Archive for the ‘Estratégia’ Category

BCP estuda saída da Polónia e da Grécia e entrada no Brasil e China

quinta-feira, julho 28th, 2011

O Banco Comercial Português (BCP) está a ponderar vender as suas unidades na Grécia e na Polónia, onde obteve boa parte dos seus lucros semestrais, passando a focar a sua estratégia internacional na China, no Brasil e em África, anunciou ontem o seu presidente, Carlos Santos Ferreira.

Carlos Santos Ferreira, que falava na apresentação de resultados semestrais do banco, explicou a nova agenda estratégia do BCP, dizendo que “as operações europeias deixam de ser core”, o que abre a porta para a venda das unidades do banco naqueles dois países.

Simultaneamente anunciou ter  em curso uma iniciativa para obter uma licença bancária que lhe permita operar no Brasil e reforçar a presença física na China. Assim, o foco do grupo passa a assentar – para além do mercado nacional – em três eixos: Brasil, Ásia e África. Parte da estratégia agora anunciada passa pela criação de uma holding que irá incorporar o Banco Millennium Angola (BMA).

À decisão de reposicionamento estratégico em mercados emergentes não terão sido estranhos os fracos resultados do banco. O BCP fechou os primeiros seis meses do ano com um lucro de 88,4 milhões de euros, menos 45,8 por cento do que no mesmo período do ano passado.

É na Polónia que o banco tem grande parte do seu valor internacional. Ao contrário dos resultados totais do grupo, os lucros do banco na Polónia (onde o BCP é o maior accionista) dispararam 58,7 por cento no primeiro semestre, para os 54,7 milhões .

No documento, no qual define a nova agenda estratégica para os próximos três anos, o banco explica que está a explorar opções “para reduzir exposição ao mercado da Grécia”, onde o grupo regista uma crescente diluição dos resultados e uma estagnação do crescimento de volumes (o banco detém um por cento da quota de activos).

Em África, os parceiros angolanos no BMA, a Sonangol e o Banco Privado Atlântico, de Carlos da Silva, ficam com 30 e 20 por cento do capital da nova holding, respectivamente, detendo o BCP os restantes 50 por cento. Assin sendo, o Banco Privado Atlântico (BPA) reforça a sua posição accionista, já que, até agora, esta instituição angolana era dona de 15,8 por cento do BMA, enquanto o BCP dominava 52,7 por cento do capital e a Sonangol 31,5 por cento.

A partir daqui, a estratégia passa por entrar em outros mercados, tendo já sido identificados como alvos a Namíbia e São Tomé e Príncipe, e por apostar em “novos negócios”. O grupo liderado por Carlos Santos Ferreira admite que poderá ter parceiros locais nos mercados onde quer entrar, bem como parceiros especializados na nova vertente de negócios.

No caso de Angola, o resultado líquido no primeiro semestre subiu 54,5 por cento para 15,1 milhões de euros. Já em Moçambique, onde o BCP também opera com o Millennium bim (onde tem 66,7 por centro do capital), a subida foi de 40,5 por cento para 41,9 milhões de euros no período em análise.

Ao todo, as operações internacionais do banco cresceram no último semestre 154,1 por cento, representando 64,4 mil milhões de euros nos resultados do banco, descontando já os interesses minoritários (os lucros devidos aos parceiros do BCP).

MRA Alliance/Público

Aumento de capital no BCP pode não chegar

terça-feira, abril 19th, 2011

O aumento de capital do BCP foi ontem aprovado por maioria esmagadora mas o presidente avisou os accionistas que pode não chegar. Na Alfândega do Porto, onde decorreu a reunião, Carlos Santos Ferreira, abriu os discursos aos accionistas, na mais longa assembleia geral do BCP, com 18 pontos em agenda. A assembleia contou com 53,27% dos accionistas presentes e representados.

Santos Ferreira começou com uma grande máxima: “apenas os mais ágeis e transparentes sobrevivem às grandes crises”. Isto numa referência à decisão de aumentar o capital, numa altura em que está a ser negociado o pacote de ajuda financeira internacional a Portugal.

O aumento de capital, que pode ir de 1,12 mil milhões de euros a 1,37 mil milhões (incluindo a incorporação de reservas) foi ontem aprovado por uma maioria de 99,84%, numa altura em que estava na sala 53,10% do capital.

O Core Tier one fixar-se-á nos 9%, acima dos 8% exigidos pelo Banco de Portugal e pela Comissão Europeia. Este passará a ser o nível de solvabilidade mínimo para as instituições financeiras exercerem a actividade. O capital social, após as três tranches e se a conversão de Valores Mobiliários Perpétuos Subordinados for superior a 75%, fixa-se em 6.065 milhões de euros. 

Santos Ferreira disse que o aumento do capital próprio “deixa o banco mais forte para beneficiar de futuras oportunidades do sector”. O presidente do BCP disse ainda que este aumento “contribui para a salvaguarda da independência estratégica do BCP”. Carlos Santos Ferreira considerou que, “neste momento, o capital é elevado, o mais elevado da década”, mas avisou que nada garante que este montante é suficiente. “Será discutível se chega para os tempos que aí vêm”, admitiu.

MRA Alliance/DE

“Estou na Galp para ficar”, diz Amorim

domingo, fevereiro 13th, 2011

Em entrevista ao semanário Expresso, Américo Amorim, accionista da Galp Energia, diz que está na petrolífera para ficar: “O meu compromisso com a Galp é de longo prazo. Estou na Galp para ficar”. Américo Amorim é presidente da Amorim Energia, ‘holding’ detida por si em 55%. Os restantes 45% estão nas mãos da Sonangol e de Isabel dos Santos.

A Eni, que controla cerca de 33% do capital da petrolífera esteve recentemente em negociações com a Petrobras para vender a sua posição, negociações que não chagaram a bom porto. Américo Amorim afirma que uma “solução para a Galp tem de passar por mim”.

Na entrevista, Amorim é claro sobre as suas intenções na Galp: “O facto de ter expirado o período de indisponibilidade de acções não altera o meu rumo. O meu compromisso com a Galp é de longo prazo. Esta empresa desempenha um papel estratégico, de interesse nacional, que continuarei a defender. É fundamental que todos entendam isso”.

MRA Alliance

“Sinto-me Millennium” diz Mourinho, a nova aquisição do BCP

domingo, fevereiro 13th, 2011

José MourinhoO BCP apresentou ontem a estratégia do banco num encontro com 6.700colaboradores. No evento o banco confirmou a contratação de Mourinhno que passará a ser o novo rosto da marca Millennium. A nova cara do banco apareceu num vídeo, em fundo cinzento, com um ‘pin’ do Millennium bcp ao peito. O contrato Millenium/Mourinho tem a duração de dois anos e implica exclusividade do treinador para a área financeira em Portugal.

No vídeo, o técnico português refere que “há quem o ache arrogante por dizer que é o melhor, o número 1. Mas não é exactamente assim: eu não sou o melhor, mas ninguém é melhor do que eu”, afirma José Mourinho. O filme continua com a mensagem de que “é isso que temos em comum, entrego-me de alma e coração àquilo que faço”, diz, dirigindo-se aos funcionários presentes no encontro. “Quero dizer-vos em primeira mão que a partir de hoje também sou Millennium”. “Sinto-me Millennium” e “o nosso trabalho é a nossa paixão”, concluiu.

MRA Alliance/Agências

Soares propõe criação de conselho de ministros ibérico

quarta-feira, junho 23rd, 2010

Mário SoaresPortugal e Espanha devem avançar para uma política mais iberista, realizando conselhos de ministros conjuntos defendeu Mário Soares, numa entrevista à Rádio Renascença. O ex-líder socialista salienta que juntos “somos mais de um décimo da humanidade” e que só assim “podemos discutir de igual para igual com Merkel ou Sarkozy” e “ganhar peso na Europa”.

Mário Soares disse ainda que discorda das medidas que têm sido implementadas pelo Governo Sócrates para fazer face à crise, que são um “ataque ao estado social” e acrescenta que, para além de “não resolverem o problema, vão conduzir a uma outra crise”.”É preciso é não gastar dinheiro mal gasto, não me venham dizer que não temos sustentabilidade para o estado social, e temos sustentabilidade, uns tantos portugueses para comprarem carros, aviões e iates de luxo”, contesta.

Soares diz que partilha da mesma opinião que as centrais sindicais. “O estado social é sustentável e economistas como Stiglitz e Krugman, que nem são socialistas, estão a fazer esses avisos: Ou mudamos de paradigma, ou a Europa vai entrar em grande decadência”, avisa.

MRA Alliance/DE

Obama “mata” guerra contra o terrorismo e elege China e Índia como novos aliados

quinta-feira, maio 27th, 2010

A nova estratégia de segurança nacional do Presidente Barack Obama designa especificamente a Al Qaeda como inimigo principal dos Estados Unidos. Para trás ficaram as referências à “guerra contra o terrorismo” herdadas da administração de George W. Bush. A “doutrina Obama” pretende também alargar as parcerias norte-americanas para além dos tradicionais aliados da América, de forma a incluir também a China e a Índia.

No documento, tornado público esta quinta-feira, a Casa Branca refere: “Procuraremos sempre acabar com a legitimação do uso do terrorismo e isolar aqueles que a ele recorrem”, e clarifica: “Não é uma guerra mundial contra uma táctica – o terrorismo – ou uma religião – o Islão”.  “Estamos em guerra contra uma rede específica, a Al-Qaeda, e os seus aliados terroristas que apoiam os esforços para atacar os EUA e os seus aliados e parceiros” precisa o texto do documento.

A nova estratégia de segurança nacional representa o resultado de dezasseis meses de consultas no seio da administração Obama e estabelece um corte com as presidências anteriores, ao colocar grande ênfase no valor da cooperação global e no desenvolvimento de parcerias alargadas, para além de atribuir mais importância à ajuda prestada a outras nações para que se defendam a si próprias.

Esta tentativa aparente de Obama se distanciar do legado do seu antecessor, sem no entanto o repudiar frontalmente, poderá a vir a provocar algumas críticas no Partido Democrático, onde alguns sectores esperavam uma rejeição mais clara do conceito de “guerra preventiva” defendido por George Bush. Por outro lado os Republicanos, quase certamente, vão acusar Obama de “ser fraco em matéria de defesa” por dar tanta ênfase à diplomacia e ajuda ao desenvolvimento.

O documento refere-se “aos grandes objectivos” em matéria de defesa e o destaque de “adversários principais” é dado repetidamente à Al-Qaeda, ao Irão e à Coreia do Norte, estes últimos por causa dos seus programas nucleares.

No que respeita às alianças, a nova estratégia para manter a segurança dos Estados Unidos pressupõe o fim dos anos de acção unilateral da era Bush e deposita maior confiança nos aliados dos Estados Unidos para fazer face ao terrorismo e a outros problemas globais.

Para tal, a Casa Branca fala de desenvolver parcerias globais mais alargadas, de forma incluir nações como a Índia ou a China, que não se contam entre os aliados tradicionais dos EUA.

MRA Alliance/Agências

Soares diz que eleições nos EUA fazem renascer esperança mundial

sexta-feira, julho 18th, 2008

O antigo Presidente da República português Mário Soares afirmou ontem que a eleições presidenciais norte-americanas podem fazer renascer a esperança mundial, vaticinando “mudanças radicais” na América e no Mundo, caso o senador Barack Obama vença. “A candidatura do senador Barack Obama é portadora de mudanças radicais na América e na relação com o Mundo”, afirmou Mário Soares, durante uma palestra no primeiro Fórum Açoriano Franklin Roosevelt, organizado pela Fundação Luso-Americana e governo açoriano, na Ilha de São Miguel. Para o antigo Presidente e primeiro-ministro, que confessou ser “obamomaníaco”, a América dá agora sinais de estar a sair de um “ciclo trágico” com o fim do mandato do presidente George Bush, que pôs em causa de forma “quase irremediável” o prestígio norte-americano. “Com o aproximar das eleições presidenciais, a consciência politica, o sentido da responsabilidade, pioneirismo e idealismo americano parece ter despertado como por milagre”, afirmou Soares, para quem se impõe uma mudança de políticas sociais, económicas, ambientais e culturais para evitar a decadência do Ocidente. Apesar de não ser fácil, Soares entende que é possível a “revolução cultural” protagonizada por Obama, que comparou com o antigo presidente norte-americano Franklin Roosevelt. Numa palestra intitulada “Relações Transatlânticas numa Perspectiva de Futuro”, Mário Soares afirmou, ainda, que a União Europeia tem estado paralisada e muito fechada sobre os seus próprios problemas, revelando-se incapaz de governar o Mundo, por falta de líderes. MRA/Agências

EDP Renováveis vai ter sede em Espanha e cotação na Euronext Lisboa

quarta-feira, maio 7th, 2008

A EDP Renováveis vai ter sede em Espanha, mas será cotada na Euronext Lisboa, quando o seu capital for colocado em Bolsa, anunciou o presidente executivo do grupo EDP, António Mexia, citado pelo Público. A data da abertura do capital da empresa das energias renováveis do grupo ainda continua incerta. O gestor justificou a decisão de instalar a sede da EDP Renováveis em Espanha pelo facto de ser o maior mercado mundial em termos eólicos e onde se encontram mais de 80 por cento dos recursos humanos da empresa. Dos actuais 3700 megawatts de capacidade eólica instalada pela EDP, mais de 1600 estão em Espanha.

Crise financeira gera novas estratégias no sector bancário

sexta-feira, março 28th, 2008

Os grandes bancos europeus modificaram a sua estratégia face às turbulências financeiras dos últimos meses, preferindo actualmente apostar no negócio comercial em detrimento da banca de investimento. “Agora, os bancos estão interessados outra vez na banca comercial pelo seu baixo custo e elevadas margens de lucro”, referiu um analista da Merck Finck, citado hoje pela edição alemã do jornal britânico ‘Financial Times’.