Archive for maio, 2010

China declara apoio ao acordo nuclear com o Irão

terça-feira, maio 18th, 2010

A China anunciou hoje o seu apoio ao acordo nuclear anunciado na véspera entre o Irão, o Brasil e a Turquia, em contraste com o cepticismo manifestado pelas principais potências ocidentais. A China, um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, ao lado dos Estados Unidos, da França, da Rússia e da Grã-Bretanha, é vista como uma das peças-chave para uma eventual aprovação de novas sanções internacionais contra o Irão, como defende o governo americano. O Brasil desempenhou o papel de mediador.

Pelo acordo de segunda-feira, anunciado durante visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Teerão,  está prevista a troca na Turquia de 1.200 quilos de urânio levemente enriquecido (3,5%) iraniano por 120 quilos de combustível enriquecido a 20%, fornecido pelas grandes potências e destinado ao reactor de pesquisa nuclear de Teerão. Eventualmente, o acordo poderá evitar que o Irão desenvolva a tecnologia de enriquecimento de urânio susceptível de permitir ao país fabricar futuramente armas nucleares.

Porém, o entendimento tripartido foi visto com cepticismo por alguns países ocidentais, que acusam Teerão de apenas tentar ganhar tempo e evitar a adopção de novas sanções da comunidade internacional.

MRA Alliance/Agências

Portugal é o sexto país da Europa a aprovar o casamento gay

terça-feira, maio 18th, 2010

O presidente Aníbal Cavaco Silva, apesar de pessoalmente se opor ao diploma, promulgou a lei que autoriza o casamento entre homosexuais para evitar que ela se arrastasse no parlamento numa altura em que o país atravessa uma profunda crise económica, financeira e de valores éticos e morais.

Portugal é agora o sexto país da Europa  que permite o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo. Antes, legislação idêntica já fora aprovada na Bélgica, na Holanda, na Espanha, na Suécia e na Noruega.

Ao anunciar que ratificou a lei, Cavaco Silva deixou claro que agiu contra suas “convicções pessoais” e adiantou não ter exercido o poder de veto para não prolongar a disputa no parlamento num momento em que o país atravessa uma grave crise. Segundo o chefe de Estado, o governo tem como prioridade o combate à crise, não devendo perder tempo com querelas políticas ou ideológicas.

A decisão acontece três dias depois da visita do papa Bento XVI a Portugal. Em Fátima, o Sumo Pontífice fez um discurso classificando o casamento entre homossexuais e o aborto como algumas das ameaças mais traiçoeiras e perigosas que ameaçam o mundo.

MRA Alliance/Agências

Portugal com a 3ª taxa de inflação mais baixa da zona euro

terça-feira, maio 18th, 2010

A inflação anualizada na Zona Euro chegou nos 1,5 por cento no passado mês de Abril, mais uma décima do que em Março. Portugal atingiu a terceira taxa mais baixa, de acordo com dados divulgados esta terça-feira pelo Eurostat. Assim, em Abril de 2009 a inflação anualizada foi de 0,6%, enquanto a inflação mensal se situou nos 0,5% em Abril deste ano.

No conjunto da UE, a taxa de inflação anual foi de 2% em Abril, face aos 1,9% observados em Março (1,3% em Abril de 2009), avança ainda o gabinete de estatística da União Europeia (UE). Em Portugal, a inflação anualizada tocou 0,7% (tal como na Eslováquia) sendo a terceira mais baixa entre os países do euro, depois da Irlanda (-2,5%) e da Holanda (0,6%). As taxas mais elevadas entre os países da zona euro registaram-se na Grécia (4,7%), Luxemburgo (3,1%) e Eslovénia (2,7%).

MRA Alliance/Agências 

Portugal entra com 409 milhões de euros no primeiro empréstimo à Grécia

terça-feira, maio 18th, 2010

A Grécia recebeu hoje a primeira tranche do empréstimo de emergência concedido pelos seus parceiros europeus, no valor de 14,5 mil milhões de euros. Portugal participou com 409 milhões de euros, a sétima contribuição mais elevada entre os países do euro. O porta-voz da União Europeia anunciou esta manhã que a primeira tranche do empréstimo de emergência, no valor de 14,5 mil milhões de euros, tinha já seguido para Atenas, sendo que o Governo helénico já acusou a recepção.

Foi também já disponibilizada a tabela dos países que mais contribuíram, sendo que Portugal emprestou um total de 409.274.004,99 euros, de acordo com a Bloomberg. Trata-se de 2,8% do total concedido, o sétimo peso mais elevado entre os 10 países da Zona Euro que participaram neste primeiro empréstimo.

No total, Portugal comprometeu-se a emprestar cerca de 2 mil milhões de euros à Grécia nos próximos três anos, no âmbito do pacote de 80 mil milhões de euros que os países do euro aceitaram emprestar à Grécia para evitar a bancarrota do país. O FMI entrará com os restantes 30 mil milhões.

MRA Alliance/Agências

Bruxelas discute aprovação prévia dos orçamentos nacionais

terça-feira, maio 18th, 2010

Os ministros das Finanças da Zona Euro aceitaram discutir uma iniciativa controversa da Comissão Europeia para submeterem, a partir de 2011, os seus projetos de orçamento a um exame prévio europeu, antes mesmo de chegarem aos parlamentos nacionais. Esta proposta, apresentada na semana passada pela Comissão Europeia, foi considerada “virtuosa” pelo presidente do Eurogrupo, que junta os 16 ministros das Finanças dos Estados da Zona Euro.

“Pensamos todos que as propostas da Comissão (…) vão na boa direção”, nomeadamente a que sugere o exame prévio dos projetos de orçamento nacionais, para reforçar a disciplina orçamental comum, disse Jean-Claude Juncker, que falava à imprensa no final da reunião do Eurogrupo, na noite de segunda feira. “Não se trata de questionar o poder orçamental [dos parlamentos], mas queremos que os ministros [das Finanças da Zona Euro] discutam entre si” os diferentes projetos de orçamento, adiantou Juncker.

“Queremos que os parlamentares nacionais decidam com conhecimento de causa”, sabendo quais serão as implicações das suas decisões para os outros países, disse ainda o presidente do Eurogrupo. “A Comissão não será a mestre escola das políticas orçamentais dos Estados membros, mas os Estados membros da Zona Euro submeter-se-ão a um exame controverso, contraditório” dos outros países europeus e da Comissão, realçou.

Esta proposta, que pretende evitar derivas como a ocorrida na Grécia, que originou a crise de confiança que abala atualmente o euro, já suscitou críticas na Europa.

MRA Alliance/ionline

Sócrates apoia Lula para secretário-geral da ONU

domingo, maio 16th, 2010

O primeiro-ministro português disse, este domingo, em entrevista ao jornal “Folha de São Paulo” que apoiaria uma eventual candidatura do actual presidente brasileiro Lula da Silva ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas (ONU).

«Estaria na primeira fila desse apoio», disse José Sócrates, citado pelo Diário Económico. «O presidente Lula é uma grande figura da política mundial. Não sou apenas seu admirador e seu amigo, como tenho certeza de que ele é jovem demais para se retirar da política. Tenho certeza de que ele desempenharia muito bem qualquer cargo internacional», adiantou o chefe de Governo.

José Sócrates admitiu, ainda, que «cada vez que o Brasil sobe de posição no concerto das nações, no quadro internacional, Portugal vai atrás».

MRA Alliance/Agências 

Dívida: Risco Portugal no ‘top 5’ dos que mais sobem

sábado, maio 15th, 2010

O preço de fazer um seguro contra o eventual incumprimento de Portugal é dos que mais avança em todo o mundo. Os CDS (Credit Default Swaps) sobre obrigações portuguesas a cinco anos estão a avançar 13,3 pontos para negociar nos 213,33 mil euros. A liderar as subidas mundiais está o risco da Grécia. Os CDS sobre obrigações gregas a cinco anos  dispararam 31 pontos para 566,67 mil euros.

A subida portuguesa é a quarta mais expressiva em todo o mundo, um sinal de que os investidores continuam preocupados com as contas públicas de Portugal, mesmo depois de o Governo Sócrates ter apresentado ontem um conjunto de novas medidas de austeridade para reduzir o défice até aos 4,6% em 2011. Também o prémio que os investidores exigem para comprarem dívida pública portuguesa em vez das ‘bund’ alemãs, a referência para o mercado, se está a agravar. O ‘spread’ subiram para os 180,1 pontos base face aos 162,8 pontos registados ontem.

Os investidores receiam que as medidas avançadas pelos Governos para reduzir o défice dos países europeus comprometam a retoma da zona euro e afectem a economia mundial.

MRA Alliance/DE

Austeridade: Aumento de impostos mais gravoso do que o anunciado

sexta-feira, maio 14th, 2010

Mais portugueses serão afectados pelo imposto extraordinário de IRS além dos que o Governo começou por anunciar. O Ministério das Finanças não quis comentar essa questão.

Na versão ventilada anteontem, só os rendimentos acima de cinco salários mínimos nacionais – 2375 euros – sofreriam um corte mensal de 1,5 por cento do seu rendimento bruto. Abaixo dos 2375 euros e até um SMN (475 euros em 2010), o corte seria de 1 por cento. Mas ontem, o Governo anunciou outros limiares, mais rigorosos.

O limiar de agravamento para 1,5 por cento passou a ser o 3º escalão do IRS, ou seja, 1285 euros mensais. Ora, de acordo com as estatísticas de IRS mais recentes (2006), a alteração passou a abranger possivelmente mais 200 mil agregados familiares.

Os agregados familiares acima do 3º escalão representavam cerca de 15 por cento dos contribuintes, mas pagavam quase quatro quintos da receita de IRS. Já entre o salário mínimo nacional – rendimento abaixo do qual não se será tributado – e o terceiro escalão do IRS estavam 25 por cento dos contribuintes, mas apenas 20 por cento da receita. De fora ficariam mais de metade dos contribuintes que pouco contribuiam para a receita do IRS.

Ou seja, os aumentos de IRS vão incidir sobre 40 por cento dos contribuintes, mas o aumento da 1,5 pontos percentuais no IRS incidirá sobre 80 por cento da receita.

Os cortes vão começar a ser sentidos logo que o Parlamento aprove os aumentos extraordinários e que as novas tabelas de retenção na fonte sejam publicadas no jornal oficial. O Governo espera aplicá-las em Julho e prolongar-se-ão até ao final de 2011.

MRA Alliance/Público

Juíz Garzón suspenso da Audiência Nacional

sexta-feira, maio 14th, 2010

Emocionado, com os olhos em lágrimas, Baltasar Garzón abandonou ao fim da manhã a Audiência Nacional após ter sido suspenso de funções ao estar pendente o seu julgamento por ter assumido competências que não tinha na investigação dos crimes do franquismo.

À saída do edifício, Garzón despediu-se com abraços de cada um dos 30 funcionários do 5º Juízo, e foi acompanhado pelos juizes Santiago Pedraz e Fernando Andreu e a procuradora antiterrorista Dolores Delgado.

“Torquemada vive”: numa folha A4, um dos funcionários de Baltasar Garzón lavrava o seu protesto. Uma referência a Tomás Torquemada, redactor do edito de Granada que em 1492 ordenou a proscrição dos judeus. “Garzón amigo, o povo está contigo” e “Garzón, Garzón” foram os gritos de dezenas de populares à saída do juiz. Este saudou-os de longe e entrou no carro oficial. Já sentado no veículo, começou a chorar.

Meia hora antes deste adeus emotivo, Baltasar Garzón foi informado da suspensão do Conselho Geral do Poder Judicial (CGPJ), o órgão de governo dos juízes de Espanha. Uma decisão por unanimidade, em cumprimento da lei orgânica do poder judicial segundo a qual um juiz à espera de julgamento tem de abandonar funções. A suspensão durará até à sentença.

As reacções foram díspares. As três associações de juízes consideram que a lei foi cumprida.

MRA Alliance/Público

Países ricos com dívidas colossais em 2015

sexta-feira, maio 14th, 2010

O FMI apelou hoje aos países para reduzirem os seus défices, considerando que a crise orçamental na Europa não pode ser ignorada. De acordo com as estimativas do FMI, a dívida pública dos países desenvolvidos vai atingir 110% do PIB em 2015, o que compara com os 73% de 2007.

Nos países do G7 o endividamento vai mesmo atingir o nível mais elevado desde a II Guerra Mundial.“Os responsáveis políticos têm que a assegurar que as preocupações com a solvência dos Estados não seja a causa de uma nova perda de confiança”, refere o FMI, sublinhando que “os recentes desenvolvimentos na Europa são a prova de que este risco não pode ser ignorado”. Apesar dos alertas, o FMI salienta que as estimativas hoje divulgadas não têm ainda em conta as medidas de austeridade apresentadas esta semana por Espanha e Portugal, considerando que estes dois países estão a ir na “direcção certa” e que “estão a dar passos importantes para reduzirem os seus défices”.

As estimativas do FMI apontam para que o défice orçamental conjunto dos países desenvolvidos baixe este ano em 0,4 pontos percentuais, para 8,4% do PIB. Irlanda, Reino Unido e Estados Unidos vão apresentar os desequilíbrios mais elevados.

MRA Alliance/DE

Crise: “Tensão social é inevitável mas não prevejo violência”, diz Teixeira dos Santos

quarta-feira, maio 12th, 2010

Teixeira dos Santos - Ministro das FinançasNuma entrevista telefónica à Bloomberg, sinal da preocupação do Governo em falar para consumo interno, Teixeira dos Santos antecipou hoje a reacção dos portugueses às novas medidas de contenção, adianta a edição online do Diário Económico. “Não prevejo episódios de violência como testemunhamos na Grécia. Teremos tensão social, temos de enfrentá-la, mas temos mesmo de avançar com este pacote”, disse o ministro das Finanças.

O governante reafirmou que o Executivo vai “anunciar em breve essas medidas para reduzir os custos e aumentar as receitas”. “Estamos a finalizar acordos com o principal partido da oposição para termos apoio político para as pôr em prática”, disse. “Os portugueses não vão gostar deste tipo de medidas que são impopulares, mas não há razões para esperar episódios de violência “, antecipou, referindo-se às manifestações em Atenas que fizeram três vítimas mortais e pelo menos 40 feridos.

O ministro das Finanças também afirmou que se a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) não tivessem aprovado o megafundo de ajuda aos países da zona euro, no valor total de 750 mil milhões de euros, “atravessaríamos um momento muito difícil nos mercados de dívida”.“Esta manhã fizemos uma emissão de obrigações em melhores condições do que em Fevereiro”, disse, acrescentando que “os mercados estão a aceitar a dívida portuguesa em melhores condições do que há três meses” e que isso “é um sinal positivo”.Portugal colocou hoje no mercado mil milhões de euros em obrigações do Tesouro com maturidade a 10 anos. A procura quase duplicou a oferta.

MRA Alliance/DE

Zapatero corta salários públicos e congela pensões

quarta-feira, maio 12th, 2010

O governo socialista espanhol anunciou medidas para redução do défice público, as quais passam pela descida de 5%, em média, nos salários públicos já este ano e o congelamento das pensões de reforma em 2011. As medidas avançadas perante o congresso, pelo chefe de governo Jose Luis Rodriguez Zapatero, correspondem a um «esforço extraordinário» para reduzir o desequilíbrio das finanças públicas espanholas à luz do compromisso assumido em Bruxelas.

Além de prever um corte de 15% nos salários dos membros do Governo já este ano e também o congelamento dos salários do sector público em 2011, Zapatero decidiu acabar com o designado «cheque bebé» (2.500 euros) a partir de Janeiro do próximo ano. De acordo com o compromisso anunciado, o Executivo espanhol pretende conseguir uma redução adicional do défice em 1,5 pontos do PIB em 2010 e 2011, visando fechar o próximo exercício com o défice nos 6,1% do PIB.

MRA Alliance/Agências

Conservador Cameron nomeado primeiro-ministro britânico

quarta-feira, maio 12th, 2010

David Cameron - Novo primeiro-ministro britânicoDavid Cameron foi hoje, terça-feira, convidado pela rainha Isabel II a formar governo e tornou-se oficialmente o primeiro-ministro britânico. Esta tarde, Gordon Brown, o anterior primeiro-ministro, apresentara a demissão à rainha de Inglaterra. Brown referiu ainda que abandonará imediatamente o cargo de líder do Partido Trabalhista.

O líder dos democratas liberais, Nick Clegg, vai ser o número dois do Governo Cameron, segundo a BBC, mas as pastas das Finanças e dos Negócios Estrangeiros serão atribuídas a dirigentes conservadores. De acordo com as informações avançadas, o ministro das Finanças será George Osborne, que foi responsável por esta área no partido conservador nos últimos anos. O antigo líder dos Tories William Hague terá, por sua vez, a responsabilidade pelos Negócios Estrangeiros.

Segundo a BBC, os termos da coligação entre os dois partidos está finalizada e será agora submetida ao voto do grupo parlamentar e do comité executivo dos democratas liberais.

Os estatutos do partido determinam a necessidade de uma maioria de 75 por cento destes dois órgãos antes de tomar uma decisão que “afete a independência de ação política”.

Embora os pormenores do acordo ainda não tenham sido revelados, o jornal The Guardian avançou que os democratas liberais, que foram o terceiro partido mais votado nas eleições de quinta feira, terão até cinco lugares num futuro governo de coligação.

MRA Alliance/JN

Dívida: Moody´s ameaça voltar a descer rating de Portugal

terça-feira, maio 11th, 2010

A agência de notação financeira Moody´s emitiu ontem uma nota em que avisa, pela segunda vez em menos de 10 dias, de que poderá baixar o rating da dívida soberana de Portugal e da Grécia, segundo a edição de hoje do jornal madrileno El País. A descida «provável» da classificação das dívidas portuguesa e grega pode acontecer nas próximas «quatro semanas», refere a nota. No caso de Portugal, o rating poderá descer um nível, de “Aa2”, para “Aa3”. Já para a Grécia, a classificação poderá cair de A3 para Baa. Em contrapartida, quanto à Espanha, Itália e Irlanda, a agência norte-americana disse não ter planos para rever os ratings em baixa num futuro próximo.

No entanto, para Portugal, a Moody´s não descarta uma descida de dois nós, dependendo do alcance de medidas fiscais mais rigorosas, por um lado, e por outro das perspectivas de crescimento anémico e das condições de financiamento da economia. No fundo, as considerações constantes do presente aviso da Moody´s, divulgado um dia depois do anúncio do plano de emergência para estabilização da Zona Euro, não são muito diferentes de uma notação anterior, emitida no passado dia 5 de Maio, na qual a perspectiva para Portugal foi “negativa”.

MRA Alliance/Agências

Telecomunicações ibéricas em pé de guerra com ataque da Telefónica a activos estratégicos da PT

terça-feira, maio 11th, 2010

A oferta da Telefónica, para alem de querer controlar a maioria da participação da Portugal Telecom na Vivo, pretende também os 11,1% de acções ordinárias que não são detidas pela “holding” controlada pelas duas empresas, o que eleva a oferta a 6,3 mil milhões de euros. A oferta da Telefónica incide sobre os 50% do capital da Brasilcel detidos pela Portugal Telecom, pelos quais oferece 5,7 mil milhões de euros. Os outros 50% pertencem à empresa espanhola. É esta “holding” que lhes permite controlar 59,4% da Vivo.

No comunicado divulgado através da CNMV, o supervisor do mercado de capitais espanhol, pode ler-se que a oferta da Telefónica é mais ambiciosa pois também incide sobre os 11,1% de acções ordinárias da Vivo Participações não detidas pela Brasilcel, equivalentes a 3,8% do capital social da operadora móvel brasileira. Por mais esta fatia que está dispersa por outros investidores, e que lhe daria ao todo 63,2% do capital da Vivo, a Telefónica oferece 600 milhões de euros, elevando para 6,3 mil milhões o montante total a ser dispendido pela empresa espanhola.

Entretanto, hoje, a Telefónica informou ter ficado “desapontada” com o facto de a PT ter rejeitado a proposta de controlo espanhol da Brasicel/Vivo. “Estamos desapontados com a resposta inicial da PT”, disse a porta-voz da Telefónica, Marisa Navas, em declarações à Bloomberg. “Esta é uma oferta muito positiva para os accionistas da Vivo, a PT e a Telefónica”, acrescentou.

A operadora portuguesa informou ontem, à CMVM, que “recebeu da Telefónica uma oferta não solicitada, vinculativa e incondicional para a aquisição da sua participação de 50% da Brasilcel, sociedade detentora do controlo da Vivo, por um valor de 5,7 mil milhões de euros”. A proposta, que é válida até 6 de Junho, foi “rejeitada por unanimidade” pelo Conselho de Administração da PT que justifica a decisão com o argumento de que a “Vivo é um activo essencial para a estratégia da PT e a venda dessa participação iria contra as perspectivas de crescimento a longo prazo da PT”.

 Numa nota de “research” divulgada hoje, onde faz a avaliação ao impacto desta notícia nos mercados, os analistas do banco suíço UBS avançam com quatro cenários que poderão ocorrer depois da PT ter recusado o negócio. O primeiro deles passa por a Telefónica oferecer um preço mais elevado pela posição que a PT controla na Vivo e o segundo representaria as duas empresas continuarem parceiras, procedendo à fusão entre a Vivo, controlada em partes iguais pela PT e Telefónica, e a Telesp, operadora fixa da empresa espanhola.

O terceiro cenário, segundo o UBS, passa por a Telefónica avançar com uma oferta pela totalidade do capital da Portugal Telecom e o último, que a casa de investimento considera ser “pouco provável”, permanecer tudo como está.

Tendo em conta qualquer destes cenários, o UBS conclui que o próximo passo deverá passar pela integração das operadoras que a Telefónica detém no Brasil, com a empresa espanhola a juntar a Vivo e a Telesp, criando assim um grupo de telecomunicações semelhante com os outros dois que disputam o mercado brasileiro, uma vez que detêm operações fixas e móveis em simultâneo.

O UBS analisou também os números implícitos no negócio, concluindo que representa um prémio de cerca de 138% para a actual avaliação da Vivo no mercado.  Por outro lado, avalia a Portugal Telecom em 9 mil milhões de euros, o que representa um prémio de 30% face à actual capitalização bolsista.

MRA Alliance/Agências

Teixeira dos Santos admite aumentar impostos

segunda-feira, maio 10th, 2010

O ministro das Finanças português admitiu hoje, em Bruxelas, a possibilidade de aumentar os impostos para assegurar o aumento da rapidez da trajectória de redução do défice orçamental nos próximos anos e Portugal ganhar a confiança dos mercados financeiros. “Se tiver que ser feito reforço acrescido da consolidação orçamental, se tiver de haver aumento de impostos, teremos de recorrer a soluções dessa natureza, sendo elas necessárias”, disse Fernando Teixeira dos Santos no final de uma reunião dos ministros das Finanças da União Europeia.

O ministro das Finanças também anunciou um reforço das medidas de consolidação orçamental que permita uma redução de 1,5 pontos percentuais do défice previsto para 2011. “Em 2011 iremos prosseguir com esse esforço adicional de consolidação, em 2011 com mais 1,5 pontos percentuais do PIB relativamente ao que estava previsto”, disse.

O Governo já tinha decidido um diminuir em 1,0 ponto percentual o défice previsto para 2010, de 8,3 por cento do PIB para 7,3. A declaração de hoje significa que o desequilíbrio das contas de estado previsto para 2011 de 6,6 por cento do PIB passa para 5,1.

MRA Alliance/DN

Alemanha: Angela Merkel sofre “descalabro” em eleições regionais

segunda-feira, maio 10th, 2010

As eleições da Renânia Norte-Vestefália fizeram perder ao partido democrata-cristão da chanceler Angela Merkel (CDU) o decisivo governo regional de Düsseldorf. Embora a vítima directa da derrota seja Jürgen Rüttgers, o dirigente local da CDU, a imprensa alemã não poupa hoje a chanceler e mesmo correligionários democratas-cristãos reclamam agora a sua demissão.

Em número absoluto de votos, a CDU manteve sobre o seu mais directo concorrente, o partido social-democrata SPD, uma vantagem tangencial: 34,6% dos votos contra 34,5%. No entanto, esse empate técnico ou essa vantagem tangencial são magra consolação para a CDU que perde 10% dos votos, tal como é uma magra consolação que o SPD também tenha descido (em 3%, neste caso).

Pior ainda, a CDU perde a chefia do governo. Isto porque, em número de mandatos, a vantagem de uma décima percentual não tem qualquer tradução. Ambos, CDU e SPD, se encontram agora empatados, com 67 assentos cada, no parlamento regional.

O tradicional parceiro de coligação no governo de Düsseldorf, o partido liberal FDP, registou por seu lado uma subida demasiado insignificante (de 6,2 para 6,7%) para compensar o tombo da CDU. Desse modo, ganhou apenas um assento no parlamento regional, passando de 12 para 13.

Neste quadro ficam a existir apenas duas coligações possíveis: ou a “grande coligação” (CDU e SPD); ou a coligação de esquerda (SPD, Verdes e Partido da Esquerda, os ex-comunistas).

MRA Alliance/RTP

FMI desmente negociação de créditos com Portugal e Espanha e reduz-se pressão sobre juros da dívida

segunda-feira, maio 10th, 2010

O «número dois» do Fundo Monetário Internacional (FMI), John Lipsky, reiterou hoje que a entidade não está a manter conversações com Espanha e Portugal para conceder-lhes créditos, contrariando os rumores que correram esta semana nos mercados. «Não temos negociações [quanto a um programa de créditos] com Portugal ou com Espanha», declarou Lipsky numa conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho Executivo do FMI que aprovou um plano de ajuda à Grécia. O economista norte-americano disse que «ficou claro», pelo movimento nas bolsas esta semana, que «há um stress nos mercados financeiros que vai além da Grécia».

Entretanto, os juros das Obrigações do Tesouro (OT) portuguesas a 10 anos estão a descer significativamente esta segunda-feira, em consequência do pacote de emergência aprovado no fim de semana pelos ministros das Finanças da UE27 (Ecofin) visando blindar os ataques ao euro. Depois dos máximos de 13 anos, acima dos 6%, alcançados na semana passada, a yield da dívida portuguesa (que corresponde à rentabilidade das bonds a 10 anos) descia 125 pontos base, para 5,160%, cerca de uma hora e meia depois da abertura dos mercados bolsistas na Europa. Em linha com o comportamento das obrigações portuguesas, a generalidade das bonds de países do euro com dificuldades financeiras recuperam das tendências negativas, neste início de semana. A tendência registada nos juros da dívida também reflecte a anunciada intenção dos bancos centrais de adquirirem divida soberana.

Com os sinais de mais tranquilidade no mercado de dívida de países da Zona Euro, o euro também está a recuperar dos mínimos de mais de um ano, subindo na relação com o dólar, o iene e a libra esterlina. No final da manhã, o euro ganhava 2,53%, cotando-se em 1,3080 dólares.

Paralelamente, Portugal e a Espanha comprometeram-se a tomar medidas económicas suplementares para reduzir o seu défice, informaram hoje a Comissão Europeia e a presidência espanhola da União Europeia (UE). “O conselho congratulou-se com o compromisso de Portugal e da Espanha em tomarem medidas suplementares de saneamento orçamental em 2010 e em 2011 e de apresentarem os pormenores destas medidas” na próxima reunião de ministros das Finanças, a 18 de maio, indicou a ministra das Finanças espanhola, Elena Salgado, no final do encontro em Bruxelas com os seus homólogos europeus. “Saudamos e apoiamos fortemente o compromisso de Portugal e da Espanha em tomarem medidas adicionais significativas de consolidação (orçamental) em 2010 e 2011”, destaca o comunicado divulgado no final da reunião dos ministros das Finanças europeus.

MRA Alliance/Agências

“Spread” da dívida portuguesa a 10 anos aproxima-se dos 300 pontos base

quinta-feira, maio 6th, 2010

A “yield” (juro) das Obrigações do Tesouro de Portugal está a acentuar a tendência de subida nos prazos mais longos, depois da Moody’s ter alertado para a possibilidade de cortar o “rating” da dívida do País em dois níveis. Os investidores elevaram para 290 pontos base o “spread” face aos juros cobrados pelos investidores para comprarem dívida alemã.

Os investidores continuam receosos relativamente à situação da Grécia, país que será ajudado pelos países da Zona Euro e pelo FMI com um empréstimo de três anos, no valor de 110 mil milhões de euros. E temem que haja o contágio desta crise para outros países, nomeadamente Portugal e, também, Espanha.

Ainda hoje, a agência de notação financeira Moody”s colocou a dívida soberana portuguesa sob alerta, avisando que pode cortar o “rating” da República Portuguesa em dois níveis dentro de três meses. Numa nota enviada à comunicação social, a agência norte-americana, que actualmente atribui o “rating” Aa2 a Portugal, a Moody’s esclarece que “espera que, no cenário de uma descida, o “rating” possa descer um, ou no máximo, dois níveis”.

MRA Alliance/JdN

BES detém 400 milhões de euros em dívida grega

segunda-feira, maio 3rd, 2010

Ricardo Salgado - Presidente do BESO presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, disse esta segunda-feira que o banco detém actualmente 400 milhões de euros em dívida soberana grega, 92 por cento dos quais de curto prazo. O presidente do BES revelou que o banco detém 1,4 mil milhões de dívida soberana portuguesa.

O banqueiro admitiu, à margem de apresentação de resultados do banco, que poderá adquirir mais, se tal ficar definido no pacote de ajuda europeia à Grécia. «É natural que os bancos façam parte da solução de apoio à Grécia. Também temos alguma dívida grega, daí não virá mal», salientou.

Ricardo Salgado elogiou o acordo que foi estabelecido para ajudar a Grécia, mas apenas pecou por ter demorado tanto tempo. O responsável diz ainda que «foi uma falha enorme» o atraso da União Europeia em encontrar um acordo para ajudar a Grécia, acrescentando mesmo que, «já tardava».

Os lucros do BES subiram 17% para 119,1 milhões de euros nos primeiros três meses deste ano. Este número surpreendeu o mercado pela positiva. Ainda assim, as acções do banco fecharam a sessão desta segunda-feira a desvalorizar 2,78% para 3,50 euros.

MRA Alliance/Agência Financeira 

Grécia: Merkel diz que tinha razão em pedir envolvimento do FMI

segunda-feira, maio 3rd, 2010

Angela MerkelA chanceler alemã Angela Merkel diz que teve razão em exigir a colaboração do Fundo Monetário Internacional no resgate da Grécia, apesar da objecção dos seus parceiros europeus, levando a cortes no orçamento grego que anteriormente eram “impensáveis”.

“Este é um plano ambicioso que contém medidas duras de poupança e que por outro lado procura melhorar a eficiência da economia grega”, disse ontem Merkel à imprensa em Bona. “Há três meses teria sido impensável que a Grécia aceitasse medidas tão duras”.

A chanceler alemã, que enfrenta revolta por ter avançado com o resgate à Grécia e enfrenta eleições regionais no Estado mais populoso da Alemanha, foi criticada por ter demorado a conceder as ajudas, ao mesmo tempo que defendia a entrada do FMI no plano.

Os mercados europeus desvalorizaram e o euro fixou um mínimo de um ano face ao dólar a 28 de Abril, com receios de que a chanceler atrasasse a concessão das ajudas, mesmo com a Grécia a debater-se para permanecer solvente.

O esforço diplomático de Merkel “atrasou a solução e aumentou o custo do resgate”, disse o economista-chefe do Unicredit, Marco Annunziata, à Bloomberg no dia 30 de Abril.

O esforço da responsável alemã assegurou que “a liderança ao nível internacional foi sacrificada face a necessidades políticas domésticas”.

MRA Alliance/JdN