Archive for maio, 2010

Portugal pode entrar de novo em recessão, alerta Roubini

segunda-feira, maio 31st, 2010

Nouriel RoubiniO economista norte-americano Nouriel Roubini disse hoje, durante uma conferência em São Paulo, que Portugal e Grécia correm o risco de voltar a uma situação de recessão económica.

Roubini falava durante uma conferência em São Paulo, onde admitiu existir ” o risco significativo” de um “double dip” na Europa – uma segunda contracção da economia após uma breve recuperação. Para ele, os elevados défices orçamentais agravam os riscos de incumprimento e inflacionistas. No limite, em sua opinião, a retirada precoce de medidas anti-crise pode activar um cenário de deflação.

É neste contexto que, e apesar do crescimento homólogo de 1,7% da economia portuguesa no primeiro trimestre, Roubini afirma que Portugal poderá caminhar para uma nova recessão.

Roubini salientou ainda que “as condições do mercado de trabalho” vão continuar fragilizadas em algumas economias desenvolvidas” e alertou para o facto de “as poupanças terem que crescer a um ritmo mais rápido que o consumo nos próximos anos”.

MRA Alliance/DE

Presidente federal alemão demite-se

segunda-feira, maio 31st, 2010

Horst Koehler - Presidente da AlemanhaO Presidente alemão, Horst Koehler, resignou hoje ao cargo depois de ter sido criticado por declarações sobre as operações militares da Alemanha no Afeganistão.De acordo com um comunicado emitido pelo gabinete da Presidência, Horst Koehler demitiu-se depois de ter sido alvo de criticas por declarações que proferiu sobre a presença alemã no Afeganistão.

Em causa estão declarações proferidas durante uma visita às tropas no Afeganistão, há cerca de duas semanas, onde o responsável disse que um país como a Alemanha, com grandes interesses comerciais no exterior deve saber que as intervenções militares são necessárias para manter os seus interesses comerciais.

Estas palavras causaram grande polémica, com as pessoas a questionarem se a Alemanha está no Afeganistão por questões de segurança nacional ou se por interesses comerciais.

MRA Alliance/JdN

Zona Euro: Confiança dos agentes económicos cai inesperadamente em Maio

segunda-feira, maio 31st, 2010

A confiança dos consumidores e empresários europeus quanto à evolução da economia registou, em Maio, uma queda de 2,2 pontos. O índice ficou-se pelos 98,4 pontos, contra o 100,6 pontos registados em Abril, revela esta segunda-feira a Comissão Europeia.

Esta queda veio, assim, contrariar a tendência dos últimos meses e apanhou os analistas desprevenidos, já que esperavam uma estabilização do indicador de confiança. No conjunto da União Europeia, o indicador do sentimento económico desceu 1,9 pontos em Maio, face a Abril, para os 100 pontos, o primeiro retrocesso em oito meses.

Um outro relatório da Comissão Europeia, baseado nos inquéritos de conjuntura aos empresários, mostra que o clima de negócios melhorou ligeiramente este mês, dando a indicação de que «a actividade económica na indústria vai continuar a recuperar nos próximos meses, embora esteja ainda longe de atingir níveis anteriores à crise», como se lê no documento.

Também esta manhã, o Eurostat divulgou que a inflação na Zona Euro subiu para 1,6% em Maio.

MRA Alliance/Agência Financeira

Pequim alerta para os perigos de uma segunda recessão a nível mundial

segunda-feira, maio 31st, 2010

Wen Jiabao - Primeiro-ministro da ChinaO primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, avisou hoje que o crescimento económico permanece vulnerável aos riscos de dívida soberana que poderá desencadear uma segunda recessão mundial. “Não é possível dizer com uma certeza absoluta, mas temos que observar a evolução dos mercados de perto e agir para preveni-la, afirmou Wen, citado pela CNBC.O chefe do governo de Pequim, todavia, admitiu ser ainda muito cedo para os países suspenderem as medidas de estímulo às economias. “Todos os países devem actuar juntos e reforçar as medidas de apoio à economia. Não pode haver o mínimo relaxamento”, defendeu. Wen sublinhou que “a economia mundial está estável e começa a recuperar, mas esta recuperação é lenta e ainda existem muitas incertezas e factores destabilizadores”.

Sobre a crise grega, o Presidente chinês tem dúvidas de que o pior já tenha passado e acrescenta que a crise de dívida europeia pode pôr em causa a retoma económica da região.

Apesar do cenário preocupante traçado para a economia mundial, em especial para a europeia, Wen Jiabao mostrou-se confiante quanto ao desempenho da China, mantendo a meta da inflação para este ano em redor dos 3%.

MRA Alliance/CNBC/Agências

PS apoia a candidatura presidencial de Manuel Alegre

segunda-feira, maio 31st, 2010

“Não é só um apoio formal. Eu quero também que Manuel Alegre ganhe”, declarou Sócrates no final da reunião da Comissão Nacional do PS, hoje, em Lisboa. O líder do partido do governo clarificou a questão de eventuais processos disciplinares contra militantes que não apoiem a candidatura aprovada.

José Sócrates recordou que os militantes socialistas que apoiaram Alegre – contra a posição oficial do PS, que apoiava Mário Soares – não foram alvo de qualquer processo disciplinar nas presidenciais de 2006.

A ex-deputada socialista Marta Rebelo confirmou à agência Lusa que chegou a ser vaiada por dezenas de outros dirigentes do partido após afirmar que não iria votar em Alegre nas próximas presidenciais.

MRA Alliance/Agências

Venezuela e Portugal assinam acordos comerciais no valor de 1656 M€

domingo, maio 30th, 2010

Sócrates mosta a Chávez computador MagalhãesO primeiro-ministro português assinou 19 novos acordos no valor de 1655,9 milhões de euros com o presidente da Venezuela Hugo Chávez, numa visita ao país que terminou este domingo.

Lena, Estaleiros Navais de Viana do Castelo, YouYsu, EDP, Janz, Efacec, Eip, Atral Cipan, Sovena, Vetagri, Montebravo, Sapropor, Primor, Conservas Ramirez, Cerealis e Cofaco foram as empresas portuguesas envolvidas nestes acordos.

Entre os vários acordos, destaca-se um para a construção de 12.500 habitações sociais, a transferência de tecnologia para a criação de três fábricas móveis e estruturas de apoio para a construção civil.

O governo venezuelano vai adquirir mais 525 mil computadores Magalhães, conhecidos no país como Canaima, para os alunos do ensino primário.

MRA Alliance/Agências

PME criam 80% dos novos empregos

domingo, maio 30th, 2010

Antonio Tajani, vice-presidente da Comissão Europeia, põe a pressão do lado das pequenas e médias empresas (PME) ao afirmar que a saída para a crise não vai passar pelas grandes companhias pois elas apenas criam uma pequena parte do emprego total, revela hoje o jornal Público.

“Serão as pequenas empresas que vão criar novos postos de trabalho”, disse esta semana em Bruxelas, durante uma iniciativa da Semana Europeia das PME, que termina terça-feira.

A Associação Europeia das Pequenas e Médias Empresas (UEAPME) também não duvida de que a solução para a maior recessão desde a Segunda Guerra Mundial passa pelos 23 milhões de empresas europeias que se encaixam nesta categoria. Estas são responsáveis pela criação de 80 por cento dos novos postos de trabalho, além de assegurarem dois terços do total do emprego privado.

MRA Alliance/Público

Desnuclearização do Médio Oriente na agenda da ONU

domingo, maio 30th, 2010

armas_nucleares11.jpgAo fim de 15 anos de esforços, os países árabes conseguiram nas Nações Unidas, em Nova Iorque, um acordo sobre proliferação nuclear que abre caminho a uma conferência de desnuclearização do Médio Oriente.

O acordo envolveu 189 países e os Estados Unidos aceitaram incluir uma referência a Israel, o que motivou a resposta irritada dos israelitas, que acusam a declaração final de “hipocrisia”, pois não menciona Irão ou Coreia do Norte.

A conferência de acompanhamento do Tratado de Não Proliferação (TNP), que se realizou na sede da ONU, resultou na aprovação de uma declaração de 28 páginas onde uma única frase refere o Estado de Israel, repetindo uma posição anterior de que este país se deve juntar ao Tratado.

Existe acordo para a realização em 2012 de uma conferência que visa estabelecer no “Médio Oriente uma zona livre de armas nucleares e todas as outras armas de destruição maciça”. Foram também aprovadas linhas de acção em cada uma das áreas do TNP: desarmamento, verificação dos programas nucleares dos países e uso pacífico da energia nuclear.

MRA Alliance/DN

Governo prolonga ajuda à banca por causa da crise

sábado, maio 29th, 2010

As Finanças prolongaram até Dezembro as medidas de apoio ao sector financeiro. Os bancos vão poder continuar a beneficiar das garantias do Estado e do programa de recapitalização criadas em 2008 para fazer face às dificuldade decorrentes da crise financeira. No OE 2010, Governo fixou em 9,146 mil milhões de euros o montante disponível para aplicar nas iniciativas para reforço da estabilidade financeira.

A concessão de garantias pessoais do Estado em emissões de dívida e o programa de recapitalização estão em vigor até ao dia 30 de Junho, prazo que termina dentro de cerca de um mês. Ao Diário Económico, o Ministério das Finanças e da Administração Pública adianta que “já desencadeou o processo tendente à prorrogação dos regimes de reforço da estabilidade financeira”. Teixeira dos Santos, falando ontem no Parlamento, explicou que o programa de Reforço da Estabilidade Financeira vai receber mais fundos, devido à contribuição de Portugal para o mega-fundo de ajuda à Grécia.

MRA Alliance/DE

Reeleição de Cavaco pode estar ameaçada pela Direita

sábado, maio 29th, 2010

Um novo candidato à direita nas próximas eleições presidenciais pode levar a uma segunda volta e colocar em perigo a reeleição de Cavaco Silva, diz Bagão Félix, ex-ministro das Finanças de um governo de coligação PSD-CDS. “No actual contexto, mesmo com algum desconforto que admito que algumas pessoas possam sentir, temos de ter consciência que uma candidatura na mesma área pode – pelo menos há alguma previsibilidade nesse sentido – originar uma segunda volta e numa segunda volta tudo é possível”, afirmou Bagão Félix à agência Lusa.

“Além de provavelmente não ter condições para ganhar (…) poderia ter sempre o ónus que recairia sobre essa candidatura de poder fazer perigar a vitória do actual Presidente da República e isso parece-me negativo”, acrescentou.

A imprensa de hoje diz que a direita anda à procura de uma alternativa a Cavaco Silva e que Bagão Félix foi sondado para ser candidato nas próximas presidenciais.

MRA Alliance/DE

PT ganha apoio importante na guerra com a Telefónica

sábado, maio 29th, 2010

A Portugal Telecom (PT) conseguiu ontem uma importante vitória na guerra pelo controlo da Vivo. Após duas semanas de ‘road-show’ para convencer os accionistas da importância da Vivo para o futuro da empresa, o fundo norte-americano Brandes, dono de 7,8% da PT, anunciou que a oferta espanhola é insuficiente.

“Embora a actual oferta represente um prémio significativo em relação ao valor de mercado, não reflecte o valor estratégico de longo prazo da Vivo”, afirmou Amalia Morris, directora de investimentos do Brandes Investment Partners, o terceiro maior investidor na operadora portuguesa, numa declaração escrita à agência noticiosa Dow Jones.

A tomada de posição do Brandes surge num contexto em que tanto a PT como a Telefónica realizam ‘road-shows’ junto dos investidores institucionais estrangeiros, com vista a convencê-los dos méritos das suas estratégias.

A PT procura convencer estes accionistas institucionais de que vender a Vivo seria hipotecar o seu futuro, ao passo que a Telefónica tenta demonstrar que a sua oferta de 5,7 mil milhões de euros pela participação portuguesa na operadora brasileira representa uma oportunidade única e irrepetível de criação de valor.

MRA Alliance/DE

Participação lusa no megafundo europeu pode atingir 13.627 milhões

sexta-feira, maio 28th, 2010

Portugal poderá ter de contribuir com 13.627 milhões de euros para o megafundo europeu, caso o Comité Económico e Financeiro europeu aprove um aumento da participação dos países para 120 por cento, disse hoje Teixeira dos Santos.

De acordo com o ministro das Finanças, que falava no Parlamento, na audição na Comissão de Orçamento e Finanças, Comité Económico e Financeiro europeu está reunido em Malta, e está mesmo a equacionar o aumento da participação de cada país, com o objetivo de permitir que as obrigações emitidas pelos Estados tenham a melhor notação de risco, ou seja AAA.

Teixeira dos Santos afirmou que, na reunião de Malta está presente um representante do Governo português.

Assim, apesar de na programação inicial o Estado poder “ser chamado a conceder garantias até ao montante de 11.355 milhões de euros”, com estas alterações, que o ministro diz ter tido conhecimento através do representante português na reunião, ainda hoje, “o potencial de garantias a conceder por Portugal poderia ascender a 13.627 milhões de euros”.

Esta, aliás, é a justificação ministro para pedir já uma alteração legislativa ao Orçamento do Estado, um orçamento rectificativo.

Teixeira dos Santos adiantou ainda na sua intervenção inicial na Comissão de Orçamento e Finanças, onde apresenta o novo pacote de austeridade aos deputados, que os Estados membros que participarem no mecanismo irão prestar garantias para que sejam emitidas obrigações, correspondente à sua quota parte no Banco Central Europeu.

MRA Alliance/Agências

Parlamento: Esquerda impede Direita de adiar TGV por três anos

sexta-feira, maio 28th, 2010

A Assembleia da República chumbou hoje a proposta de adiamento por um período mínimo de três anos do projecto de construção da linha ferroviária de alta velocidade (TGV) Lisboa-Madrid, proposta pelo PSD. A proposta recebeu os votos favoráveis do PSD e CDS e os votos contra do PCP, Bloco de Esquerda e “Os Verdes”.

No projecto de resolução, o PSD dizia que a linha Lisboa-Madrid era “um investimento que contribuirá para o aumento da dívida externa do país” e defendia que o Governo devia apostar no “investimento público de menor dimensão”.Durante a sessão, esteve também em apreciação, por proposta do CDS-PP, o decreto-lei que aprovava as bases da concessão do projecto, construção, financiamento, manutenção e disponibilização do troço Poceirão-Caia, que fará parte da futura linha de alta velocidade Lisboa-Madrid, com abertura prevista para 2013.

O CDS-PP dizia também ser “dificilmente explicável” porque é que o Governo decidiu avançar com este troço, depois de ter suspendido as ligações Lisboa-Porto e Porto-Vigo “por causa do respectivo impacto nas finanças públicas e no endividamento” e afirma que “não estão clarificados os custos efetivos totais desta concessão, nem as necessidades de financiamento global”.

Pedro Mota Soares, líder parlamentar do CDS-PP, acusou o BE de «salvar o Governo», ao aprovar seis parcerias público-privadas (PPP) previstas no contrato de alta velocidade ferroviária. «Caiu neste debate a máscara ao Bloco de Esquerda e ficou à vista a enorme hipocrisia política com que o Bloco de Esquerda vem a este debate», disse Mota Soares, no debate de discussão da proposta do PSD para suspender por três anos a construção da ligação de alta velocidade entre Lisboa e Madrid. «Qual é o real propósito do Bloco de Esquerda em salvar seis parcerias público privadas que há um ano diabolizava, e, mais importante que isso, em salvar os investidores das PPP, mas, sobretudo, em salvar o Governo que os senhores dizem que estão a combater», questionou.

Ainda durante a mesma sessão parlamentar, PS, PSD e CDS-PP votaram contra o projecto de resolução do BE, “pela defesa da modernização da rede ferroviária nacional, incluindo a construção da linha de alta velocidade Lisboa-Madrid”.

O centro-direita parlamentar também inviabilizou a proposta do “reforço do investimento público” no transporte ferroviário, avançada pelo PCP, “com a introdução da alta velocidade com ligação prioritária para passageiros e mercadorias entre Lisboa e Madrid”.

Os projectos do PCP e do BE propunham-se substituir o “modelo de concessão a privados” pela gestão pública.

MRA Alliance/Agências

“Golden share” da PT acirra guerra entre Sócrates e CE; Accionistas buscam alternativas à Telefónica

sexta-feira, maio 28th, 2010

A Comissão Europeia (CE) insistiu hoje que a “golden share” que o Estado português detém na Portugal Telecom é «incompatível» com as leis europeias, desafiando as declarações de ontem do primeiro-ministro José Sócrates, no mesmo dia em que os accionistas de referência, liderados pelo BES, anunciaram acções para encontrar investidores estrangeiros interessados em fazer uma contra-OPA à Telefónica pelo controlo da operadora brasileira Vivo. 

Bruxelas avisa que vai continuar a acompanhar a situação e fica à espera que o Tribunal se pronuncie sobre o caso. Por considerar tal incompatibilidade, a CE decidiu apresentar queixa no Tribunal de Justiça da União Europeia e espera agora uma decisão.

Recorde-se que a Telefónica admitiu, quarta-feira, a possibilidade de lançar uma OPA hostil sobre a PT, na sequência da recusa desta última em vender a sua posição na operadora brasileira Vivo por 5,7 mil milhões de euros. Na sequência desta hipótese o primeiro-ministro José Sócrates lembrou, quinta-feira, que «as “golden shares” existem para ser utilizadas, se for caso disso».

«Para Portugal, a PT é uma empresa estratégica. É por isso aliás que temos uma ‘golden share’. É para nós estratégica se for uma empresa grande, se tiver uma ambição de participar naquilo que é a economia global, de estar presente em vários continentes, como está a PT, presente em África, no Brasil», disse Sócrates, citado pela edição online do jornal i. «Queremos que ela continue assim. Porque só continuando assim, com dimensão e com escala fomenta em Portugal os projectos que são essenciais na área da inovação, na área da engenharia, na área industrial, na área da ciência e do desenvolvimento».

Entretanto, também hoje, o presidente do BES Investimento, accionista de referência da PT, anunciou que a operadora nacional está em conversações com investidores do Médio Oriente e da Ásia para tentar lançar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a participação da espanhola Telefónica na operadora brasileira Vivo.

«Estou absolutamente seguro de que existe uma enorme potência na Ásia e no Médio Oriente para investimentos nesta região do mundo, tanto em África como na América Latina. Esta digressão que a PT vai fazer será muito interessante. Ali vai poder encontrar muitos interessados numa alternativa atraente para os interesses da PT e de Portugal», declarou José Maria Ricciardi, numa entrevista à agência financeira Bloomberg.

MRA Alliance/Agências

Portugal: Endividamento dos particulares atinge 138% do rendimento disponível

quinta-feira, maio 27th, 2010

A dívida das famílias junto da banca já corresponde a 138% do seu rendimento disponível, revela o Relatório de Estabilidade Financeira, publicado hoje, quinta-feira, pelo Banco de Portugal. Isto significa que o rendimento total gerado pelos particulares ao longo de um ano inteiro não chegaria para amortizar a totalidade dos créditos à habitação e consumo.

O aumento do endividamento tem sido constante ao longo dos últimos anos, tendo subido de 106% do rendimento disponível em 2003, para os actuais 138%. Em valor, a dívida total dos particulares é já praticamente o mesmo do Produto Interno Bruto de Portugal, quando em 2003 equivalia a 75% da riqueza produzida  pelo país.

Esta situação verifica-se apesar de o ritmo de concessão de empréstimos ter praticamente caído para metade em 2009, por comparação com o ano anterior. Junto das empresas a situação não é diferente, com o montante total dos empréstimos a representar 151% do PIB.

Na análise que faz à estabilidade do sistema financeiro, o BdP salienta que o incumprimento no crédito às empresas “apresentou um aumento susbtancial em 2009”, ainda que o fluxo de novos créditos vencidos e de cobrança duvidosa tenha vindo a reduzir-se progressivamente desde meados do ano passado.

MRA Alliance/Agências

Poupança subiu para 6,4% do PIB em 2009

quinta-feira, maio 27th, 2010

A crise está a fazer com que os portugueses poupem mais e, em 2009, a taxa de poupança voltou a subir para 6,4% do produto interno bruto quando no ano anterior correspondia a somente 4,5%, segundo revela o Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal.

A taxa de poupança tinha iniciado uma rota descendente há já vários anos, tendo batido “no fundo” em 2007, ano em que representou apenas o equivalente a 4,3% do produto Interno Bruto (PIB) e 6,2% do rendimento disponível.

A inversão desta tendência começou em 2008 e manteve-se no ano passado, com a poupança a atingir um valor equivalente a 6,4% do PIB e 8,8% do rendimento disponível das famílias. Valores mais positivos, mas ainda longe dos registados em 2003, quando atingiu 10,6% do rendimento disponível.

MRA Alliance/Agências

Parlamento: Socialistas contra a redução do número de deputados

quinta-feira, maio 27th, 2010

Deputados à AR primam pelas ausências ao plenárioO PS está frontalmente contra a redução do número de deputados no Parlamento. Os socialistas rejeitam a tese defendida por uma petição com cerca de 20 mil assinaturas que corre na Internet e que requer que o número de deputados passe de 230 para 180. Recorde-se que um dos dirigentes e deputado histórico do PSD, o social-democrata Mota Amaral defendeu a redução do número de deputados. O tema vai a debate na Assembleia da República.

O líder parlamentar do PS, Francisco Assis, considera que trata-se de um debate “demagógico”. “Compreendo que as pessoas que assinam não têm o mesmo grau de responsabilidade de quem tem funções políticas. Há uma certa diferença entre o Parlamento e a rua. No dia em que desaparecer essa diferença, o Parlamento deixa de ser necessário e, no dia em que deixar de ser necessário, a democracia está em perigo”.

Francisco Assis defende que as mudanças devem surgir no sistema eleitoral, para melhorar a qualidade da representação política. “Grande parte dos portugueses não conhece os seus deputados. Aí é preciso fazer alguma coisa. Não devemos fazer nenhuma reforma eleitoral que elimine os pequenos partidos e não devemos fazer um reforma eleitoral que não assegure a correcta representação de todo o território nacional”.

MRA Alliance/Agências

Obama “mata” guerra contra o terrorismo e elege China e Índia como novos aliados

quinta-feira, maio 27th, 2010

A nova estratégia de segurança nacional do Presidente Barack Obama designa especificamente a Al Qaeda como inimigo principal dos Estados Unidos. Para trás ficaram as referências à “guerra contra o terrorismo” herdadas da administração de George W. Bush. A “doutrina Obama” pretende também alargar as parcerias norte-americanas para além dos tradicionais aliados da América, de forma a incluir também a China e a Índia.

No documento, tornado público esta quinta-feira, a Casa Branca refere: “Procuraremos sempre acabar com a legitimação do uso do terrorismo e isolar aqueles que a ele recorrem”, e clarifica: “Não é uma guerra mundial contra uma táctica – o terrorismo – ou uma religião – o Islão”.  “Estamos em guerra contra uma rede específica, a Al-Qaeda, e os seus aliados terroristas que apoiam os esforços para atacar os EUA e os seus aliados e parceiros” precisa o texto do documento.

A nova estratégia de segurança nacional representa o resultado de dezasseis meses de consultas no seio da administração Obama e estabelece um corte com as presidências anteriores, ao colocar grande ênfase no valor da cooperação global e no desenvolvimento de parcerias alargadas, para além de atribuir mais importância à ajuda prestada a outras nações para que se defendam a si próprias.

Esta tentativa aparente de Obama se distanciar do legado do seu antecessor, sem no entanto o repudiar frontalmente, poderá a vir a provocar algumas críticas no Partido Democrático, onde alguns sectores esperavam uma rejeição mais clara do conceito de “guerra preventiva” defendido por George Bush. Por outro lado os Republicanos, quase certamente, vão acusar Obama de “ser fraco em matéria de defesa” por dar tanta ênfase à diplomacia e ajuda ao desenvolvimento.

O documento refere-se “aos grandes objectivos” em matéria de defesa e o destaque de “adversários principais” é dado repetidamente à Al-Qaeda, ao Irão e à Coreia do Norte, estes últimos por causa dos seus programas nucleares.

No que respeita às alianças, a nova estratégia para manter a segurança dos Estados Unidos pressupõe o fim dos anos de acção unilateral da era Bush e deposita maior confiança nos aliados dos Estados Unidos para fazer face ao terrorismo e a outros problemas globais.

Para tal, a Casa Branca fala de desenvolver parcerias globais mais alargadas, de forma incluir nações como a Índia ou a China, que não se contam entre os aliados tradicionais dos EUA.

MRA Alliance/Agências

Agravamento das tensões inter-coreanas é um teste ao pragmatismo da China

quinta-feira, maio 27th, 2010

No início da década de 1990, os mapas chineses tinham uma única Coreia, a “Democrática e Popular”, com capital em Pyongyang, e Seul, a capital sul-coreana, aparecia em letra mais pequena, como qualquer cidade de província. Vinte anos depois, a península coreana continua dividida – e tensa – mas a China já não se posiciona da mesma maneira e o que os seus aliados norte-coreanos insistem em designar por “governo fantoche do Sul” é hoje um dos maiores parceiros regionais de Pequim, escreve o delegado da Lusa na capital chinesa num despacho distribuído hoje.

Por coincidência, numa altura de renovada guerra verbal da Coreia do Norte contra os “gansgters” e “traidores” da Coreia do Sul, o primeiro ministro chinês, Wen Jiabao, é esperado na sexta feira em Seul. Wen Jiabao irá participar também, no próximo fim de semana, na cimeira anual com o seu homólogo japonês, e o presidente sul-coreano, Lee Myung-hwa.

A crise atual está relacionada com o ataque de torpedo que afundou uma corveta sul-coreana, há dois meses, matando 46 dos seus tripulantes. Segundo as conclusões de um inquérito internacional anunciadas na semana passada em Seul, o torpedo foi disparado por um submarino norte-coreano. A Coreia do Norte negou qualquer responsabilidade no incidente e qualificou o inquérito como “uma farsa conspirativa”.

Aparentemente embaraçado, o governo chinês disse que vai “avaliar” a situação e prometeu ser “objetivo”, multiplicando os apelos à “calma” e à “contenção”. Ao contrário da Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão, a China tem evitado condenar “o comportamento beligerante” da Coreia do Norte, mas não adotou a versão de Pyongyang, que qualificou este caso como “uma pura invenção, fabricada pelo grupo de traidores de Lee Myung-bak”.

A China partilha com a Coreia do Norte uma fronteira com 1400 quilómetros de comprimento e combateu ao seu lado na Guerra da Coreia (1950-53), um sangrento conflito que envolveu também os Estados Unidos.

Em 1992 – o ano em que o Partido Comunista Chinês (PCC) se converteu abertamente à economia de mercado – a China estabeleceu relações diplomáticas com a Coreia do Sul e desde então a cooperação económica bilateral tem-se desenvolvido em ritmo acelerado.

Segundo estatísticas chinesas, nos primeiros quatro meses deste ano, o comércio entre a China e a Coreia do Sul somou cerca de 62 900 milhões de dólares (51 500 milhões de euros), um aumento de 46,8 por cento em relação a igual período de 2009. Com a vizinha Coreia do Norte, o comércio também aumentou (9,4 por cento) entre janeiro e abril de 2010, mas somou apenas cerca de 720 milhões de dólares (590 milhões de euros).

MRA Alliance/Lusa

Pacote de austeridade espanhol aprovado à tangente

quinta-feira, maio 27th, 2010

O Parlamento espanhol aprovou o pacote de medidas de austeridade pela diferença mínima de um voto proposto pelo Governo Zapatero para reduzir o défice orçamental, por 169 votos favor, 168 contra e 13 abstenções. Assim, as medidas de austeridade de Espanha foram aprovadas à tangente, gerando uma onda de críticas e pedidos a Zapatero para que antecipe as eleições gerais.

Isto apesar de a ministra da Economia espanhola, Elena Salgado, se ter esforçado durante meia hora a convencer os grupos parlamentares da necessidade de aplicação das medidas de austeridade, semelhantes às que vão ser adoptadas na União Europeia. O plano de austeridade espanhol, no valor de 65 mil milhões, inclui o congelamento dos aumentos das pensões, cortes de 5% na função pública, fim do cheque-bebé e reduções de 1,2 mil milhões de euros no financiamento das regiões. O Executivo de Madrid anunciou ontem que revelará nas próximas semanas um novo imposto que apenas afectará “os cidadãos com alta capacidade económica”, sem revelar a fórmula para o cálculo desta taxa extra. A medida também está contemplada no pacote de austeridade.

MRA Alliance/Diário Económico

Taxas do crédito à habitação começam a inverter tendência de descida

quinta-feira, maio 27th, 2010

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação caiu em Abril, pelo 16º mês consecutivo, fixando-se em 1,821%. Representa uma redução mensal de 0,016 pontos percentuais (p.p.), inferior, contudo, ao decréscimo atingido no mês anterior. Face a Dezembro de 2008, a queda foi de 4,156 p.p..

«O abrandamento do ritmo da diminuição, que tem sido menos acentuada desde Agosto de 2009, está em linha com os acréscimos registados já em Abril, quer na taxa de juro implícita dos contratos realizados nos últimos 3 meses, quer na taxa Euribor, os quais prenunciam já a inversão do ciclo de reduções iniciado no final de 2008», alerta o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O aumento mensal da taxa de juro dos contratos de crédito à habitação realizados nos últimos 3 meses (0,014 p.p. para 2,032%) verificou-se ainda nos restantes períodos analisados, com aumentos de 0,006 p.p. (últimos 6 meses) e de 0,011 p.p. (últimos 12 meses), com os respectivos valores a situarem-se em 1,987% e em 1,917%.

MRA Alliance/Agência Financeira 

PT/Vivo: Estado deve «accionar a golden share» caso haja OPA

quarta-feira, maio 26th, 2010

O presidente do BES, Ricardo Salgado, considerou hoje que o Estado português deve accionar a golden share que tem na Portugal Telecom caso se concretize a eventual OPA (Oferta Pública de Aquisição) hostil da espanhola Telefónica. «Sim, o governo deve accionar a golden share», respondeu o banqueiro aos jornalistas, à margem da visita de 16 gestores de grandes empresas cotadas no PSI20 e do ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, à bolsa de Nova Iorque para promover o investimento em Portugal, refere a Lusa.

Esta tarde, em resposta a um pedido de informação da CMVM, a Telefónica adiantou que não descarta lançar uma OPA sobre a PT, embora ainda não tenha tomado qualquer decisão sobre essa eventualidade.

O eventual lançamento de OPA surge depois da administração liderada por Zeinal Bava ter recusado a oferta espanhola para comprar a participação da PT na operadora móvel brasileira Vivo por 5,7 mil milhões de euros.

MRA Alliance/Agências 

Portugal a caminho de mais de uma década perdida, diz OCDE

quarta-feira, maio 26th, 2010

Se nada de fundamental entretanto mudar, a economia portuguesa prepara-se para viver mais uma década perdida: endividada, com crescimento residual e elevado desemprego. É para este cenário sombrio que apontam as projecções da OCDE que tentam antecipar como estarão as economias desenvolvidas dentro de cinco e de quinze anos.

Os cálculos da organização sedeada em Paris acompanham as novas previsões macroeconómicas para 2010 e 2011, projectando como estarão as economias desenvolvidas em 2015 e 2025, assumindo que os parâmetros actuais se manterão inalterados.

No caso de Portugal, o OCDE calcula que a taxa de crescimento real acelere ligeiramente nos próximos anos para depois manter-se travada numa média anual de 1,6% até 2025, um pouco abaixo da média da Zona Euro (1,7%) que promete ser severamente penalizada pelo mau desempenho dos seus “motores”: Alemanha deverá crescer 2,3% entre 2012 e 2015, para depois desacelerar para 1,2% até 2025, ao passo que a França crescerá 2,1% até 2015, para depois estabilizar em 1,5%.

Depois da tormenta, Grécia deverá crescer acima de 3% entre 2012 e 2015, mas a partir daí também regressará a progressões anémicas em torno de 1,7%. Já o horizonte traçado para Espanha (2,2%) e Irlanda (3,2%), que estão neste momento igualmente sob grande pressão dos mercados financeiros, é mais risonho.

MRA Alliance/JdN

Crédito malparado atinge níveis históricos

quinta-feira, maio 20th, 2010

As famílias continuam a revelar dificuldades em cumprir com os pagamentos dos seus créditos, em especial nos empréstimos ao consumo, que, em Março atingiram o valor mais elevado desde que há registo histórico. Em Março, o peso do malparado entre os particulares aumentou para 2,80% em relação ao total dos empréstimos concedidos. Esta evolução é justificada pelos segmentos de consumo e outros fins, já que no crédito à habitação o malparado diminuiu.

De acordo com o Boletim Estatístico de Março, divulgado hoje pelo Banco de Portugal, o peso do crédito malparado face ao total dos financiamentos da banca às famílias ascendeu a 2,80%, o que compara com os 2,78% registado no mês anterior. Face ao mesmo período do ano passado, o peso do incumprimento também aumentou, já que em Março de 2009 os incobráveis correspondiam a 2,48% do total dos empréstimos aos particulares.

No total, as famílias portuguesas devem 3,89 mil milhões à banca em incobráveis. Por segmentos, no crédito à habitação o malparado desceu para 1,72% do crédito concedido, um valor que apesar de representar uma descida em cadeia, corresponde a um aumento face ao mesmo mês de 2009, altura em que este indicador atingiu 1,61%.

No crédito ao consumo e para outros fins a evolução foi oposta. O peso do malparado nos financiamentos ao consumo atingiu, em Março, 6,96% do total dos empréstimos, um valor que não tem precedente nos dados do Banco de Portugal, que vão até Dezembro de 1997. Já no crédito para outros fins, o peso aumentou para 7,11%, o valor mais alto desde Julho de 1999.

MRA Alliance/JdN

“Em breve o Estado não vai poder pagar aos funcionários”, diz Passos Coelho

quinta-feira, maio 20th, 2010

Pedro Passos Coelho - Presidente do PSDO presidente do PSD, Passos Coelho, avisou hoje que não estará «longe o dia» em que o Estado não terá dinheiro para «pagar aos funcionários», acusando quem considera irrelevante a revisão da Constituição de revelar «uma miopia grave» . Numa conferência na Universidade Católica do Porto sobre a revisão constitucional, o líder social democrata alertou que o país está «numa linha de insustentabilidade» da despesa pública, com Portugal a pagar «um nível de juros demasiado elevado».

«Quantos mais juros pagarmos por aquilo que pedimos emprestado, menos conseguimos ter liberdade para gastarmos naquilo que é preciso. E então chegamos ao fim do mês, e os administradores dos hospitais, os reitores das universidades públicas, começam a cortar naquilo que já é relevante. E chega mesmo a um dia em que já não têm dinheiro para pagar aos professores, aos médicos, aos enfermeiros», avisou Pedro Passos Coelho.

Segundo o presidente do PSD, «é preciso que se saiba que em Portugal esse dia está muito próximo» e que «não estará longe o dia em que não haverá mesmo dinheiro para pagar aos funcionários».

MRA Alliance/Sol

Nova taxa de IRS já vai “comer” subsídios de férias

quinta-feira, maio 20th, 2010

A taxa agravada do IRS entrará em vigor um mês mais cedo do que o previsto, a 1 de Junho, o suficiente para apanhar a maior parte dos subsídios de férias no sector privado e a totalidade do subsídio pago aos cerca de 675 mil funcionários das Administrações Públicas, a ser recebido em Junho.

Depois do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Sérgio Vasques, ter dito há dois dias ao i que as novas taxas – que aumentam o imposto em 1% e 1,5% – se aplicariam a todo o rendimento anual de 2010, o primeiro-ministro passou ontem por cima das Finanças e corrigiu a mão.

O desmentido da retroactividade da aplicação da nova taxa de IRS foi feito à hora de almoço pelo primeiro-ministro, José Sócrates, depois das reacções negativas – incluindo do PSD, parceiro no acordo – durante toda a manhã. Só à tarde chegou o esclarecimento do Ministério das Finanças: “As novas taxas de IRS, integrantes do pacote de medidas adicionais, tendo embora aplicação na liquidação de IRS respeitante a todo o ano de 2010, apenas incidirão sobre a parcela do rendimento angariada a partir de 1 de Junho, tal como sucederá com as novas tabelas de retenções na fonte”.

As duas intervenções, de chefe do governo e das Finanças, têm a mesma nuance: a medida de agravamento fiscal cuja entrada em vigor estava prevista para 1 de Julho (segundo anunciado na semana passada pelo governo) vai afinal avançar mais cedo. É apenas um mês, mas já chega para apanhar a maioria dos subsídios de férias, que em regra são pagos a partir de Junho – o anúncio da antecipação elimina a margem de manobra para pedidos antecipados do pagamento deste 13º mês.

A antecipação em um mês da entrada em vigor da nova taxa de IRS está dentro do acordo com o PSD, confirma o economista António Nogueira Leite, o negociador designado por Passos Coelho.

“Desde que a aplicação não seja retroactiva a antecipação da taxa respeita o acordado – se o governo decide apanhar o 13º mês em Junho isso é uma decisão que lhes compete explicar”, aponta o economista.

Mesmo com o esclarecimento das Finanças sobram muitas dúvidas aos especialistas sobre a aplicação desta nova taxa de IRS. “O governo devia explicar quanto antes o que quer fazer. Temos todas as dúvidas sobre qual vai ser feito”, aponta Rogério Fernandes Ferreira, ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. “Já falaram de sobretaxa, de adicional e são coisas diferentes com efeitos distintos. Enquanto o governo não explicar o que vai acontecer ninguém consegue perceber nada”, acrescenta.

Resta saber como as empresas vão conseguir aplicar a nova retenção em tão pouco espaço de tempo – têm menos de duas semanas para saber como deverão proceder e ajustar a sua contabilidade.

MRA Alliance/ionline

Competitividade: Portugal cai três lugares no ranking mundial

quinta-feira, maio 20th, 2010

Em 2010, Portugal passou da 34ª para a 37ª posição no ranking da competitividade elaborado pela escola suíça de gestão IMD que, pela primeira vez, é liderado por duas economias asiáticas – Singapura e Hong-Kong.

Em 2010, os países ocidentais deixaram de dominar as posições cimeiras do World Competitiveness Yearbook que todos os anos é elaborado pela IMD, uma escola de gestão com sede em Lausanne, na Suíça. Actualmente, 5 dos 10 primeiros países desta lista são oriundos da região Ásia/Pacífico.

Os Estados Unidos caíram para a terceira posição e a Europa é claramente uma região em declínio. Suíça, Suécia e Noruega são os únicos sobreviventes do Velho Continente no topo da classificação da competitividade atribuída pelo IMD.

Portugal não foge à regra tendo caído da 34ª (em 2009) para 37ª posição da classificação do IMD que analisa o desempenho da economia, a eficiência do governo e dos negócios, as competências dos recursos humanos, as infraestruturas e a investigação.

À frente de Portugal estão países como Espanha, Indonésia, Estónia e Casaquistão, Polónia e Índia.

MRA Alliance/Agências

“A moeda única está em perigo”, diz Merkel

quarta-feira, maio 19th, 2010

Angela Merkel no Bundestag A actual crise financeira é “a maior prova de fogo” para a Europa dos últimos 50 anos, e “tem de ser superada”, alertou hoje a chanceler alemã.

Durante a apresentação no parlamento (Bundestag) do projecto de lei sobre o fundo de protecção do euro, Merkel afirmou ainda que a moeda única “está em perigo, e se este perigo não for afastado, as consequências para a Europa e apara o resto do mundo serão imprevisíveis”.Merkel disse ainda que “não havia alternativa razoável” à aprovação do pacote europeu de 750 mil milhões de euros, com a participação do Fundo Monetário Internacional (FMI).

MRA Alliance/DE

Islândia está a recuperar da crise financeira

quarta-feira, maio 19th, 2010

Ólafur Grímson - Presidente da IslândiaNa Europa, a Islândia foi a primeira grande vítima da crise, mas a economia do país está já em recuperação garantiu à Rádio Renascença, o Presidente islandês. Ólafur Grímsson disse que o país deve voltar em breve ao pelotão da frente dos países europeus.

A diminuição do desemprego é um sinal de recuperação. “O desemprego na Islândia está abaixo da média europeia, estamos a registar de novo um crescimento da economia. E, embora uma parte da população ainda tenha dificuldades, se compararmos com outros países da Europa, a Islândia está a ter um desempenho razoável”, diz o chefe de Estado islandês.

Grímsson explicou que a desvalorização da moeda ajudou a exportar mais: “Fomos ajudados pela desvalorização da moeda que tornou o sector exportador muito mais rentável”. O Presidente islandês manifestou-se esperançado “que no final deste ano, e durante 2011 e 2012, a Islândia ultrapasse as suas dificuldades e fique mais forte do que outros países europeus”.

MRA Alliance/RR

Sócrates diz que austeridade pode chegar até 2013 e não pede desculpa ao povo português

quarta-feira, maio 19th, 2010

Sócrates em entrevista à RTP1O primeiro-ministro José Sócrates garantiu que o Governo “não hesitará em manter as medidas de austeridade até 2013 se for preciso”. Na entrevista que deu à RTP1, o chefe do Governo acrescentou que fez “tudo para não aumentar os impostos” e explicou as medidas de austeridade que o Executivo impôs ao país. Questionado sobre se não devia pedir desculpas aos portugueses por ter aumentado os impostos, contrariamente ao que tinha prometido durante a última campanha eleitoral e confrontado com a atitude do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, que pediu desculpa por ter viabilizado as medidas de austeridade, José Sócrates disse que só o teria de fazer se não tivesse coragem para tomar as medidas necessárias face a um quadro de crise financeira.

“Não peço desculpa por cumprir o meu dever e fazer o que é imprescindível para defender o país. Teria de pedir desculpa se não tivesse a coragem de tomar as medidas necessárias”, respondeu o líder do Executivo. José Sócrates reforçou depois que “só pede desculpa quem não faz aquilo que deve” e que “a ética da responsabilidade deve prevalecer”. Já sobre a atitude de Pedro Passos Coelho ter pedido desculpa, Sócrates disse que “cada um fala por si”.

O primeiro-ministro garantiu que não há nenhuma divergência entre ele e o ministro das Finanças sobre a duração das medidas de austeridade. Na semana passada José Sócrates tinha falado de medidas para durarem ano e meio e Teixeira dos Santos admitiu entretanto que talvez seja necessário prolongar as medidas até 2013.

Referindo-se especificamente ao imposto extraordinário e ao aumento do IVA Sócrates afirmou: “temos a intenção de as aplicar imediatamente, para vigorar em 2010 e em 2011, mas se chegar o fim de 2011 e se revelar necessário manter essas medidas, mantê-las-emos” garantindo ainda que as restantes medidas de redução da despesa “vão manter-se até 2013”. A este respeito o chefe do Governo enfatizou que “o ministro das Finanças disse que se for preciso manteremos as medidas”, sublinhando no entanto que as mesmas só têm o apoio do PSD “até o final de 2011”.

Relativamente à promessas anteriores de não aumentar impostos, o primeiro-ministro invocou a mudança nas condições de financiamento internacional, explicando que “o mundo mudou” no final de Abril e no princípio de Maio. Sócrates lembrou que “os juros das Obrigações do Tesouro passaram de cerca de 5 por cento, e uma semana depois estavam nos 7 por cento”.

“O mundo mudou nessa semana”, enfatizou o chefe do Governo, tendo havido “mudanças muito significativas nos mercados internacionais” e um ataque “especulativo e inesperado ao euro”. “Essas três semanas (entre o final de Abril e meados de Maio) foram decisivas para mudar toda a Europa”, disse o líder do Executivo, salientando que os outros países europeus também estão a tomar medidas para acelerar a redução do défice.

MRA Alliance/RTP