Archive for the ‘Coreia do Norte’ Category

Coreias: EUA, Japão e Coreia do Sul revelam incompetência geopolítica

quinta-feira, dezembro 2nd, 2010

Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão vão reunir-se segunda-feira em Washington para concertarem uma resposta ao alegado bombardeamento da ilha de Yeonpyeong a 23 de Novembro pela artilharia norte-coreana, no primeiro ataque a alvos civis desde 1987.

A reunião em Washington evidencia “a coordenação estreita” entre as três capitais, lê-se num comunicado do Departamento de Estado que marca a data do encontro. A notícia coincide com o fim das importantes manobras conjuntas de forças aeronavais americanas e sul-coreanas que decorreram desde domingo até ontem no mar Amarelo.

O encontro tripartido na capital americana deverá estabelecer os contornos de uma resposta às escaramuças de 23 de Novembro, quando a República Popular da China está a bloquear, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, a aprovação de uma resolução de condenação da Coreia do Norte.

Diversas agências referiam ontem, citando fontes diplomáticas, que Pequim considera inaceitável o uso de vocábulos como “condenar” ou “Conselho expressa preocupação”. Pequim, por outro lado, tem insistido no reatamento do mecanismo conhecido como as negociações a seis, que envolve as duas Coreias, EUA, Japão, Rússia e China.

O regresso a este formato diplomático na actual conjuntura é considerado desajustado por Washington, Seul e Tóquio. As três partes acham que sentarem-se à mesma mesa com representantes de Pyongyang equivaleria a reconhecerem uma vitória do regime de Kim Jong-il, que acusam de ter abandonado as negociações em Abril de 2009.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, insistia ontem ser “dever e obrigação” de Pequim “pressionar a Coreia do Norte a desistir da atitude beligerante”.

Gibbs omitiu um dos principais factos da escalada do conflito na ilha de Yeonpyeong, em  23 de Novembro. O primeiro tiro foi disparado pela Coreia do Sul.

De acordo com a tradição oriental, será impossível que a China, a potência regional que detém a chave da solução do problema coreano, aceite o veredicto dos norte-americanos e respectivos aliados no Extremo Oriente.

Se o fizesse Pequim perderia a face e, desta forma, alienaria a sua legitimidade moral e política na gestão do conflito.

MRA Alliance/Agências/pvc

China aceita a reunificação pacífica das duas Coreias

quarta-feira, dezembro 1st, 2010

O fim da separação entre a Coreia do Norte (comunista) e a Coreia do Sul (capitalista) foi tema de conversa entre diplomatas chineses e americanos e poderá acontecer a prazo, de acordo com documentos revelados pela Wikileaks, a organização fundada pelo australiano Julian Assange.

Quarenta e oito horas após a organização ter iniciado a publicação de milhares de documentos diplomáticos americanos, confidenciais e secretos, ontem as surpresas continuavam a suceder-se. Ao que parece, para Pequim, a Coreia do Norte já não tem valor como um estado-tampão com o Ocidente.

O conteúdo dos telegramas diplomáticos, tornados públicos pela organização do cidadão australiano, revela conversas pormenorizadas entre responsáveis dos Estados Unidos e diplomatas chineses, e entre responsáveis sul-coreanos e os seus homólogos do Império do Meio.

O documento referenciado avança que tal diálogo aconteceu, em Junho de 2009 e durante um jantar de três horas em Astana, capital do Cazaquistão. Então, e referindo-se às Coreias, o diplomata chinês em Astana confiou ao embaixador americano Richard Hoagland que Pequim “deseja uma reunificação pacífica a longo prazo, mas espera que os dois países se mantenham separados para já”.

A perspectiva de uma intervenção militar da China em caso de colapso da Coreia do Norte foi também posta de parte por diplomatas que sublinham que as estratégias económicas de Pequim estão agora mais vocacionadas para EUA, Japão e Coreia do Sul.

MRA Alliance/DN

Coreia do Norte: “Herdeiro” assume cargo no partido comunista

quarta-feira, setembro 29th, 2010

Kim Jong-un será provavelmente o próximo líder da Coreia do NorteO filho mais novo do líder norte-coreano Kim Jong-il foi nomeado vice-presidente da poderosa Comissão Militar Central do Partido dos Trabalhadores, um dia depois de receber a patente de general, informou a agência estatal de notícias KCNA na quarta-feira (horário local). As nomeações reforçam as especulações de que Kim Jong-un será o sucessor de seu pai, Kim Jong-il, de 68 anos.A conferência do partido comunista, a primeira em 30 anos, nomeou Jong-un para o Comité Central. A irmã de Kim Jong-il e o marido dela foram nomeados para o bureau político, como titular e suplente, respectivamente. Ambos são apontados como defensores da sucessão por Kim Jong-un.

MRA Alliance/O Globo

Coreia do Norte renova liderança em Setembro

domingo, junho 27th, 2010

Kim Jong-il - Líder da Coreia do NorteA saúde de Kim Jong-il, de 68 anos, levanta cada vez mais dúvidas, e o Partido dos Trabalhadores da Coreia (KCNA) fez aumentar as especulações ao anunciar algo de extrema raridade – haverá uma reunião do orgão máximo, em Setembro, para renovar a liderança política do partido e do país.

Esta será a terceira vez que o gabinete político do KCNA se reúne desde a fundação da Coreia do Norte, em 1948. E a primeira desde a década de 1960.

Através desta reunião, a Coreia do Norte deverá conceder a Kim Jong-un o estatuto oficial de delfim”, explicou à AFP Kim Yeon-chul, professor na universidade Inje, na Coreia do Sul. Aos 27 anos, o mais novo dos três filhos de Kim Jong-il foi apontado como o sucessor do Querido Líder. Este sucedeu por sua vez ao pai, Kim Il-sung, em 1994.

“Cabe-nos a tarefa revolucionária e sagrada de fazer evoluir o Partido dos Trabalhadores em glorioso partido eterno de Kim Il-sung e de aumentar o seu papel e a sua função ao trabalhar para devolver a glória ao país enquanto nação socialista próspera e poderosa”, diz o anúncio oficial da reunião de Setembro.

Esta ter-se-á tornado necessária devido às mudanças na liderança do país que se adivinham após o ataque de coração que debilitou a saúde de Kim Jong-il, em 2008.