometeu hoje que Teerão não cederá à pressão das principais potências mundiais para suspender o programa de enriquecimento de urânio. “O povo iraniano permanece firme e não recuará nenhum centímetro diante das potências opressoras”, declarou durante um comício na província de Kohgelouyeh-Boyerahmad, no sudoeste do país. O comentário foi uma resposta ao ultimato dos líderes ocidentais que concederam “apenas duas semanas” para que o Irão responda postivamente às suas ofertas para suspender o programa nuclear. “A nação iraniana não se importa com suas ameaças. Vocês estão enganados se pensam que podem forçar esta nação a ceder com sanções, ameaças e pressão”, disse o líder iraniano. Ahmadinejad sugeriu ao governo Bush/Cheney para não arruinar os esforços diplomáticos “com comentários irrelevantes e linguagem colonialista”. Actualmente, estão em vigor três pacotes de sanções impostos a Teerão pelo Conselho de Segurança da ONU. Os inspectores da AIEA/Agência Internacional de Energia Atómica relataram que, até ao presente, não existem sinais de um programa nuclear com fins militares. Os serviços secretos dos EUA divulgaram um relatório, há alguns meses, afirmando ter evidências de que um programa nuclear militar iraniano teria sido encerrado em 2003. MRA/Agências

Ocidente e Irão ainda longe do acordo sobre o programa nuclear

domingo, julho 20th, 2008

Os negociadores do Irão e da União Europeia (UE), reunidos ontem em Genebra, concordaram em retomar as conversações dentro de duas semanas sobre a suspensão do programa de enriquecimento nuclear do Irão. Na cidade suíça, Teerão recusou congelar o seu programa nuclear, na presença oficial do n.º3 do Departamento de Estado dos EUA, William Burns e dos representantes dos outros quatro membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações UnidasReino Unido, China, Rússia e França – mais a Alemanha, e a União Europeia. O chefe da diplomacia da UE, Javier Solana, disse que “o encontro foi construtivo” mas inconclusivo. Saeed Jalili, o negociador iraniano, disse que Teerão quer manter uma postura construtiva desde que as potências ocidentais não se afastem da agenda das negociações. “O Irão pede às potências ocidentais para continuarem o diálogo”, disse. Em Washington, o porta-voz do Departamento do Estado Sean McCormack disse que o Irão tem duas semanas para “dar uma clara resposta”. “O Irã tem uma escolha a fazer: negociação ou mais isolamento”, disse McCormack. MRA/Agências

Irão recusa abandonar enriquecimento de urânio

sábado, junho 21st, 2008

O Governo iraniano manteve hoje a recusa de cancelar o programa de enriquecimento de urânio e classificou de “irracional e inaceitável” qualquer pressão contrária, informou a agência iraniana “Fars”. O porta-voz do Governo iraniano, Gholamhossein Elham, numa conferência de imprensa, disse que “a resposta da República Islâmica do Irão ao pacote proposto recentemente pelos seis poderes mundiais (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) não se baseará na suspensão do enriquecimento de urânio”. Elham insistiu que “qualquer pedido visando cancelar o programa é irracional e inaceitável”. Recorde-se que, no último sábado, o alto representante para a Política Externa e de Segurança Comum da UE, Javier Solana, foi a Teerão propor incentivos por parte da Alemanha e dos cinco países do Conselho de Segurança da ONU para a suspensão do programa nuclear alegadamente em curso. Elham disse que o seu país está a analisar a proposta e que, oportunamente, lhe responderá. “O Irão continuará a cooperar com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e deseja manter conversas com os países proponentes sobre assuntos de interesse mútuo, para o progresso internacional. (…) As actividades nucleares do país são completamente transparentes”, concluiu. MRA/Agências

Preço do petróleo vai continuar a aumentar, diz Irão

sábado, junho 21st, 2008

O Irão prevê que o preço do barril de crude aumente ainda mais nos próximos dias. A opinião foi manifestada por um membro do Governo responsável pela área do petróleo, citado por agências noticiosas internacionais. Teerão acredita que, com o Verão, a procura vai aumentar e nem mesmo um aumento da produção por parte da Arábia Saudita poderá travar a escalada de preços. Na sexta-feita (ontem) o barril de crude, na bolsa de Nova Iorque, fixou-se nos USD 133,00/barril. MRA/Agências

Exercícios aéreos israelitas são avisos ao Irão, diz Pentágono

sábado, junho 21st, 2008

israel-negev-exercicios-militaresUm exercício militar israelita em grande escala, executado há poucas semanas no Mediterrâneo, foi um aviso a Teerão de que o Estado judaico dispõe de capacidade militar para atacar instalações nucleares iranianas. A confirmação, atribuída a «fontes do Pentágono», é revelada na edição de hoje do diário britânico The Guardian“. O jornal indica que “mais de 100 aviões F-16 e F-15 voaram 1500 km, uma distância idêntica à que separa Israel da central nuclear iraniana de Natanz. Os caças foram acompanhados de aviões de reabastecimento e helicópteros para salvamento de comandos no terreno.” A fonte norte-americana descreveu o exercício como uma demonstração de “prontidão militar” mas referiu estar convencida de que “um ataque não está iminente”. “Se os israelitas planeassem um ataque real ninguém saberia antes de isso acontecer”, precisou. O “The Guardian” acrescenta que, mesmo assim, o acontecimento “provocou a subida dos preços do petróleo após a informação ter sido publicada pelo ‘The New York Times’.” O presidente da Agência Internacional de Energia, Mohamed ElBaradei, reagiu às notícias afirmando que um ataque judaico ao Irão transformaria o Médio Oriente numa “bola de fogo” e que, se tal acontecer, se demitirá do cargo. Ontem, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, também comentou o assunto: “Espero que as presentes acções respeitem as leis internacionais que claramente protegem a integridade territorial do Irão, ou de qualquer outro país.” Nas últimas semanas, diversos analistas e observadores têm especulado sobre a iminência de um ataque aéreo, americano ou israelita, lançado ou apoiado pela administração Bush/Cheney antes do final do seu mandato, em Janeiro de 2009. O diário londrino refere que tais especulações estão a diminuir. pvc/MRA Alliance

Irão não dispõe de capacidade para desenvolver armas nucleares, diz especialista americano

sábado, junho 14th, 2008

Irão-Central nuclearAndrew Terrill, professor de segurança nacional e especialista em Médio Oriente no Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade da Marinha dos EUA (US Army War College’s Strategic Studies Institute/SSI), disse ontem, ser “pouco provável” que o Irão tenha capacidade para “fabricar ogivas nucleares”. Durante um colóquio no Bahrain Centre of Studies and Research (BCSR), em Awali, Terrill responsabilizou os EUA pelo falhanço no estabelecimento de negociações bilaterais. “Precisamos manter negociações com russos, chineses e todos os outros que estão a apoiar os iranianos com tecnologia nuclear. Deveremos convencê-los a que o não façam. Ao mesmo tempo, devemos manter abertos outros canais de comunicação”, aconselhou. MRA/Agências

Bush volta a avisar o Irão sobre eventual ataque militar

quinta-feira, junho 12th, 2008

Os Estados Unidos alertaram mais uma vez o Irão reafirmando que “todas as opções estão sobre a mesa” para conter o programa nuclear do país. Javier Solana, chefe da diplomacia da União Europeia (UE), irá a Teerão no fim desta semana para apresentar a proposta das grandes potências: concessão de benefícios políticos e comerciais em troca do abandono do programa de enriquecimento de urânio por parte de Teerão. A República Islâmica, porém, insiste em não ceder à pressão americana e europeia. O país dos aiatolas repetiu que o programa nuclear iraniano é pacífico e contestou os três pacotes de sanções da ONU. Nesta semana, o presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que “um Irão com uma arma nuclear seria incrivelmente perigoso para a paz mundial”, durante a última visita como chefe de Estado à Europa, em curso até ao dia 16. Ontem, reuniu-se com a chanceler alemã Angela Merkel, em Meselberg (nordeste da Alemanha). “A primeira escolha da chanceler e minha, é claro, seria resolver isso diplomaticamente…, mas todas as opções estão sobre a mesa”, precisou Bush, numa ostensiva ameaça de um ataque militar a desencadear em breve. Os aliados europeus alinham com a postura militarista embora se interroguem sobre a bondade da estratégia de Bush, cujo mandato termina em 20 de Janeiro de 2009. Em Bruxelas, Solana manifestou a esperança que o Irão aceite a solução diplomática do problema. “Esperamos muito que haja um resultado positivo da visita e que não seja só uma visita. Queremos um processo que reinicie a tentativa de encontrar uma solução diplomática para a crise”, afirmou. Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia e China – acompanhados pela Alemanha, decidiram no mês passado alargar o conjunto de benefícios oferecidos a Teerão a troco do fim do programa nuclear. MRA/Agências

EUA preparam-se para bombardear Irão, diz ex-agente da CIA

sexta-feira, junho 6th, 2008

Guardas Revolucionários - IrãoPhilip Giraldi, ex-agente da CIA e conselheiro de política externa do senador republicano Ron Paul, num artigo intitulado “Guerra com o Irão pode estar mais próxima do que pensam” escreveu : “O Conselho de Segurança Nacional concordou, em princípio, com o início de planos para atacar campos de treino das «al-Quods» onde, alegadamente, militantes iraquianos recebem formação militar. O campo que será atacado é um dos vários localizados próximo de Teerão. O Secretário da Defesa, Robert Gates, foi o único alto funcionário que pediu o adiamento de qualquer acção ofensiva.” O articulista acrescenta que a decisão está relacionada com reforço da posição do movimento pró-iraniano Hezbollah, no Líbano, e com a alegada “intransigência” de Teerão em reconhecer que apoia e treina as milícias islâmicas responsáveis por ataques às tropas americanas no Iraque e pela sua “inteferência na política interna libanesa”. Mais

MRA – Dep. Data Mining

Negociações secretas EUA-Irão sobre o programa nuclear iraniano

terça-feira, abril 15th, 2008

Irão-EUADurante os últimos cinco anos, os EUA e o Irão vêm mantendo conversações secretas sobre a nuclearização do Irão e as tensões bilaterais, revelaram fontes americanas. Um dos participantes nas discussões, o antigo diplomata Thomas Pickering revelou que um grupo de ex-especialistas e diplomatas do Departamento de Estado tem mantido encontros com académicos e conselheiros políticos iranianos em territórios neutros. O grupo foi organizado pela Associação ONU dos EUA. O Instituto de Pesquisa para a Paz Internacional, financiado pelo governo sueco, está igualmente envolvido como “facilitador” dos contactos. MRA-Dep. Data Mining

Os secretos negócios petrolíferos de Israel com Teerão

terça-feira, abril 8th, 2008

Roterdão - PetroleiroIsrael e os EUA protestaram vigorosamente, no mês passado, contra o negócio de fornecimento de gás natural iraniano à Suiça, durante 25 anos, no valor de milhares de milhões/bilhões de dólares. O Departamento de Estado informou que iria analisar a legalidade da operação à luz das sanções económicas contra Teerão. O governo israelita classificou o negócio como um sinal “inamistoso contra Israel”. O Congresso Judaico Mundial encabeçou a campanha, apoiado por outras organizações sionistas, contra a bem sucedida diplomacia do petróleo do governo suíço.

A indignação dos suíços não se fez esperar. O jornal “Sonntag” (30/03/2008) publicou uma notícia denunciando que Israel viola constante e conscientemente a generalidade dos embargos contra o Irão ao importar, há vários anos, petróleo iraniano, através de intermediários. O tema foi igualmente abordado pelo jornalista de investigação e pacifista judeu Shraga Elam. Eis algumas das suas observações:

“Israel importa petróleo iraniano em grandes quantidades apesar de os contactos com o Irão e a compra dos seus produtos serem oficialmente boicotados por Israel. Israel ilude o boicote ao importar o petróleo através da Europa. Uma credível newsletter israelita, EnergiaNews, divulgou estas informações no dia 18 de Março.” (…) As fontes da EnergiaNews têm ligações com a gestão de topo da «Israeli Oil Refineries Ltd.» (…) De acordo com a EnergiaNews o petróleo iraniano é muito apreciado em Israel por ter qualidade superior à do «crude» de outras origens”, escreve o jornalista.

“A notícia – prossegue – da autoria do editor da «EnergiaNews» Moshe Shalev, revela que o petróleo iraniano passa por diversos portos europeus, em especial pelo de Roterdão. É comprado por israelitas e são-lhes fornecidos os documentos dos seguros e conhecimentos de embarque europeus . Depois segue-se o transporte para Haifa, em Israel. O importador é a empresa «Eilat-Ashkelon Pipeline Co (EAPC)», que mantém em segredo os seus fornecedores de petróleo.”

Shraga Elam, acrescenta desconhecer-se “se os exportadores iranianos sabem das compras do seu petróleo pelos israelitas”. Todavia, refere que “os compradores israelitas e organismos governamentais” conhecem perfeitamente a origem do “crude de alta qualidade”, a despeito de se tratar de “um grosseiro desrespeito do boicote” internacional. MRA/Dep. Data Mining

Israel atiça relações entre a Índia e Irão

terça-feira, fevereiro 12th, 2008

tecsar satélite-espião israelitaAs intensas e cooperantes relações entre Nova Deli e Teerão entraram numa inesperada fase de tensões diplomáticas e económicas após o lançamento, há duas semanas, de um satélite-espião israelita pelo complexo aeroespacial indiano – Indian Space Research Organization/ ISRO. A situação já era tensa devido à recusa indiana de negociar a construção de um gasoduto entre o Paquistão a Índia e o Irão.

O satélite está equipado com um sofisticado radar, que captura imagens, diurnas ou noturnas de independentemente da dimensão dos objectos, iludindo não apenas situações climatéricas adversas como sistemas avançados de detecção. Os iranianos desconfiam que o satélite-espião judaico será utilizado em acções de espeionagem contra o seu programa nuclear. Na semana passada, o embaixador iraniano em Nova Deli, Seyed Nabizadeh, comunicou informalmente ao governo indiano o agastamento do seu país provocado pela cooperação indiano-israelita no lançamento do TECSAR, em 21 de Janeiro passado, a partir de uma base no sul do país. Nabizadeh, face às amistosas relações entre os dois estados asiáticos, sublinhou que Teerão espera que “países sábios e independentes não ponham a sua tecnologia espacial ao serviço de países que a vão usar como instrumento para espiar nações amigas como o Irão.”

Alguns observadores admitem que a Índia poderá ter decidido tomar o pulso a Teerão. Os media judaicos, nos últimos meses, citando fontes militares em Jerusalém, revelaram que o stélite TECSAR, concebido e desenvolvido pelo “cluster” aeroespacial israelita – Israel Aerospace Industries – tem como principal missão fiscalizar as actividades nucleares do regime xiíta. O presidente da ISRO, Madhavan Nair, classificou a operação de espectacular e elogiou a equipa de marketing da agência indiana – Antrix Corporation – pelo êxito da operação, mantida em segredo durante mais de um ano. A Índia justificou a acção com argumentos técnicos e comerciais.

(MRA Data Mining)

“A Mentira de Ormuz”: Cronologia de uma manobra americana para fomentar mais uma guerra…

sexta-feira, janeiro 18th, 2008
  • Golfo Pérsico/Estreito de Ormuz - Foto SatéliteO sinal de alarme…

“O Pentágono confirmou que cinco barcos iranianos realizaram manobras hostis contra três navios de guerra da Marinha dos Estados Unidos no estreito de Ormuz, rota estratégica do petróleo do Golfo”, noticiou a cadeia norte-americana de televisão CNN, no passado dia 6 de Janeiro.

  • A construção da “ameaça iraniana”…
  1. O incidente teria ocorrido cerca das 05:00 (01:00 em Lisboa) de domingo.
  2. Um cruzador, um contra-torpedeiro e uma fragata da Marinha dos Estados Unidos atravessavam o estreito para entrar no Golfo Pérsico.
  3. Fontes militares americanas citadas pela CNN, informaram que os navios iranianos, dos Guardas da Revolução, ameaçaram as unidades da marinha americana via rádio, com mensagens hostis tais como: «Vamos atacar-vos» e «vamos fazer-vos explodir dentro de alguns minutos».
  4. «Não houve ferimentos, mas podia muito bem ter havido», dramatizou o responsável do Pentágono.
  5. A fonte anónima, citada pela CNN, acrescentou que os barcos iranianos deram meia-volta «no momento em que as forças dos Estados Unidos se preparavam para abrir fogo» alegando auto-defesa.
  6. Estas declarações, foram largamente noticiadas pela generalidade da media estadunidense no dia 7/01/2007 – horas antes do início de uma visita oficial do presidente Bush a vários países aliados do Golfo Pérsico.
  • A descontrução da mentira…

Desde ontem, dia 17, a administração Bush/Cheney está a ser ridicularizada e denunciada por centenas de orgãos de informação, americanos e internacionais, com as seguintes mensagens:

  • Falharam os propagandeados objectivos da visita:
    • Fomentar a paz israelo-árabe;
    • Convencer as monarquias pró-americanas da região a alinharem na campanha internacional contra o Irão;
    • Usar “a provocação iraniana de Ormuz” como argumento para desacreditar Teerão;
    • Catalogar o regime xiíta como uma “ameaça à paz mundial”;
    • Usar o programa nuclear do Irão como o alvo a abater
  • O “incidente de Ormuz” foi uma invenção do Pentágono
  • A visita de Bush é um fracasso diplomático.

Seleccionámios os principais detalhes, a cronologia dos acontecimentos e exemplos sobre os métodos diplomáticos e militares usados pela administração Bush/Cheney para fabricar falsos pretextos susceptíveis de gerar crises internacionais.

De mentira em mentira, através de tácticas maliciosas e desleais, o presente governo americano usa todos os meios para atingir o único fim que persegue desde 2001: criar guerras e tensões político-militares não importa onde, nem contra quem. Continuação…

MRA, Dep. Data Mining

Musharraf e Ahmadinejad vão assinar acordo energético este mês

terça-feira, janeiro 15th, 2008

Gasoduto IPIOs presidentes do Paquistão e do Irão Pervez Musharraf e Mahmud Ahmadinejad deverão assinar, em 25 de Janeiro, no Abu Dhabi um Acordo de Compra e Venda de Gás (Gas Sales Purchase Agreement/ GSPA) através do gasoduto Índia-Paquistão-Irão (IPI) noticia hoje o diário paquistanês Daily Times, citando fontes oficiais. O projecto GSPA será assinado ao mais alto nível dos dois governos, incluindo a Comissão Económica do Executivo (ECC) do Paquistão, com as empresas Sui Northern Gas Pipelines Limited (SNGPL) and Sui Sourthern Gas Company Limited (SSGC), estabelecendo a revenda de gás importado nos termos dos protocolos comerciais iranianos definidos pelo GSPA. A empresa paquistanesa ISGC – Inter State Gas Company – fará um pedido formal ao Irão para alocar mais 1.05 Bcfd (Billion cubic feet per day/mil milhões de pés cúbicos por dia) caso a Índia aprove o projecto. O fornecimento de gás iraniano ao Paquistão será de 8 (oito) dólares por MMBTU (milhões de unidades termais britânicas) ao preço corrente do preço do petróleo bruto (crude) – cerca de USD 100,00/Barril) de acordo com o índice Japanese Crude Cocktail (JCC) -o modelo de mecanismo de preços acordado pelos dois países. O governo de Islamabade calcula que os preços contratuais para o gás são cerca de 40% inferiores aos custos do óleo de aquecimento. (pvc)