Archive for março, 2011

WikiLeaks.: Japão sabia que centrais nucleares só resistiam a sismos até 7,0 graus

sexta-feira, março 18th, 2011

Explosão na central nuclear japonesa Fukushima-DaiichiDocumentos secretos da diplomacia norte-americana, divulgados ontem pela WikiLeaks, revelam que cientistas da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) terão informado o Japão, em Dezembro de 2008, de que as suas normas de segurança estavam obsoletas e que a possibilidade de sismos superiores a 7,0 na escala de Richter constituiam um “problema sério” para as centrais nucleares nipónicas.

Segundo o jornal i online, na altura, o governo japonês comprometeu-se a actualizar as condições de segurança de todas as centrais do país, o que parece não ter acontecido. 

O governo nipónico terá construído um centro de resposta a emergências, mas este estava desenhado apenas para enfrentar sismos com magnitude inferior a 7,0 na escala de Richter. O que atingiu a costa noroeste do país há uma semana, contudo, foi muito mais forte, atingindo 8,9. Ontem, a situação na central, situada a 240 quilómetros de Tóquio, continuou a piorar, com os níveis de radiação a subirem para 4.000 microsievert por hora (o corpo humano aguenta exposições a 1.000 microsievert por ano).

A meio da tarde, Obama fez uma visita surpresa à embaixada japonesa em Washington, para assinar um livro de condolências e reiterar o compromisso de auxiliar o país. “Os EUA sentem grande urgência em ajudar o Japão”, disse aos jornalistas.

Os 50 funcionários que continuam na central a tentar arrefecer os primeiros quatro dos seis reactores da central Fukushima Daiichi receberam, entretanto, da Marinha norte-americana 100 fatos de protecção e máscaras para acidentes nucleares, biológicos e químicos – equipamento que servirá para minimizar os efeitos da exposição à radioactividade. O grupo já foi baptizado de “os 50 de Fukushima” e vários artigos têm sido dedicados aos homens, apelidados de “heróis-mártires” em “missão suicida”.

A Tokyo Electric Power Co. (TEPCO), empresa que opera a central, abriu ontem uma conta oficial de Twitter que à hora de fecho da edição já contava com mais de 117 mil seguidores. Na primeira mensagem oficial publicada naquela rede social, pedem desculpa à população “por ter causado graves preocupações com o acidente na central nuclear nº 1 de Fukushima, com a fuga de radiação e os cortes de electricidade controlados.”

MRA Alliance

Espanha paga menos para emitir dívida a 10 e 30 anos

quinta-feira, março 17th, 2011

Depois de ontem Portugal ter colocado no mercado 1.071,7 milhões de euros de bilhetes do Tesouro com maturidade a 12 meses a 4,331% hoje, foi a vez de a Espanha testar o mercado de dívida.

De acordo com o Tesouro espanhol, o governo de Zapatero colocou, esta manhã, 4.129 milhões de euros em obrigações a 10 e 30 anos, superando assim o montante mínimo indicativo de 3.500 milhões de euros estipulado, e com as ordens de compra a superarem em mais do dobro o volume da oferta.

Segundo as autoridades espanholas, o leilão de obrigações a 10 anos terminou com a colocação de 3.218 milhões de euros no mercado ao preço de 5,162%, face aos 5,2% conseguidos no leilão anterior com características semelhantes, tendo contado com uma procura de 1,81 vezes acima da oferta.

MRA Alliance/DE

Líbia: Khadafi financiou campanha presidencial de Sarkozy

quinta-feira, março 17th, 2011

Khadafi com Sarkozy, em FrançaNuma entrevista ao canal televisivo Euronews, Saif al-Islam Khadafi, o filho do líder líbio Muammar Khadafi, afirmou que a Líbia financiou a campanha eleitoral do Presidente francês, Nicolas Sarkozy, em 2007 e que quer o seu dinheiro de volta.

Quando questionado sobre a sua posição em relação à França e ao Presidente Sarkozy, que no dia 10 de Março reconheceu o Conselho Nacional de Transição líbio como representante legítimo da Líbia, Saif al-Islam disse que, em primeiro lugar, Sarkozy deveria devolver à Líbia o dinheiro que recebeu para a sua campanha eleitoral.

O membro do clã Khadafi adianta que o seu país financiou a campanha do Presidente francês e que tem todas as informações sobre o financiamento e que está “pronto para as publicar”.

“A primeira coisa que pedimos a este palhaço do Sarkozy é que devolva o dinheiro ao povo líbio”, acusa Saif al-Islam. “Ajudá-mo-lo a tornar-se Presidente para que ele ajudasse o povo líbio, mas ele desapontou-nos”, diz o filho do contestado líder líbio, adiantando que muito brevemente publicará “todos os detalhes, documentos e comprovativos de transferência bancária”.

A acusação acontece dias depois de a França ter reconhecido o Conselho Nacional de Transição, que reúne opositores ao regime de Muammar Khadafi e está sediada em Bengasi, ainda em poder dos rebeldes. 

MRA Alliance/Público

Sócrates admite demitir-se em caso de “chumbo” do PEC

quarta-feira, março 16th, 2011

José Sócrates“Se o Parlamento se pronunciar contra o Programa de Estabilidade e Crescimento, estará a abrir uma crise política”, afirmou José Sócrates, na terça-feira, em entrevista à SIC. Sócrates foi ainda mais longe quando admitiu implicitamente a demissão do Governo nesse cenário.

Se o resultado do debate parlamentar for o “chumbo”, os partidos “tiram todas as condições ao Governo para governar e teria de haver eleições”. “Nunca irei para uma Cimeira Europeia sem me poder comprometer com um programa de medidas de médio prazo que considero essenciais”, frisou.

Em caso de eleições antecipadas, Sócrates volta a candidatar-se: “Com certeza que sim. Não volto a cara às dificuldades”. E assim se pôs fim aos anseios de quem desejaria ver na crise a oportunidade de o substituir à frente do PS.

Mas o cenário de crise é coisa de que o primeiro-ministro não quer nem ouvir falar: “Não acredito numa crise política; não quero acreditar que a irresponsabilidade dos partidos os leve tão longe”. “Espero que todos caiam em si”, “tudo farei para evitar uma crise política”, disse.

MRA Alliance/Público 

Moody’s reduz o rating da dívida soberana de Portugal

quarta-feira, março 16th, 2011

rating11.jpgA agência de rating norte-americana Moody’s emitiu um comunicado anunciando que  decidiu baixar o rating da República portuguesa em dois níveis, de A1 para A3, avisando que pode tornar a fazê-lo daqui a 12 meses.A empresa explica que são quatro as razões que levaram à despromoção do país: “perspectivas de crescimento e ganhos de produtividade no curto a médio prazo fracos até que as reformas estruturais, especialmente no mercado de trabalho e no sistema de justiça, comecem a dar frutos”; “riscos de implementação das metas ambiciosas do governo em matéria de consolidação orçamental”; risco de o Governo ter de expandir ainda mais as ajudas ao sector bancário e às instituições públicas, que actualmente não conseguem aceder aos mercados para se financiar; elevadas taxas de juro dos empréstimos contraídos pelo Governo para financiamento do Estado.

Mesmo que o país peça ajuda ao fundo europeu de resgate, a Moody’s tem dúvidas relativamente ao tempo que Portugal irá precisar para ganhar, de novo, confiança e acesso aos mercados normais de crédito.

Numa situação normal de resgate, Portugal poderia ficar agarrado ao fundo de resgate durante três anos. A Moody’s considera que pode demorar mais que isso.

MRA Alliance/Agências

Desemprego cresce em Portugal e diminui na Europa

terça-feira, março 15th, 2011

O emprego desacelerou em Portugal, ao passo que a União Europeia está a registar uma ténue recuperação. De acordo com dados do Eurostat divulgados hoje, o emprego em Portugal registou uma variação negativa de 0,6% no quarto trimestre de 2010, face ao trimestre anterior. Na União Europeia, aumentou 0,1%.
Portugal ocupa o terceiro lugar entre os países da União onde o emprego mais recuou, tanto em relação ao trimestre anterior, como em relação ao período homólogo.

Segundo organismo de estatísticas da europeu, há já quase 222 milhões de desempregados no território dos 27, mais de metade (144,8 milhões) concentrados na Zona Euro.

Alemanha fecha sete centrais nucleares

terça-feira, março 15th, 2011

Depois do alerta vindo do Japão com as explosões nos reactores nucleares de Fukushima, a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou hoje o encerramento de todos os reactores nucleares do país que entraram em actividade «antes do fim de 1980» – um total de sete, que deverão permanecer desligados durante três meses.

«Vamos iniciar um exame da segurança de todas as centrais nucleares», disse a chanceler, «Os reactores que começaram a funcionar antes do fim de 1980 serão desligados durante a moratória», explicou.

Na Alemanha, onde a chanceler Angela Merkel suspendeu um acordo para aumentar o tempo de vida de centrais nucleares do país, há eleições importantes no horizonte.

Dezenas de milhares de activistas anti-energia nuclear realizaram um protesto no fim de semana contra o plano de aumentar a vida útil dos reactores alemães. Em Stuttgart, os manifestantes formaram um cordão humano de 45 quilómetros de extensão. O protesto já tinha sido planeado antes da tragédia no Japão, porque a energia nuclear é considerado um tema sensível para as eleições.

Os ministros de Energia da UE e especialistas em energia nuclear, em Bruxelas, iniciaram hoje a abordagem às questões de segurança. Com cerca de 150 reactores nucleares no continente, a Comissão Europeia quer levar em conta os acontecimentos no Japão, e rever as medidas de segurança.

MRA Alliance/JD

Portugal: Ajuda financeira da UE impõe intervenção do FMI

terça-feira, março 15th, 2011

Portugal não se livra do Fundo Monetário Internacional (FMI) caso opte por activar a nova vertente mais flexível do fundo de resgate, na opinião de Christine Lagarde, a ministra francesa das Finanças.

A chefe do Tesouro francês explicou ontem que aquela opção, que permitirá ao fundo de resgate europeu comprar dívida pública no mercado primário, “é um complemento ao pacote de ajuda” que, “por princípio, será sempre uma operação conjunta do EFSF [o fundo europeu] e do FMI”. Esta opção, adiantou ontem ao fim da noite após a reunião de ministros de Finanças europeus em Bruxelas, estará “em vigor no Verão”. É com isto que Portugal terá de contar caso os mercados voltem a penalizar as suas condições de financiamento e o pedido de ajuda se coloque.

O Governo fazia votos que o FMI ficasse de fora desse esquema para, no caso de pedir ajuda, se diferenciar do que considera ser uma humilhação, ou seja, os pedidos anteriores da Grécia e Irlanda.

MRA Alliance/DE 

Portugal: Maior queda da produção industrial na UE registada em Janeiro

terça-feira, março 15th, 2011

A produção industrial na Zona Euro aumentou 0,3 por cento em Janeiro face a Dezembro, mas Portugal destacou-se como o país onde este indicador mais recuou (menos 4,2 por cento), segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Na União Europeia a 27, a produção industrial evoluiu 0,6 por cento em Janeiro. Em Dezembro do ano passado, havia subido 0,3 por cento na zona euro e 0,2 por cento na UE27, face a Novembro .

Para além de Portugal, que liderou o grupo de cinco países onde se registaram quebras na produção, destacaram-se a Finlândia (menos 2,8 por cento) e a Letónia (menos 2,4 por cento).

MRA Alliance/Público

Japão: Banco Central injeta mais 44 mil milhões de euros para apoiar economia

terça-feira, março 15th, 2011

O Banco do Japão injetou mais 44 mil milhões de euros no mercado monetário para apoiar a economia depois do sismo de sexta-feira, para além dos 131,6 mil milhões de euros já injetados na segunda-feira. Um despacho da AFP adianta que o avultado montante destas injeções é algo de inédito para o banco central japonês num só dia.O sismo e o tsunami de sexta-feira no Japão causaram milhares de mortos e provocaram elevada destruição. Além disso, afetaram a produção e o fornecimento de energia, este último devido à paragem de 11 reatores nucleares, três dos quais registaram explosões.

MRA Alliance/Agências

Governo quer aumentar imposto automóvel

segunda-feira, março 14th, 2011

A necessidade de travar a importação de automóveis é, a par da perda de receita que se tem vindo a verificar, a justificação dada por Sérgio Vasques para a subida do Imposto Sobre Veículos (ISV), o imposto que substituiu o antigo Imposto Automóvel.

Em entrevista por escrito ao Diário Económico, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais justifica e quantifica as medidas apresentadas pelo Governo na passada sexta-feira.

MRA Alliance

Efeitos práticos da catástrofe no Japão na economia mundial

segunda-feira, março 14th, 2011

Japão - Imagens dos efeitos dos sismos e do tsunamiEmbora seja difícil de estimar as consequências humanas e económicas do sismo de 8,9 e da onda gigante de 10 metros que se seguiu, os especialistas alertam que as consequências vão ser profundas e globais, adianta o Diário Económico.

“O sismo do Japão vai ser uma das catástrofes mais caras da história. Esta não é apenas uma circunstância japonesa, vai afectar ambos os lados do Pacifico e o custo vai subir muito rapidamente”, afirma Dennis Gartman, gestor de ‘hedge funds’, à CNBC

De acordo com as estimativas da empresa de modelo de risco AIR Worldwide, só em propriedades seguradas as perdas deverão ascender aos 24,62 biliões de euros, mais do que todos os custos causados por catástrofes em 2010.

Porém, depois de o Japão lidar com as massivas perdas humanas e económicas, o país terá de se concentrar na reconstrução das áreas destruídas, o que poderá dar força à economia nipónica, segundo alguns peritos. “Obviamente, o custo humano é o mais importante “, sublinhou Nicholas Colas, especialista da ConvergEx. “Mas a reconstrução vai criar muitos postos de trabalho e gerar riqueza”.

Também David Resler, economista chefe da Nomura Securities, frisa que “muitos recursos vão ser direccionados para a reconstrução do Japão. Mas nem todos os fundos virão do Governo. Alguns recursos para reconstruir uma parte devastada da ilha virão das companhias de seguros e empresas privadas”.

É esperado que o iene, tido como fraco, historicamente, comece a valorizar contra as restantes divisas mundiais, puxado pelo aumento da circulação da moeda no país, por causa da reconstrução. Esta tendência de subida foi observada na sexta-feira, quando o iene avançou quase 1,5% face ao dólar e apreciou perto de 1% em relação ao franco suíço. “O dinheiro vai ser repatriado para o Japão, de forma a ajudar a pagar os danos”, afirmou Dennis Gartman.

Outra consequência será a queda dos preços do petróleo uma vez que as dificuldades económicas no Japão vão afectar negativamente a procura mundial da matéria-prima. Foi neste cenário que os preços do ‘ouro negro’ caíram mais de 1% em Londres e nos Esrados Unidos, na sexta-feira.

Os encargos com a reconstrução devem ainda levar o Japão a reduzir a compra de obrigações dos Estados Unidos. O Japão é o terceiro maior detentor de dívida pública dos EUA, depois da Reserva Federal (Fed) e da China. “Levanta-se a questão de saber se os japoneses poderão continuar a ser grandes compradores das nossas obrigações [dos EUA]”, disse Quincy Krosby, especialista da Prudential Financial. “Eles vão usar uma quantia substancial para a reconstrução de infra-estruturas”, acrescentou. No final de 2010, o Japão detinha 882 mil milhões de dólares em obrigações do Tesouro, enquanto a China possuía 1,16 biliões de dólares em dívida norte-americana.

Os mercados accionistas reagiram em baixa ao sismo no Japão, com as bolsas asiáticas a tombarem cerca de 5%. Mas depois de os investidores terem ‘digerido’ a situação, as bolsas recuperaram. “Não acredito que este evento vá criar medo e incerteza no mercado. É um acontecimento natural. Eles vão recuperar”, sublinhou Todd Horwitz, analista do Adam Mesh Trading Group.

MRA Alliance

Banco do Japão prepara injecção de liquidez na banca

segunda-feira, março 14th, 2011

Masaaki Shirakawa - Governador do Banco do JapãoO banco central do Japão vai intervir no sistema financeiro do país quando os mercados abrirem hoje, segunda-feira. O Governador do Banco do Japão, Masaaki Shirakawa, revelou que a instituição irá injectar montantes “massivos” de liquidez no sistema financeiro, de modo a manter os mercados estáveis, após o sismo de 8,9 na escala de Richter e posterior tsunami que atingiram o país, na sexta-feira.

O banco central nipónico poderá injectar entre 17,5 e 26,3 mil milhões de euros, um montante cerca de duas a três vezes superior ao normal, noticia a Reuters. O montante da injecção será decidido durante a reunião de política monetária do Banco do Japão. É esperado o banco central nipónico mantenha os juros no país perto de zero.

MRA Alliance/Reuters

Wikileaks faz primeira baixa na administração de Obama

segunda-feira, março 14th, 2011

Philip J. CrowleyO porta-voz do Departamento de Estado demitiu-se hoje após azedas críticas ao Pentágono relativamente à forma como trata as questões relacionadas com os documentos “secretos” ou “confidenciais” divulgados por acção do site Wikileaks.

“Ridículo, contraproducente e estúpido”, foram os termos usados pelo porta-voz do Departamento de Estado, Philip J. Crowley, que criticou publicamente o Pentágono, na passada sexta-feira, pelas condições da detenção do soldado Bradley Manning, acusado de passar ao site WikiLeaks milhares de mensagens diplomáticas e documentos militares confidenciais. Crowly não resistiu ao impacto das suas críticas e hoje, dois dias depois, apresentou a renúncia ao cargo. Esta é a primeira baixa na administração de Barack Obama causada pelo Wikileaks.

“Considerando o impacto de minhas observações, pelas quais assumo inteira responsabilidade, apresentei a minha demissão ao cargo de porta-voz do Departamento de Estado”, anunciou Philip Crowley num comunicado divulgado pelo Governo americano.

No dia 2 de Março, recorde-se, o soldado americano Bradley Manning foi preso por ter fornecido ao site Wikileaks milhares de documentos confidenciais. Aos 23 anos, o soldado foi acusado de 22 crimes, entre os quais “conluio com o inimigo”, e poderá vir a ser condenado à prisão perpétua.

MRA Alliance/Agências

Isabel dos Santos ‘domina’ hipermercados Continente em Angola

domingo, março 13th, 2011

A empresária angolana Isabel dos Santos deverá ser a accionista maioritária na rede de hipermercados da Sonae em Angola, cujo arranque deverá ser anunciado nas próximas semanas, apurou o semanário SOL.A entrada no mercado angolano do grupo português liderado por Paulo Azevedo vai ser realizada através da marca Continente, apesar de a hipótese de criar supermercados de raiz ou adquirir insígnias locais existentes também estar em cima da mesa. Paulo Azevedo também já manifestou interesse em criar uma espécie de ‘Clube de Produtores’ em Angola, à imagem do que acontece em Portugal.

O modelo de investimento era o único ‘entrave’ nas negociações da Sonae DC – subsidiária para o retalho do grupo – com Isabel dos Santos, que se ‘arrastam’ há mais de um ano. Contactada pelo SOL, fonte oficial da Sonae recusou fazer comentários.

A parceria da empresária com a Sonae reforçar a presença ou ligação da filha do presidente de Angola a empresas portuguesas. Desde Março de 2009 que Isabel dos Santos detém uma participação de 9,7% no BPI, através da sociedade Santoro. A empresária angolana é ainda dona de 10% da Zon Multimédia, através da Kento. A joint venture entre a operadora portuguesa liderada por Rodrigo Costa e Isabel dos Santos, estabelecida em Fevereiro do ano passado, deu lugar, entretanto, a um projecto de televisão por satélite em Angola (Zap), onde detém 70%.

MRA Alliance

Catástrofe no Japão põe em causa política nuclear da Alemanha

domingo, março 13th, 2011

Cadeia humana entre Estugarda e a central atómica de NeckarwestheimA catástrofe nuclear no Japão colocou a política nuclear alemã no centro das atenções da campanha eleitoral para as estaduais em Baden-Wuerttemberg, dentro de duas semanas, onde a chanceler Angela Merkel pode jogar o seu futuro político. Perante o que está a acontecer no Japão, um país altamente industrializado que apostou nas centrais atómicas, e luta agora desesperadamente contra uma calamidade de enormes dimensões, a oposição social democrata, ambientalista e esquerdista na Alemanha voltou a exigir ao governo de centro direita uma rápida renúncia à energia nuclear.Em Outubro, democratas cristãos e liberais reviram o compromisso firmado com a indústria nuclear pelo anterior executivo social democrata e anbientalista, prolongando o prazo de funcionamento das 17 centrais atómicas alemãs por mais 12 anos, em média.

No sábado, mais de 50 mil pessoas protestaram em Baden-Wuerttemberg contra a política nuclear do governo central, formando uma cadeia humana de mais de 40 quilómetros entre o centro de Estugarda, a capital estadual, e a central atómica de Neckarwestheim.

Ao fim do dia, Merkel convocou um gabinete de crise para debater a situação, perante a catástrofe nuclear no Japão, anunciando depois que a Alemanha vai «analisar as consequências» para a sua própria política de energia atómica.

Já a indústria nuclear não considerou necessário, até agora, tirar ilações da tragédia japonesa, e a RWE, un dos gigantes energéticos alemães, anunciou que manterá as suas centrais atómicas a funcionar até expirarem os prazos previstos.

O ministro do ambiente, Norbert Roettgen, que negociou os referidos prazos com as energéticas, defendeu agora opinião diferente, afirmando que o que está a acontecer no Japão «é uma ruptura, que põe em dúvida a possibilidade de se dominar a tecnologia nuclear».

O tema ocupará, decerto, o topo da agenda na campanha eleitoral de Baden-Wuerttemberg, um dos estados federados mais prósperos da Alemanha, onde os democratas-cristãos governam há 57 anos consecutivos.

As últimas sondagens, ainda antes da catástrofe no Japão, davam ligeira vantagem ao bloco conservador (democratas cristãos e liberais) sobre a oposição social democrata e ambientalista. No entanto, segundo vários observadores políticos, os dramáticos acontecimentos em Fukushima podem castigar Merkel e inverter a tendência de voto a favor da esquerda, nas duas semanas que faltam até 27 de Março.

MRA Alliance/SOL

Japão: 20 mil desaparecidos em duas cidades após sismo e tsunami

domingo, março 13th, 2011

Devastação em Minamisanriku, JapãoAs autoridades japonesas contabilizam 20 mil desaparecidos em duas cidades após o sismo e o tsunami da passada sexta-feira, avança o jornal japonês Yomiuri. Na cidade de Minamisanriku 10 mil dos 17 mil habitantes estão dados como desaparecidos.

Esta cidade portuária localiza-se na prefeitura mais próxima do epicentro do sismo, localizado no Pacífico, a cerca de 100 quilómetros de Miyagi e a uma profundidade de 24,4 quilómetros. Em Otsuchicho, cidade na prefeitura de Iwate, outras dez mil pessoas estão desaparecidas, incluindo o presidente da câmara local.

Os números oficiais indicam apenas 688 mortos, 642 desaparecidos e 1.570 feridos, mas as estimativas apontam já para um número de mortes superior à dezena de milhar.

MRA Alliance/DD 

Líbia: Rebeldes perdem terreno para tropas fiéis a Kadhafi

domingo, março 13th, 2011

Tropas fiéis a Kadhafi reconquistam BregaOs rebeldes líbios perderam o terreno conquistado nas últimas semanas face ao avanço consistente das forças fiéis a Muammar Kadhafi e tentam desesperadamente manter o domínio da cidade de Brega, a 80 quilómetros de Ajdabiya, principal pólo de comunicação do leste do país. Segundo o porta-voz rebelde Mustafa Geriani, os opositores ainda controlam a cidade, que foi alvo de intensos bombardeios desde há vários dias.

No entanto, a televisão estatal assegura que Brega já está nas mãos das forças de Kadhafi. Segundo os jornalistas que nesse sábado alcançaram o terminal petrolífero de Ras Lanuf, essas forças eram formadas por brigadistas e voluntários partidários ao regime, apoiados com carros de combate, navios e aviões.

O porta-voz rebelde explicou que a frente de combate não se limitava à estrada e se estendia entre 10 e 15 quilómetros. Questionado por vários jornalistas, Geriani atribuiu o rápido avanço das forças de Kadhafi, nos últimos três dias, entre Ben Jawad e Brega, ao forte uso de artilharia e aos bombardeios aéreos e marítimos. “Não estamos a falar de uma guerra clássica, é uma guerra no deserto, é comum que haja avanços e retrocessos”, afirma o porta-voz.

MRA Alliance/Veja

Japão: Risco de explosão num segundo reator nuclear em Fukushima

domingo, março 13th, 2011

Sistema de alerta nuclear decretado em na central japonesa Fukushima-DaiichiO operador da central nuclear do nordeste do Japão revelou que um segundo reator estava a dar sinais de problemas, havendo risco de explosão, avançou hoje a agência noticiosa France Presse. A companhia Tokyo Eletric Power (Tepco) informou tratar-se do reator número três da central

Segundo a agência Kyodo, a dose de radioatividade recebida por um indivíduo no local do sinistro corresponde à que uma pessoa pode absorver no máximo num ano para evitar pôr em perigo a sua saúde.

O sismo de magnitude 8,9 na escala aberta de Richter, que regista a energia libertada pelo abalo telúrico, foi registado na sexta-feira às 14:46 (05:46 em Lisboa) a uma profundidade de 24,4 quilómetros e com epicentro localizado a cerca de 100 quilómetros ao largo da prefeitura de Miyagi, na região nordeste do Japão.

O abalo, fortemente sentido em Tóquio, a cerca de 400 quilómetros do epicentro, deu origem a um tsunami que atingiu a costa japonesa com uma onda de cerca de 10 metros de altura.

 N.º 1, situada a 250 quilómetros a norte de Tóquio. “Todas as funções para manter o nível do líquido de refrigeração estão a falhar”, declarou hoje um porta-voz da empresa.

Segundo a agência Kyodo, a dose de radioatividade recebida por um indivíduo no local do sinistro corresponde à que uma pessoa pode absorver no máximo num ano para evitar pôr em perigo a sua saúde.

O sismo de magnitude 8,9 na escala aberta de Richter, que regista a energia libertada pelo abalo telúrico, foi registado na sexta-feira às 14:46 (05:46 em Lisboa) a uma profundidade de 24,4 quilómetros e com epicentro localizado a cerca de 100 quilómetros ao largo da prefeitura de Miyagi, na região nordeste do Japão.

O abalo, fortemente sentido em Tóquio, a cerca de 400 quilómetros do epicentro, deu origem a um tsunami que atingiu a costa japonesa com uma onda de cerca de 10 metros de altura.

MRA Alliance/Agências 

País à rasca saiu à rua contra os políticos, o Governo e a austeridade

domingo, março 13th, 2011

No facebook, mais de 60 mil disseram que iam à manifestação da geração precária. Na Avenida da Liberdade, em Lisboa, o número foi claramente excedido, com a ajuda de outras gerações e causas. Noutras cidades portuguesas a situação foi idêntica à da capital.

Segundo o semanário SOL, dezenas de milhares de pessoas (ou mesmo 200 mil segundo a organização) desceram este sábado a Avenida da Liberdade, em Lisboa, respondendo assim ao apelo lançado no Facebook por quatro jovens do movimento Geração à Rasca . A luta contra a precariedade laboral dominou os slogans, mas esta esteve longe de ser uma iniciativa só de jovens quinhenteuristas : pessoas de todas as idades juntaram-se ao protesto, com palavras de ordem contra a austeridade, contra o Governo ou os políticos em geral.

«O país precário saiu do armário», «isto assim é uma treta, os recibos para a sarjeta», «chega, basta, de viver à rasca», «submarinos, TGV s, e eu sem nada ao fim do mês» foram algumas das palavras de ordem lançadas pela organização. Entre os manifestantes que empunharam cartazes – e foram muitos – as mensagens eram para todos os gostos: «A dívida não é nossa», «o défice de hoje é o roubo de ontem», «isto não é uma brincadeira de carnaval», «não faço népia, sou político», «Sócrates e Governo corridos a pontapé», «o povo não precisa de partidos», «eles é que vivem acima das nossas possibilidades».

Havia quem apostasse num registo pessoal: «Fernando Santos, 48 anos, Lisboa, desempregado». Ou mais irreverente: «I m too sexy to Helena André». Ou ameaçador: «Quando já não tiveres nada a perder, o que serás capaz de fazer?» T-shirts, máscaras, vassouras, tudo serviu para uma mensagem de crítica à situação do país. Vanda está a meio da avenida, precisamente com uma vassoura na mão: «É para varrer os políticos, tudo o que está mal». À manifestação, vieram três as gerações da família, diz ao SOL: «Estou cá eu, os meus filhos e os meus netos».

Numa iniciativa em que não se viram bandeiras partidárias, a excepção foi para o Partido Nacional Renovador (PNR), de extrema-direita, que desde o início do desfile se colou à primeira fila da manifestação, obrigando os precários a puxar pela voz para abafar as palavras de ordem dos nacionalistas. No desfile viram-se assim, lado a lado, tatuagens de suásticas e cravos vermelhos. Uma imagem da imensa diversidade dos manifestantes, numa iniciativa que chegou ao Rossio de forma pacífica.

Com os quatro organizadores a encabeçar o desfile já no destino final, o grosso da coluna estendia-se ainda pela avenida acima, obrigando a primeira coluna a dar várias voltas à praça. Finalmente, Paula Gil e os colegas subiram para cima de uma camioneta e, com a praça já cheia.

O que veio a seguir reforçou a singularidade do protesto. Em vez de um discurso, os dois jovens organizadores repetiram slogans e cantaram. Um clássico de Zeca Afonso (A formiga no carreiro), com letra ajustada, pondo os manifestantes a fazer coro: «O precário no carreiro andava desanimado/ Saiu à rua, saiu à rua/ para exigir um contrato».

O único texto lido foi o do manifesto pelo fim da precariedade. Entretanto, havia uma pergunta que se repetia: «Então e os Homens da Luta?». Depois, o Rossio entrou em apoteose com a chegada da carrinha aberta que transportava a dupla Jel e Falâncio, que afinal tinha vindo a fechar a manifestação.

Um novo fôlego animou a multidão. Jel entra a gritar «Puxa para cima a tua energia» e o apelo foi respondido. Em várias voltas ao Rossio, a carrinha com a trupe dos Homens da Luta, mais algumas personagens exóticas, e a banda de metais que a acompanhava, fizeram a festa.

Na manifestação estiveram presentes deputados do PCP e do BE – com predomínio da geração mais nova – assim como elementos da JSD.

MRA Alliance�

Japão: Explosão em central nuclear reacende pânico após sismos e tsunami

sábado, março 12th, 2011

Explosão na central nuclear japonesa de Fukushima-DaiichiUma explosão na central nuclear de Fukushima-Daiichi, situada a 250 quilómetros a nordeste de Tóquio, veio agravar este sábado a angústia vivida há mais de 24 horas no Japão. Numa altura em que as autoridades ainda se debatem com a destruição causada pelo sismo de magnitude 8.9 na escala de Richter e pelo consequente tsunami, crescem os receios de um desastre ainda mais devastador.

O último balanço oficial das autoridades japonesas aponta para mais de 700 vítimas mortais confirmadas. Um número que deve aumentar nas próximas horas. No nordeste do país, a administração de Miyagi fez saber que há pelo menos dez mil pessoas dadas como desaparecidas na localidade portuária de Minamisanriku. Este sábado, cerca das 14h00 de Lisboa, ocorreu um novo sismo de magnitude 6.0 em Fukushima. O Governo de Naoto Kan já se referiu ao sismo de magnitude 8.9 registado na sexta-feira como “o mais grave desde a era Meiji [1868-1912]”. O próprio primeiro-ministro fala de “um desastre nacional sem precedentes”.

Imagens difundidas pela estação televisiva japonesa NHK mostraram o colapso da estrutura externa de um dos edifícios do complexo nuclear de Daiichi e uma coluna de fumo branco a elevar-se no horizonte. Pelo menos quatro trabalhadores ficaram feridos, segundo a companhia Tokyo Electric Power (Tepco), que assegura as operações na central.

Pouco depois da explosão, o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, declarou o estado de emergência nas centrais de Daiichi e Daini, denominadas como Fukushima 1 e 2. Foi também alargado o raio de evacuação de localidades adjacentes, de dez para 20 quilómetros. A Agência Japonesa de Segurança Nuclear e Industrial considera pouco provável que a estrutura de revestimento do reator tenha sofrido danos. Ainda assim, não excluiu a possibilidade de um fenómeno de fusão. Isto porque foi detetado césio (metal alcalino) radioativo nas medições efetuadas em torno da central.

Apesar das medidas de exceção entretanto adotadas, as autoridades de Tóquio estão a apelar à calma. Com base nos dados recolhidos pelos técnicos da Tepco, o porta-voz do Governo, Yukio Edano, veio enfatizar que o revestimento de metal do reator não terá sofrido danos críticos. Por outro lado, o responsável assinalou o facto de os índices de radiação na zona terem diminuído depois da explosão. Mas há informações que parecem contradizer a posição oficial do Executivo. A agência Kyodo adiantou que a quantidade de radioatividade recebida no espaço de uma hora por cada uma das pessoas que se encontrassem no local da explosão seria equivalente ao limite anual de segurança.

Na sequência do sismo de sexta-feira, foram encerradas quatro centrais nucleares do Japão. Contudo, falharam os sistemas de refrigeração em vários dos reatores das duas centrais de Fukushima. Sem esses sistemas, a temperatura nos núcleos dos reatores aumenta. Cresce, assim, o risco de colapso das estruturas de revestimento.

Em declarações citadas pela BBC, Walt Patterson, um analista do instituto de investigação Chatham House, de Londres, considerou que é cedo para perceber se a explosão de Fukushima pode vir a produzir os mesmos níveis de contaminação radioativa do desastre de Chernobyl. Todavia, o mesmo perito reconhece nos acontecimentos do Japão sinais semelhantes àqueles que ocorreram em 1989.

MRA Alliance/RTP

Governo húngaro quer introduzir “taxa-hamburger”

sábado, março 12th, 2011

Após a criação dos polémicos impostos sobre os sectores bancário, de telecomunicações, energia e distribuição, o governo húngaro pretende introduzir, agora, uma “taxa-hamburguer”. A notícia é da AFP, citada pelo portal do Sapo.

“Os ministérios examinam os efeitos possíveis da introdução deste imposto”, informou nesta sexta-feira o ministro da Economia György Matolcsy no site do parlamento húngaro.

“Estudos recentes sobre os hábitos alimentares dos húngaros e os seus reflexos na saúde mostram que os problemas relacionados com um grande consumo de gordura e sal aumentaram”, informou o ministro.

“Para reverter o processo, os diferentes ministérios examinam os impostos que poderiam ser introduzidos e quais seriam seus efeitos económicos. Mas os produtos relacionados, os valores e a utilização da receita proveniente destas taxas ainda são desconhecidos”, acrescentou Matolcsy.

O governo húngaro, que deu início a um programa económico severo para reduzir o défice público e a dívida externa, mostrou-se muito criativo no que se refere à introdução de impostos em sectores específicos.

Se a “taxa-hamburguer” for aprovada, as redes de restaurantes fast-food podem recorrer ao argumento de discriminação, já que a cozinha húngara não é conhecida pela sua leveza. O imposto vai atingir qualquer alimento considerado gorduroso ou muito salgado.

MRA Alliance/DE

Economia portuguesa perde 6,5 mil milhões em dois anos

sábado, março 12th, 2011

Pacote adicional de austeridade para 2012 e 2013 vai pesar 3,7% no PIB. Teixeira dos Santos respondeu ontem a uma das habituais críticas da Comissão Europeia e das agências de rating: clarificar o caminho a seguir para cumprir as metas orçamentais que já estão prometidas para os próximos anos.

Trocando as voltas ao que foi hábito em 2010, apresentou antes da reunião de líderes da zona euro um pacote de medidas que promete retirar cerca de 6,5 mil milhões de euros à economia em 2012 e 2013.

O impacto vai sentir-se sobretudo no corte de despesas, mas também fará recurso a aumentos de receita, incluindo novas subidas da carga fiscal. No conjunto dos dois anos, as medidas representam 3,7% do PIB, o equivalente a cerca de 6,5 mil milhões de euros, assumindo a estagnação do PIB nominal projectado para este ano, no Orçamento do Estado. As últimas previsões de crescimento do Governo são já de Julho e antecipavam uma aceleração do crescimento do PIB para 1,1% em 2012 e 1,7% em 2013.

Do lado da despesa, a austeridade – que inclui, por exemplo, cortes nas pensões – implica uma redução equivalente a 2,4% do PIB nos gastos públicos, em dois anos. O esforço será maior em 2012, com um corte de 1,6%, o dobro do previsto para o ano seguinte.

MRA Alliance/DE

Fundo europeu pode usar EUR 440 MM e comprar dívida portuguesa

sábado, março 12th, 2011

Os líderes europeus chegaram ontem a um consenso sobre as novas medidas da Europa para combater a crise, decisões que serão formalizadas no Conselho Europeu de 24 e 25 de Março. A principal medida prevista é aumento da capacidade efectiva do actual Fundo Europeu de Estabilização Financeira para os 440 mil milhões de euros.

Actualmente, o fundo já estava dotado de um capital de 440 mil milhões de euros, mas só podiam ser accionados 250 mil milhões de euros, já que o remanescente tem de ficar cativado para garantir ao Fundo uma notação de ‘rating’ máxima de AAA. Os líderes europeus também acordaram que o Fundo poderia ser usado para comprar dívida dos países em dificuldades, mas apenas no mercado primário.

Portugal deverá ser um dos países beneficiado por esta flexibilização, já que esta semana os juros a 5 e a 10 anos atingiram novos máximos, perto dos 8%.

Em contrapartida desta flexibilização, os países da região foram “obrigados” pela Alemanha a dar luz verde ao novo plano de competitividade para a Europa, que deverá implicar a indexação dos salários à competitividade (e não à inflação como acontece em alguns países) e uma mais estreita ligação entre a idade de reforma e a esperança média de vida. Colocar na legislação nacional um travão à dívida é outra das exigências de Angela Merkel.

Na cimeira de ontem, os líderes europeu também acordaram aliviar os custos da ajuda à Grécia, com um acordo provisório de baixar em 100 pontos base a actual taxa de juro de 5% que os gregos pagam para aceder ao pacote de ajuda europeu. A maturidade dos empréstimos feitos à Grécia também deverá ser aumentada de três para 7,5 anos.

Já em relação à Irlanda, não ocorreu qualquer flexibilização nas condições do empréstimo de 85 mil milhões de euros, já que o primeiro-ministro, Enda Kenny, se recusou a  aumentar a taxa de IRC de 12,5%, um valor muito abaixo da média de 23% dos países da União Europeia. As negociações com o Governo irlandês vão prosseguir para se tentar chegar a um consenso antes da reunião decisiva de 24 e 25 de Março.

MRA Alliance/DE

BCP confirma reforço da Sonangol para 15%

sábado, março 12th, 2011

O BCP informa num comunicado enviado à CMVM que os angolanos controlam actualmente 14,59% do capital do banco. O BCP revela que os angolanos são agora titulares de 685.138.638 acções do banco, representativas de 14,59% do seu capital social.

Os angolanos compraram assim mais 5% do BCP e, segundo fonte próxima da petrolífera, pretendem chegar até aos 20%, limite que os obriga a comunicarem a sua posição ao mercado.

O momento tem sido favorável à compra de acções da instituição, dado que o preço dos títulos continua muito baixo (0,63 euros), pelo que é provável que a Sonangol continue a reforçar a sua posição no banco até à Assembleia-Geral anual, prevista para Maio.

MRA Alliance/DE

Bancos têm de apresentar planos de reorganização em Abril

sábado, março 12th, 2011

O ministro das Finanças revelou hoje que o Banco de Portugal vai avaliar os planos de reorganização dos bancos até final de Maio. Na conferência onde apresentou medidas adicionais de consolidação orçamental, Teixeira dos Santos adiantou que os bancos têm de apresentar até ao final de Abril planos de reorganização com calendários e metas relativos à dimensão e composição do balanço, estrutura de capital e eficiência operacional.

Os planos terão de ser consistentes com o ajustamento macroeconómico e o processo de consolidação orçamental e serão avaliados pelo Banco de Portugal até ao final de Maio. Teixeira dos Santos frisou que o sector financeiro português “resistiu bem” à crise financeira, mas é preciso “colmatar vulnerabilidades” e adiantou que o ministério das Finanças vai encorajar os bancos a reduzir as necessidades de financiamento de “forma sustentada”.

“O intuito será reforçar rapidamente a base de capital dos bancos, sobretudo atendendo à necessidade de desalavancagem e de recuperação do acesso aos mercados”, explica o Governo no documento com a apresentação das novas medidas de austeridade.

MRA Alliance/DE

As novas medidas de austeridade em 2012 e 2013

sábado, março 12th, 2011

O ministro das Finanças apresentou hoje novas medidas de austeridade para reforçar os esforços de consolidação orçamental de Portugal.

Redução da despesa: 2,4% do PIB (1,6% em 2012 e 0,8% em 2013)

– Congelamento do Indexante de Apoios sociais e suspensão da aplicação das regras de indexação de pensões, o que na prática se traduz num congelamento das pensões;

– Contribuição especial aplicável a todas as pensões (com impactos semelhantes à redução dos salários da Administração Pública), o que se traduz num corte das pensões acima dos 1.500 euros;

– Redução de custos com medicamentos e sub-sistemas públicos de saúde, aprofundamento da racionalização da rede escolar, aumento da eficiência no aprovisionamento e outras medidas de controlo de custos operacionais na Administração Pública;

– Redução da despesa com benefícios sociais de natureza não contributiva;

– Redução de custos no Sector Empresarial do Estado e Serviços e Fundos Autónomos: revisão das indemnizações compensatórias, dos planos de investimento e custos operacionais;

– Redução de transferências para autarquias e regiões autónomas;

– Redução da despesa de capital

Medidas de aumento da receita: 1,3% do PIB (0,9% em 2012 e 0,4% em 2013)

– Revisão e limitação dos benefícios e deduções fiscais, designadamente em sede de IRS e IRC, o que na prática se irá traduzir num aumento destes impostos em 2011 e 2013;

– Racionalização da estrutura de taxas do IVA;

– Actualização dos impostos específicos sobre o consumo;

– Conclusão da convergência no regime de IRS de pensões e rendimentos do trabalho, o que na prática se traduzirá num novo aumento do IRS para os pensionistas;

– Combate à informalidade e evasão fiscal: controlo de facturas e cruzamento de declarações de volume de negócios com pagamentos automáticos

Com estas medidas, o impacto estimado das medidas adicionais de consolidação em 2012 e 2013 é de 3,7% do PIB (2,4% via despesa e 1 3% via receita).

MRA Alliance/DE

Comissão Europeia e BCE terão descoberto buraco nas contas públicas portuguesas

sábado, março 12th, 2011

O jornal alemão Financial Times Deutschland (FTD) noticia hoje que a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) descobriram um buraco de financiamento nas contas públicas portuguesas durante a deslocação efectuada a Lisboa há duas semanas.

O FTD não entra em detalhes, mas a ser verdade, o primeiro ministro José Sócrates, será hoje submetido a uma pressão reforçada dos restantes líderes dos países da zona euro, durante a cimeira que decorre em Bruxelas, para anunciar novas medidas de austeridade de modo a restaurar a confiança dos mercados financeiros.

O que acontece é que, face às medidas tomadas e às expectativas que a Comissão tem de andamento da economia e das receitas que o Governo pode obter com o quadro orçamental que encontraram, os técnicos que vieram a Lisboa encontraram uma discrepância face ao que seria expectável.

O Governo garantiu, no entanto, que não há qualquer buraco e que as contas públicas portuguesas são totalmente transparentes. A haver diferenças, diz, terão a ver com o quadro macro-económico subjacente às previsões de receitas e despesas, porque a Comissão Europeia e o BCE têm previsões para o crescimento da economia menos favoráveis que o Governo.

Sócrates disse ontem na Assembleia da República que o Governo “tudo fará para pôr rapidamente as contas públicas em ordem” e que vai assumir o compromisso junto dos parceiros do euro de assegurar “uma consolidação orçamental sem falhas” até 2013. Já hoje de manhã, o ministro das finanças anunciou medidas de austeridade adicionais que visam garantir um impacto positivo no défice deste ano da ordem dos 0,8 por cento do PIB.

MRA Alliance/Público

Merkel não aprovará fundo de socorro enquanto houver questões “em suspenso”

sábado, março 12th, 2011

Angela MerkelOs dezassete da União Europeia deverão hoje aprovar o chamado “Pacto pelo euro”. Mas, antes do encontro desta tarde, Angela Merkel deixou um aviso: Berlim não aprovará o fundo de socorro permanente se algumas “questões continuarem em suspenso”.

Os chefes de Estado e de Governo dos 17 países da zona euro estão neste momento a reunir em Bruxelas numa cimeira extraordinária onde se joga a resposta do eurogrupo à crise da dívida soberana europeia e o futuro do funcionamento do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), cuja flexibilização das normas de financiamento deverá ter hoje um acordo de princípio para ser confirmado na reunião dos vinte e sete, dentro de duas semanas.

A chanceler alemã, Angela Merkel, admite suavizar as condições do fundo de resgate do euro, embora não tenha dado garantias absolutas sobre isso. Berlim exigem maiores compromissos financeiros aos países do eurogrupo, tanto mais quando a versão do “Pacto pelo euro” em discussão hoje é já uma versão mais equilibrada da proposta inicial alemã e francesa.

“Penso que devemos, hoje, pôr-nos de acordo sobre as grandes linhas do ‘Pacto pelo euro’ e que devemos também dar sinais sobre a forma como se poderá acertar um pacote global [de medidas] no fim do mês”, disse à chegada a Bruxelas o presidente do eurogrupo, Jean-Claude Juncker.

Em linha com esta posição, o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, já enviara uma carta aos responsáveis dos países da zona euro para alcançarem “um princípio de acordo” para formalizar a 24 e 25 de Março.

MRA Alliance/Público

Ministra da Economia espanhola critica decisão da Moody’s que aumenta risco da dívida soberana

quinta-feira, março 10th, 2011

Elena SalgadoA ministra da Economia espanhola, Elena Salgado, revelou estar em “desacordo” com a decisão da Moody’s em reduzir o ‘rating’ da dívida pública espanhola. A governante defendeu que a agência deveria ter aguardado “algumas horas”, afirmou em declaração aos jornalistas.

Para Elena Salgado, a decisão da agência de notação baseou-se apenas nas necessidades de capital do sector financeiro espanhol e foi dada a conhecer horas antes do Banco de Espanha ter divulgado esses valores relativos a cada entidade do país.

MRA Alliance/Agências